Archive for the 'Entrevista' Category

NIETZSCHE E REICH FALAM SOBRE CRISTO NA SUA PERMANENTE E ETERNA CRUZ QUE LEVOU AO GOZO O DYSANGELISTA SÃO PAULO

Resultado de imagem para imagens de cristo no filme de pasolini, o evangelho segundo são mateusResultado de imagem para imagens de friedrich nietzsche

Resultado de imagem para imagens de w. reich

Fotograma da obra cinematográfica O Evangelho Segundo São Mateus, de Pier Paolo Pasolini, produzida em 1964 e considerada pelo Vaticano o melhor cinema sobre Cristo.

Em mais uma sexta-feira Santa, ou da paixão de Cristo em que os cristãos influenciados pelo Apóstolo Paulo veneram a morte que para Nietzsche é a coisa mais imunda, numa criação literária política, entrevistamos Reich e Nietzsche, dois pensadores que defenderam a vida dos maus encontros na luta contra a coisa imunda.

Blog Afinsophia: Neste momento há no Brasil uma perseguição de apolíticos, mídia golpista, judiciário,  governo e empresas norte americanas e de outros países envolvidos no golpe contra a Democracia e os governos populares de Lula e Dilma. No ser humano isso é provocado por quem e se com essa prática Jesus Cristo, o maior socialista do mundo continua sendo assassinado? O  que fazem os promotores e o que acontece com a Justiça?

Reich: “Quando a Peste emocional ataca sua vítima, ela ataca forte e rapidamente. Ataca sem piedade ou interesse pela verdade dos fatos; só interessa uma verdade: matar a vítima.”

“Há promotores públicos que agem como verdadeiros advogados, estabelecendo a verdade, recorrendo a múltiplas fontes. Há outros cujo único objetivo é a morte da vítima, seja essa morte certa ou errada, justa ou injusta.”

“Aí está o assassinato de Cristo, hoje como a dois mil ou quatro mil anos atrás.”

“Quando a peste emocional ataca, sua vítima está exposta aos olhos e julgamento de todos, difundem-se largamente as acusações que existem contra ela. A vítima fica nua diante de seus juízes , como um servo no meio de uma clareira, prestes a ser morto, enquanto os caçadores se escondem nas moitas. O verdadeiro acusados raramente aparece em cena; geralmente sua identidade permanece secreta até pouco antes do golpe fatal. Não existe lei que puna o caçador escondido.”

“[…] Quando a peste emocional ataca a justiça recua mansamente, chorando.”

Resultado de imagem para imagens de cristo no filme de pasolini, o evangelho segundo são mateus

Blog Afinsophia: Hoje é sexta-feira Santa. Nietzche, você fala numa verdadeira história do cristianismo. Qual sua crítica ao termo “cristão”?

Nietzche: ” A palavra “cristão” é já um equívoco; no fundo só existiu um cristão e esse morreu na Cruz. O Evangelho “morreu” na cruz. O que desde então se chamou “Evangelho” era já o contrário do que Cristo havia vivido; uma “má mensagem”, um dysangelium. É falso até a estupidez, o ver em uma “fé”, por exemplo, a fé na salvação por Cristo, o sinal distintivo de cristão. […]”

BA: Em que momento se decidiu a sorte do Evangelho?

N: “A sorte do Evangelho decidiu-se no momento da morte: estava suspenso da cruz. Só a morte, essa morte inesperada e ignominiosa, a cruz que geralmente estava reservada à canaille; esse espantoso paradoxo foi que conduziu por si mesmo os discípulos perante o verdadeiro problema. “Quem era este? Que significa isto”? […] “Quem foi que o matou? Quem era o seu inimigo natural? Esta pergunta surgiu como um relâmpago. Resposta: o judaísmo “reinante”, a sua classe diretora. Desde esse momento encontraram-se em rebeldia contra a ordem, considerou-se Jesus como um “sublevado contra a ordem estabelecida”.

Resultado de imagem para imagens de cristo no filme de pasolini, o evangelho segundo são mateus

BA: Depois do assassinato de Cristo se falou em boa nova. Qual delas foi seguida e quem o manteve crucificado até os dias de hoje?

N: “[…] A boa nova foi seguida de perto pela “pior” de todas, a de São Paulo. Nele se encarna o tipo contrário do “gozozo mensageiro”, o gênio no ódio, na visão do ódio, na implacável lógica do ódio. Quantas coisas sacrificou ao ódio, esse Dysangelista! Antes de tudo ao Salvador: cravou-o na “sua” cruz. […]”

Com o depoimento destes dois grandes estudiosos da alma humana; no Brasil, temos perseguidores e perseguidos. Não temos cristãos como diz Nietzsche. O único teve um fim que o povo junto com os judeus e o império romano assassinaram. No Brasil, os golpistas já assassinaram nossa democracia, depuseram nossa presidente e perseguem nosso virtual presidente em 2018. A peste emocional é motivo de preocupação porque ela está na direita brasileira que neste momento produz uma camiseta com o presidente Lula degolado. Isso não é admissível, é uma provocação. A guilhotina só foi usada na Revolução Francesa. Neste momento que os yankes intimidam a Coreia do Norte, bombardeiam o Afeganistão, não é intenção do povo brasileiro ir à guerra civil. A pior das guerras. Se faz necessário neste momento que o governo golpista renuncie e se convoque eleições gerais em todos os níveis. Só assim é possível, nesta sexta feira reverenciarmos o mais lindo de todos os homens, o propagador da paz, da liberdade, da solidariedade, da vida, sem milagres, acreditando no homem como potencial agente de superação para chegar ao super-homem como falou Nietzsche.

Resultado de imagem para imagens de cristo no filme de pasolini, o evangelho segundo são mateus

Fonte: Os textos da entrevista com Reich foi sacado do livro O Assassinato de Cristo, publicado pela Martins Fontes e o papo com Nietzsche foi do seu  O Anticristo, publicado pela Editora Moraes.

MORO, EM VÍDEO, MOSTRA QUE É TRASPASSADO PELA AFECÇÃO DE BAIXA TOLERÂNCIA PARA SUPORTAR FRUSTRAÇÕES: AS PERGUNTAS QUE LHE FOREM EDEREÇADAS

 Na lógica dos iguais qualquer enunciado que desvie a palavra de ordem da redundância do significante, a forma de poder dominante, estabelece desequilíbrio enunciativo no sujeito-objeto da enunciação endereçada. 

  É simplérrimo entender, como diz um estudante da segunda série do grupo escolar. A lógica dos iguais dispõem todos seus sujeitos-sujeitados na ordem do mesmo discurso que se pretende obedecer se fazer obedecido. Quando ocorre o contrário, uma variável linguística construída por um sujeito de ação, que escapa da reação redundante, toda a estrutura do discurso dominante é abalada não importando quem seja o sujeito-sujeitado do discurso e sua posição social. Jornalista, médico, deputado, senador, empresário, professor, todos, em função dos entrelaços enunciativos, são estremecidos. Porque nenhum discurso, ou enunciação, é individual. No caso específico do discurso enunciativo do capitalismo, todos seus sujeitos-sujeitados se encontram intimamente ligados à essa lógica. Também conhecida como subjetividade moral estratificada pelos corpos capitalísticos-jurídicos. Daí porque são iguais.

    O estudante da segunda série do grupo escolar nos mostra sorridente que Moro defende o discurso do poder judiciário cujo corpo criador e mantenedor é a política econômica capitalista. Portanto, é uma justiça cujos resultados não mexe em uma simples partícula do sistema estabelecido. Mesmo com às possíveis condenações não muda nada. Só exibe uma plumagem de seriedade moral que se aloca no axioma culposo do “não roubarás” dos que precisam sublimar suas indiferenças ontológicas.

     Na verdade, a justiça só seria feita, se o entendimento de corrupção, no sentido de roubo, através  das práticas jurídicas, desvendassem, julgassem e condenassem os que roubam os trabalhadores, já que o dinheiro usado pelas empresas na trama da corrupção tanto no plano privado como estatal, saiu da força de produção do trabalhador que produziu essa riqueza enquanto era roubado em seu salário e seus direitos. Se assim fosse, toda a grana recuperada deveria ser entregue aos trabalhadores. No mais, trata-se de simulação de justiça: fingir ser o que não é, já que a forma do discurso da política econômica capitalista continua em sua dominação. 

    Moro foi entrevistado pelo jornalista da BBC, Ricardo Senna, durante sua passagem pela Harvard Business School e se mostrou traspassado pela afecção – como nos mostra o filósofo Spinoza – da baixa tolerância para suportar frustrações. Frustrações porque, provavelmente, não esperava perguntas antagônicas a imagem que ele tem se si mesmo.

   Observem suas rostidades diante das perguntas.

 

PRIMEIRO: FORA TEMER! HOJE, NA TV BRASIL E REDE MINAS, SERÁ APRESENTADA A REVELANTE ENTREVISTA DE NASSIF COM DILMA

images-cms-image-000501180

Agora é para valer. Hoje, dia 9, a TV Brasil e a TV Minas apresentarão a entrevista realizada pelo proeminente jornalista Luiz Nassif com a presidenta Dilma Vana Rousseff gravada no domingo passado.

A entrevista era para ser apresentada na segunda-feira, dia 6, dia da semana em que o insigne jornalista apresenta seu programa semanal Braslianas.org na emissora pública TV Brasil.

O motivo da impossibilidade da apresentação da entrevista é óbvio: como o encruado ditador havia demitido o presidente da Empresa Brasileira de Comunicação (EBC), Ricardo Melo, e enfurnado no cargo um de seus compinchas amicíssimos do peito do réu Eduardo Cunha, o diretor da TV Câmara com consciência globista cujo trabalho foi desmontar a televisão de seu caráter publico e popular, Laerte Rimoli, logo iniciou o desmonte com as demissões dos profissionais que na TV pública realizavam seus serviços. Entre eles, o eminente jornalista Paulo Moreira Leite, que também é o diretor do site Brasil 247, em Brasília.

Foi então, que Ricardo Melo entrou com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) e através de uma liminar concedida pelo ministro Dias Toffili, foi reconduzido ao cargo. Como o estrago já havia sido feito, levou alguns dias para tudo voltar ao normal na TV Brasil.

Agora, é acionar o controle remoto ou o botão com o próprio dedo, às 22 horas e assistir e se deleitar com entusiasmo democrático a entrevista onde a presidenta fala de seu governo popular, de sua defesa contra o golpe e todas as manobras conspiratórias promovidas pelos golpistas.

E, também, lembrar: Nas 22 horas de sexta-feira, dia 10, dia da mobilização geral em todo o Brasil pelo Fora Temer, a presidenta Dilma estará sendo entrevistada pela jornalista, Mariana Godoy.

É mais um fim de semana que vai ficar na história do Brasil como os dias em que o povo movido pelas potências-políticas- democráticas práxis e poiesis, devires expressivos da coragem, honradez, brio e da comunalidade, lutaram contra a tirania golpista comandada por Temer, o ilegítimo, em defesa do Estado de Direito Democrático e pela Soberania do Brasil.

Só não participa quem já morreu ou é cumplice do golpe!  

“TENHO CERTEZA QUE OS SENADORES ESTÃO PERCEBENDO OS INÚMEROS RETROCESSOS… FAREMOS O POSSÍVEL PARA REVERTER ESTE QUADRO”, AFIRMOU DILMA. SOBRE O MINHA CASA: “ELES SÃO CAPAZES DE TUDO”

431f0ef5-ae70-4deb-a4d5-c9d2c6ee2d5a

Dando continuidade as suas conversas com internautas através do Facebook, a presidenta Dilma Vana Rousseff, junto com a ex-presidenta da Caixa Miriam Belchior, falou sobre as tétricas decisões promovidas pelo desgoverno usurpador comandado pelo golpista-maior Temer, e suas incidências sobre a população. Principalmente a mais necessitada de políticas sociais.

Dilma mostrou o quanto as decisões perversas promovidas por Temer e seus cúmplices já atingiram a sociedade. Foram várias decisões irracionais e descabidas, próprias de que não tem competência para administrar um país, unidas com a brutalidade, que os levantes contra o grupo golpista estão cada vez mais se multiplicando por todo o Brasil, e todo dia.

“O governo interino já demonstrou ser contra qualquer subsídio para os mais pobres. Ser contra subsídio é ser contra minha Casa, Minha Vida. Acreditamos que eles, do jeito que vão, são capazes de tudo.

Sem mecanismos, a renda das famílias que ganham até R$ 1.800 irá toda para pagar a prestação da casa própria. É bom lembrar que 80% déficit habitacional está nessa faixa de renda. Além de acabar com os subsídios, o governo provisório vai reduzir o número de moradias que serão contratadas.

O programa é um sucesso porque garante, ao mesmo tempo, casa para quem precisa e gera milhões de empregos em toda cadeia produtiva da construção civil. Até 30 de abril de 2016, foram contratadas mais de 4 milhões de moradias. Vão beneficiar 6 milhões e 750 mil pessoas. Segundo a Fundação Getúlio Vargas, foram criados cinco milhões de empregos. Por isso, mexer no Minha Casa, Minha Vida revela uma falta de compromisso com o povo brasileiro.

É um absurdo que o presidente interino altere tão drasticamente as políticas decorrentes do programa de governo que recebeu mais de 54 milhões de votos em eleições diretas.

Tenho certeza de que os senadores já estão percebendo os inúmeros retrocessos advindos das decisões equivocadas do governo provisório. Faremos todo o possível para reverter este quadro que só tem prejudicado a população, especialmente a que mais precisa”, afirmou a presidenta do Brasil.

E Dilma continua falando com o povo brasileiro que deseja ardentemente sua volta de onde nunca saiu.

Fala, Dilma!

“AÉCIO É PESSOA COM SENTIMENTO EGOÍSTA, DO PODER PELO PODER, DE AMBIÇÃO ABSURDA… UM ELEMENTO PERIGOSO”, DIZ O PROFESSOR ALDO FORNAZIERI

aldo fornazieriNesse ambiente de comemoração do Dia do Professor nada como entrar em contato com as análises realizadas pelo professor Aldo Fornazieri, diretor acadêmico da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP), sobre o sujeito Aécio Cunha, um ex-governador do estado de Minas Gerais que tratou a educação sem a sensibilidade e a cognição que ela obriga. Principalmente a educação promovida pela rede de ensino público.

O professor foi entrevista do pelo jornalista Helder Lima, da Rede Brasil Atual. Leia

Leia a íntegra da inteligente, reveladora e necessária entrevista.

Quanto dessa crise pode estar vindo de uma manipulação midiática?

A crise atual tem alguns aspectos complexos. Em primeiro lugar, existe uma crise ética no Brasil por conta dos escândalos na Petrobras. Aprofundou-se na sociedade a ideia de que toda estrutura política é corrupta e de que os partidos não têm legitimidade, nem as instituições. Existe também uma crise política, que tem muito de artificial, porque é evidente que o governo Dilma cometeu erros, porém, a partir desses erros, a oposição, particularmente Aécio Neves (PSDB-MG), inconformado com a derrota, quer a presidência a qualquer custo. Ele está insuflando uma crise artificial.

Essa crise envolve dois movimentos. O primeiro é a ação do PSDB no TSE querendo cassar a chapa Dilma-Temer para ter uma nova eleição. O segundo é o processo de impeachment na Câmara dos Deputados. Essas questões são artificiais. E elas decorrem de uma luta pelo poder sem escrúpulos, na medida em que não existe um fundamento legal para ter um impeachment, e na medida em que o próprio TSE havia aprovado as contas da Dilma.

Junto de Aécio estão outros líderes da oposição, está o próprio Gilmar Mendes, que se tornou um conspirador, e aparentemente o próprio Augusto Nardes, do TCU, porque entendo que as questões das pedaladas fiscais são um problema que tem de ser corrigido, mas na medida em que FHC e Lula as praticaram, o TCU deveria ter feito um termo de ajustamento de conduta dizendo ‘Olha, até agora vínhamos tolerando as pedaladas fiscais, mas de agora em diante não vamos mais tolerar’. E fazer com que o governo assumisse o compromisso de não praticar mais. Senão, você comete uma injustiça.

Então, por isso, há esses atores que estão criando uma crise artificial, que provoca instabilidade política e incertezas quanto ao futuro, com consequências graves na economia: empresas se endividam mais por conta da elevação da taxa de câmbio e têm de fechar diante de toda a incerteza. Isso vai criando desemprego.

Entendo que esses atores aí, Aécio Neves à frente da oposição, ministro Gilmar Mendes e Augusto Nardes estão provocando um desserviço ao Brasil. Estão conspirando não apenas contra o governo, mas contra o país, porque as consequências dessa crise política artificial na economia são graves, e quem mais perde é o povo, os trabalhadores.

Como o sr. vê a questão do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que vinha como paladino da moralidade, agora está em uma situação ruim, com as provas contra ele que surgiram na operação Lava Jato. Ele tem condição moral de continuar o processo de impeachment?

Condições morais ele não tem, mas existe uma cruzada moral imoralista. Lideres corruptos querem se apresentar como paladinos da moralidade, e o Eduardo Cunha é um desses. No entanto, ele tem a prerrogativa constitucional de dar encaminhamento a um pedido de impeachment.

E ali há setores da oposição e setores do governo que não se pronunciam a favor da retirada dele. Por exemplo, a própria bancada do PT, mais de 20 deputados assinaram o pedido de abertura de processo na comissão de ética, mas o líder do PT, Sibá Machado, disse que não vai se pronunciar pela saída do Cunha. Então, tem todo um jogo de negociatas, e Eduardo Cunha se aproveita disso para fazer barganhas junto ao governo e barganhas junto à oposição. Porque, no fundo, a única coisa que Cunha quer é salvar sua pele e seu mandato de presidente e parlamentar, que correm riscos porque houve uma flagrante violação do decoro parlamentar na medida em que ele mentiu na CPI da Petrobras. Declarou que não tinha contas no exterior e agora foi comprovado. Isso não é mais denúncia, isso é comprovação. O MP da Suíça comprovou que ele tinha contas naquele país.

Nesse cenário, as elites jogam contra os interesses do país; por exemplo, estão interessadas em mudar a lei de partilha do pré-sal, querendo entregar as riquezas para as multinacionais. Como o sr. vê isso?

Há um jogo de interesses. A política no Brasil, e com esses partidos que estão aí, tornou-se um grande negócio. Os partidos dependem de financiamento de campanha e os políticos ganham dinheiro, como se mostrou nessas negociatas da Petrobras. Isso vale tanto para os partidos do governo, como para a oposição.

Na medida em que a política se tornou um grande mercado de corrupção, esses interesses trafegam pela política. No impeachment, há interesses econômicos por trás. O fato é que a política brasileira precisa ter uma renovação radical, porque ela está em uma descrença completa. As instituições não estão legitimadas.

A presidência tem uma avaliação positiva de 10% e o Congresso também. Os partidos, 10%. Você vê que há uma deslegitimação das instituições. O dramático de tudo isso é que diante dessa crise artificial não se vê um movimento no sentido de fazer uma reforma política séria, de separar as negociatas. Quem é amigo hoje vira inimigo amanhã e vice-versa. A população fica sem referências políticas e morais diante da política que virou um sistema de degradação moral.

Mas o STF se manifestou contra o financiamento de campanha por empresas. Já em 2016, não será possível esse tipo de recurso para os candidatos. Como o sr. vê isso?

Acho positivo. O STF passou a legislar, embora de forma indesejável, porque quem deveria fazer uma reforma política é o Congresso, mas na medida em que o Congresso não funciona, virou uma casa de negociatas políticas e de tráfico político, o STF passa a legislar de certa forma ferindo o próprio princípio republicano de separação de poderes. Infelizmente, essa é a situação.

O STF, em grande medida, esta substituindo o Congresso no que diz respeito à legislação, particularmente a política e eleitoral. Infelizmente, o país está mergulhado nessa crise de não funcionalidade de suas instituições republicanas.

Por que o sr. acha que o país chegou a essa crise institucional?

Os motivos são variados e profundos. Desde o fato de que os partidos se acomodaram em um sistema de benefícios econômicos próprios, de administração de seus interesses, eles são financiados pelo setor empresarial, capturados pelo poder econômico e, por outro lado, também tem recursos do Estado. Então, os partidos viraram um sistema de negócios, pois capturam dinheiro do setor privado e capturam dinheiro do setor público.

Pelas denúncias você vê parentes de políticos financiados e assim por diante. A política virou um grande negócio. Enquanto não se fizer uma reforma política que bloqueie a mercantilização da política, vamos continuar nesse sistema.

E que medidas o sr. defenderia para complementar a proibição pelo STF do dinheiro de empresas nas campanhas?

Bom, vejo que o fato de se estabelecer a proibição do financiamento privado não necessariamente indica que não haverá caixa dois. Tudo indica que vai. Então, o que tem de fazer é punir. Aparentemente, começamos um mínimo sistema de punição das elites por meio da Lava Jato. Tem vários empresários na cadeia e alguns políticos também. É preciso abrir as portas das cadeias para os políticos corruptos entrarem. Assim, você vai acabar com a corrupção alimentada pela impunidade.

Tem um artigo seu no portal GGN no qual o sr. fala que a crise se estende até 2018…

Não tem perspectiva. Continuando a Dilma, ela será um governo fraco e substituindo, aparentemente a crise se agrava. Então, digo que a Dilma é um mal menor. Tirá-la agravaria a crise. Acho que os setores democráticos não aceitariam um golpe, pois o impeachment, no meu ponto de vista, agora é um golpe.

Na época da UDN, ela era chamada de vivandeira dos quartéis, pois ela vivia chorando na frente dos quartéis pedindo para que os militares interviessem. E agora temos as vivandeiras dos tribunais. Aécio e sua turma são isso. Querem que os tribunais substituam a vontade do povo que foi sacramentada nas urnas.

O sr. concorda que estamos vivendo o terceiro turno há um ano?

Nem é terceiro turno, pois é um golpe. É um inconformismo de Aécio Neves que é uma pessoa aparentemente dotada do sentimento de egoísmo, do poder pelo poder, de uma ambição absurda, e de uma pessoa que não se conforma pelos resultados ditados pelo povo. É um elemento perigoso para a democracia brasileira.

Nessa crise institucional, não estaríamos vivendo uma falta de liderança?

Com certeza, um dos aspectos da crise atual é a completa falta de liderança. Por que existe essa falta de liderança? Em primeiro lugar porque os partidos estão degradados. Eles brigam não por interesses do povo, mas por interesses próprios. O interesse particular dos partidos e dos políticos foi posto acima do interesse do bem público. Só há lideranças autênticas quando elas lutam pelo bem público.

Então, esse é o elemento base. A corrupção de princípios, a corrupção financeira e moral, elas degradam o sistema e impedem o surgimento de novas lideranças.

Existe um divórcio entre a sociedade e a representação política?

Com certeza, a sociedade não se reconhece nesse sistema político que está aí. A sociedade não se reconhece nos partidos, nos governantes, no Congresso e, portanto, essa crise de legitimidade é uma crise de longo prazo, cuja solução é difícil. Difícil, também, pois não vemos o surgimento de um político virtuoso que saiba conduzir o povo em outra direção, que saiba dar um rumo para a situação política brasileira degradada pela crise moral.

Com o Congresso discutindo retrocessos como o projeto de terceirização, entre outros, o Brasil deixa de fazer as reformas necessárias, como por exemplo a regulação da mídia e a reforma tributária. Essas reformas estruturais estão descartadas para os próximos anos?

Acho que sim. Esse Congresso é conservador e ele não se dispõe. Nem quando tinha o peso da liderança de Lula se fizeram reformas profundas, com um Congresso até mais progressista do que o que está aí. Faltou iniciativa política. Nesse sentido, vejo que o PT tem bastante culpa no cartório, pois não fez a batalha pelas reformas que são estruturantes para a redução da desigualdade no país.

Isso mostra que não é possível governar para todos?

Você tem de governar para todos, mas guiado pelo princípio da Justiça. O governante é do país, da nação, mas ele tem de guiar suas ações pelo princípio da Justiça. O erro que o governo Dilma cometeu foi a tentativa de criar um governo de um projeto, de uma parte. Não se diz isso, o governante é de toda a nação. No entanto, o que tem de guiar é o princípio da Justiça.

Então, há uma confusão completa do que significa governar, ou governar com justiça e assim por diante. Do meu ponto de vista, a condução que o governo vem tendo do ponto de vista político é medíocre, tanto que o país está mergulhado em uma situação ruim.

O sr. vê semelhanças no que se passa hoje e na crise política enfrentada por Getúlio Vargas, que o levou ao suicídio?

Nenhuma. As circunstâncias são completamente diferentes. A crise que está aí foi criada por fatores diferentes, e nesse sentido não dá para fazer uma comparação. Naquela época tinha guerra fria, hoje não tem, existiam determinados fatores conjunturais do país diferentes do que há agora. A esquerda ainda tinha moral, e hoje ela esta enfrentando uma profunda crise. Está na defensiva, então vivemos uma situação diferente.

Você tem alguma proposta para recuperar a legitimidade do sistema político?

Em primeiro lugar, teríamos de ter partidos verdadeiros, vinculados aos interesses sociais. Não temos esses partidos. A reestruturação partidária e política não é a saída. Então estamos quase em um beco sem saída, pois a crise é a longo prazo e não vejo capacidade nos partidos e líderes que aí estão para fazer uma mudança dessa envergadura.

Mas enquanto a crise política é artificial, a econômica é real?

É real, pois pessoas estão perdendo empregos, a inflação está alta, empresas estão fechando, se endividando. O consumo cai. Esta é uma crise real, mas ela vem sendo potencializada pela crise política.

Do ponto de vista da economia, o ajuste fiscal poderia ter sido evitado?

Não, ele é necessário. É preciso entender isso, e parte da esquerda não o faz. É preciso, pois a dívida pública está aumentando muito. Se o país não contornar esse crescimento, vamos entrar em uma situação de descontrole e a situação vai ficar pior. Culpar Levy por essa situação me parece um absurdo. O que tem de se discutir no ajuste é quem paga o ajuste fiscal. No entanto, houve uma degradação fiscal do país no mandato de Dilma.

Os empresários que tiveram grandes desonerações?

Sim, mas foram dadas pelo governo. O governo errou no trato da energia, errou nas desonerações, errou na concessão de bilhões em empréstimos através do BNDES e quem está pagando essa conta é o povo. Isso não foi feito pelo Levy.

Como o sr. vê a campanha da Fiesp contra impostos e contra a CPMF?

O fato é que em parte, os empresários foram beneficiados, e agora a sociedade sempre é contra o aumento de impostos. Os trabalhadores também são. Só que o peso maior desse ajuste está sendo pago pelos trabalhadores, agora esse não é um problema do Levy.

CRIMINALISTA PAULO SÉRGIO LEITE FERNANDES, RECORRE À PSICANÁLISE E DIZ QUE “MORO É UM OBSESSIVO COMPULSIVO E LULA É O ALVO. E QUALQUER COISA É POSSÍVEL EM SE TRATANDO DE UM PERSONAGEM COMO ESTE”

lula-evangelicos-600x371Em entrevista ao site Diário do Centro do Mundo o decano dos criminalistas Paulo Sérgio Leite Fernandes, que é um dos mais contundentes opositores do recurso da delação premiada que ele classifica de cagüetagem, recorreu à psicanálise para explicar o caráter do juiz Sérgio Moro.

O criminalista, que para solidificar e ampliar os alcances de sua profissão tem que estudar psicanálise e psiquiatria para melhor conhecer seus constituintes e outros indivíduos que estão envolvidos nos corpus jurídicos, recorreu aos pressupostos da psicanálise desenvolvidos por Freud, criador do método de tratamento das neuroses e estudo preliminares sobre psicoses. Ele foi o primeiro que concebeu as atitudes do juiz Sérgio Moro na Operação Lava Jato como impulsos que vão além das percepções e concepções racionais das ocorrências.

Com esse entendimento ele afirmou que o juiz Sérgio “Moro é um obsessivo compulsivo e Lula é o alvo. E qualquer coisa é possível em se tratando de um personagem como este”.

Leia o texto da entrevista.

O Moro não é original na posição em que se põe. Na Antiguidade, você teve centenas de arautos desse estilo, que se colocam como heróis no conflito entre o bem e o mal.

É o chefe da tribo, o pajé, o rei viking que conduz os guerreiros pelos mares revoltos.

Nem sempre acaba bem. O bispo Savonarola, em Florença, fazia essa pregação da imaculabilidade. Quando perdeu o poder, foi-lhe perguntado se queria morrer pela espada ou pela forca. Morreu enforcado e depois seu corpo foi incinerado numa fogueira em praça pública.

Sergio Moro é necessário neste momento. Não digo que isso é bom ou mal. Ele é um personagem da hora. 

Aí temos outro elemento: o povo. O povo, ou parte dele, quer sangue, quer vítimas, como as harpias na Revolução Francesa.

Moro acha que tem de oferecer o sangue que esse povo quer.

A diferença dos tempos antigos é que, hoje, o negócio é mais sofisticado. A Lava Jato, por exemplo, faz algo inominável: algema as pessoas com as mãos para trás.

Qual a finalidade disso?

Para que elas não possam cobrir o rosto, o sinal mais instintivo da vergonha. Trata-se apenas de filhadaputice. 

O objetivo final dele é prender Lula. É o seu trofeu de caça. O juiz se tornou um ícone da política judiciária do Brasil. Foi transformado num símbolo da impecabilidade. Tem, ou acha que tem, esse papel a cumprir.

Ele vai medir os riscos da prisão, obviamente. Precisa das provas adequadas. Um problema, para Moro, seria a revogação da prisão preventiva por falhas processuais.

Se chegar a prender Lula, mesmo com estrutura probatória adequada, há a possibilidade de uma reação enorme da sociedade civil. 

Em sua motivação psicológica de vencer o mal, ou o que acredita ser o mal, ele vai levar tudo isso em consideração. Moro é um obsessivo compulsivo e Lula é o alvo. E qualquer coisa é possível em se tratando de um personagem como este.

O TEÓLOGO E FILÓSOFO, LEONARDO BOFF, DIZ QUE “O PROJETO DE MARINA É PESSOAL, MALAFAIA É SEU PAPA E A ENTREGA DO BANCO CENTRAL É TOTAL FALTA DE BRASILIDADE”

Desta vez, Leonardo Boff foi entrevistado pela talentosa e engajada jornalista Conceição Leme do Site Vi O Mundo.

Viomundo — Qual o risco para a democracia brasileira de alguém na presidência estar submissa a visões tão retrógradas em pleno século XXI, ignorando os avanços, as modernidades?

Leonardo Boff — Um fundamentalista é um dos atores políticos menos indicado  para exercer o cargo da responsabilidade de um presidente. Este deve tomar decisões dentro dos parâmetros constitucionais, da democracia e de um estado laico e pluralista. Este tolera todas as expressões religiosas, não opta por nenhuma, embora reconheça o valor delas para a qualidade ética e espiritual da vida em sociedade.

Se um presidente obedece mais aos preceitos de sua religião do que aos da Constituição, fere a democracia e entra em conflito permanente com outros até de sua base de sustentação, pois os preceitos de uma religião particular não podem prevalecer sobre a totalidade da sociedade.

A seguir estritamente nesta linha, pode acontecer um impeachment à Marina, por inabilidade de coordenar as tensões políticas e gerenciar conflitos sempre presentes em sociedades abertas.

Viomundo — Lá atrás Marina Silva esteve ligada à Teologia da Libertação. Atualmente, é da Assembleia de Deus. O que o senhor diria dessa trajetória religiosa? O que representa essa guinada para o conservadorismo exacerbado?

Leonardo Boff – Respeito a opção religiosa de Marina bem como de qualquer pessoa. Eu a conheço do Acre e ela participava dos cursos que meu irmão teólogo Frei Clodovis (trabalhava 6 meses na PUC do Rio e 6 meses na igreja do Acre) e eu dávamos sobre Fé e Política e sobre Teologia da Libertação.

Aqui se falava da opção pelos pobres contra a pobreza, a urgência de se pensar e criar um outro tipo de sociedade e de país, cujos principais protagonistas seriam as grandes maiorias pobres junto com seus aliados, vindos de outras classes sociais. Marina era uma liderança reconhecida e amada por toda a Igreja.

Depois, ao deixar o Acre, por razões pessoais, converteu-se à Igreja Assembleia de Deus. Esta se caracteriza por um cristianismo fundamentalista, pietista e afastado das causas da pobreza e da opressão do povo. Sua pregação é a Bíblia, preferentemente o Antigo Testamento, com uma leitura totalmente descontextualizada daquele tempo e do nosso tempo. Como fundamentalista é uma leitura literalista, no estilo dos muçulmanos.

Politicamente tem consequências graves: Marina pôs o foco no pietismo e no fundamentalismo, na vida espiritual descolada da história presente e quase não fala mais da opção pelos pobres e da libertação. Pelo menos não é este o foco de seu discurso.

A libertação para ela é espiritual, do pecado e das perversões do mundo. Com esse pensamento é fácil ser capturada pelo sistema vigente de mercado, da macroeconomia neoliberal e especulativa.

Isso é inegável, pois seus assessores são desse campo: a herdeira do Banco Itaú Maria Alice (Neca), Guilherme Leal da Natura e o economista neoliberal Eduardo Gianetti da Fonseca. Os pobres perderam uma aliada e os opulentos ganharam uma legitimadora.

E eu que em 2010 sonhava com uma representante dos povos da floresta, dos caboclos, dos ribeirinhos, dos indígenas, dos peões vivendo em situação análoga à escravidão, dos operários explorados das grandes fábricas, dos invisíveis, alguém que viria dos fundos da maior floresta úmida do mundo, a Amazônia, chegar a ser presidente de um dos maiores países do mundo, o Brasil?! Esse sonho foi uma ilusão que faz doer até os dias de hoje. Pelo menos vale como um sonho que nunca morre!

Viomundo — O programa de Marina prevê autonomia ao Banco Central. O que acha dessa medida?

Leonardo Boff — Eu me pergunto, autonomia de quem e para quem?

Acho uma falta total de brasilidade. Significa renunciar à soberania monetária do país e entregá-la ao jogo do mercado, dos bancos e do sistema financeiro capitalista nacional e transnacional. Um presidente/a é eleito para governar seu povo e um dos instrumentos principais é o controle monetário que assim lhe é subtraído. Isso é absolutamente antidemocrático e comporta submissão à tirania das finanças que são cada vez mais vorazes, pondo países inteiros à falência como é o caso da Grécia, da Espanha, da Itália, de Portugal e outros.

Viomundo — Essa medida expressa a influência de Neca Setúbal, herdeira do Itaú, no seu futuro governo?

Leonardo Boff — Quem controla a economia controla o país, ainda mais que vivemos numa sociedade de “Grande Transformação” denunciada pelo economista húngaro-americano Karl Polaniy ainda em 1944 quando, como diz, passamos de uma sociedade com mercado para uma sociedade só de mercado. Então tudo vira mercadoria, inclusive as coisas mais sagradas como água, alimentos, órgãos humanos.

A forma como o capital se impõe é manter sob seu controle os Bancos Centrais dos países. A partir desse controle, estabelecem os níveis dos juros, a meta da inflação, a flutuação do dólar e a porcentagem do superávit primário (aquela quantia tirada dos impostos e reservada para pagar os rentistas, aqueles que emprestaram dinheiro ao governo).

Os bancos jogam um papel decisivo, pois é através deles que se fazem os repasses dos empréstimos ao governo e se cobram juros pelos serviços. Quanto maior for o superávit primário a alíquota Selic mais lucram. Pode ser que a citada Neca Setúbal tenha tido influência para que a candidata Marina acreditasse neste receituário, velho, antipopular, danoso para as grandes maiorias, mas altamente benéfico para o sistema macroeconômico vigente.

Viomundo — As avaliações feitas até agora mostram que o programa econômico de Marina é o mesmo de Aécio Neves, candidato do PSDB à Presidência. São neoliberais. O que representaria para o Brasil o retorno a esse modelo? O senhor acha que, se eleita, o governo Marina teria conotações neoliberais?

Leonardo Boff — Marina acolheu plenamente o receituário neoliberal. Ela o diz com certo orgulho inconsciente, sem dar-se conta do que isso realmente significa: mercado livre, redução dos gastos públicos (menos médicos, menos professores, menos agentes sociais etc), flutuação do dólar e contenção da inflação com a eventual alta de juros.

Como consequência, arrocho salarial, desemprego, fome nas famílias pobres, mortes evitáveis. É o pior que nos poderia acontecer. Tudo isso vem sob o nome genérico de “austeridade fiscal” ,que está afundando as economias da zona do Euro e não deram certo em lugar nenhum do mundo, se olharmos a política econômica a partir da maioria da população. Dão certo para os ricos que ficam cada vez mas ricos, como é o caso dos EUA onde 1% da população ganha o equivalente ao que ganham 99% das pessoas. Hoje os EUA são um dos países mais desiguais do mundo.

Viomundo – Foi amplamente divulgado que Marina consulta a Bíblia antes de tomar decisões complexas. Esta visão criacionista do mundo é compatível com um mundo laico?


Leonardo Boff — O que Marina pratica é o fundamentalismo. Este é uma patologia de muitas religiões, inclusive de grupos católicos. O fundamentalismo não é uma doutrina. É uma maneira de entender a doutrina: a minha é a única verdadeira e as demais estão erradas e como tais não têm direito nenhum.

Graças a Deus que isso fica apenas no plano das ideias. Mas facilmente pode passar para o plano da prática. E, aí, se vê evangélicos fundamentalistas invadirem centros de umbanda ou do candomblé e destruírem tudo ou fazerem exorcismos e espalharem sal para todo canto. E no Oriente Médio fazem-se guerras entre fundamentalistas de tendências diferentes com grande eliminação de vidas humanas como o faz atualmente o recém-criado Estado Islâmico. Este pratica limpeza étnica e mata todo mundo de outras etnias ou crenças diferentes das dele.

Marina não chega a tanto. Mas possui essa mentalidade teologicamente errônea e maléfica. No fundo, possui um conceito fúnebre de Deus. Não é um Deus vivo que fala pela história e pelos seres humanos, mas falou outrora, no passado, deixou um livro, como se ele nos dispensasse de pensar, de buscar caminhos bons para todos.

O primeiro livro que Deus escreveu são a criação e a natureza. Elas estão cheias de lições. Criou a inteligência humana para captarmos as mensagens da natureza e inventarmos soluções para nossos problemas.

A Bíblia não é um receituário de soluções ou um feixe de verdades fixadas, mas uma fonte de inspiração para decidirmos pelos melhores caminhos. Ela não foi feita para encobrir a realidade, mas para iluminá-la. Se um fundamentalista seguisse ao pé da letra o que está escrito no livro Levítico 20,13 cometeria um crime e iria para a cadeia, pois aí se diz textualmente:  “Se um homem dormir com outro, como se fosse com mulher, ambos cometem grave perversidade e serão punidos com a morte: são réus de morte”.

Viomundo — Marina fala em governar com os melhores. É possível promover inclusão social, manter políticas que favorecem os mais pobres com uma política econômica neoliberal?

Leonardo Boff — Marina parece que não conhece a realidade social na qual há conflitos de interesses, diversidade de opções políticas e ideológicas, algumas que se opõem completamente às outras.

Lendo o programa de governo do PSB de Marina parece que fazemos um passeio ao jardim do Éden. Tudo é harmonioso, sem conflitos, tudo se ordena para o bem do povo. Se entre os melhores estiver um político, para aceitar seu convite, deverá abandonar seu partido e com isso, segundo a atual legislação, perderia o mandato.

Ela necessariamente, se quiser governar, deverá fazer alianças, pois temos um presidencialismo de coalizão. Se fizer aliança com o PMDB deverá engolir o Sarney, o Renan Calheiros e outros exorcizados por Marina. Collor tentou governar com base parlamentar exígua e sofreu um impeachment.

Viomundo — Marina é preparada para presidir um país tão complexo como o Brasil?

Leonardo Boff — Eu pessoalmente estimo sua inteireza pessoal, sua visão espiritualista (abstraindo o fundamentalismo), sua busca de ética em tudo o que faz. Estimo a pessoa,  mas questiono o ator político. Acho que não tem a inteligência política para fazer as alianças certas. O presidente deve ser uma pessoa de síntese, capaz de equilibrar os interesses e resolver conflitos para que não sejam danosos e chegar a soluções de ganha-ganha. Para isso precisa-se de habilidade, coisa que em Lula sobrava. Marina, por causa de seu fundamentalismo, não é uma pessoa de síntese,  mas antes de divisão.

Viomundo — A preservação efetiva do meio ambiente é compatível com o capitalismo selvagem dos neoliberais?

Leonardo Boff — Entre capitalismo e ecologia há uma contradição direta e fundamental. O capitalismo quer acumular o mais que pode sem qualquer consideração dos bens e serviços limitados da Terra e da exploração das pessoas. Onde ele chega, cria duas injustiças: a social, gerando muita pobreza de um lado e grande riqueza do outro; e uma injustiça ecológica ao devastar ecossistemas e inteiras florestas úmidas.

Marina fala de sustentabilidade, o que é correto. Mas deve ficar claro que a sustentabilidade só é possível a partir de outro paradigma que inclui a sustentabilidade ambiental, político-social, mental e integral (envolvendo nossa relação com as energias de todo o universo).

Portanto, estamos diante de uma nova relação para com a natureza e a Terra, onde as medidas econômicas preconizadas por Marina contradizem esta visão. Temos que produzir, sim, para atender demandas humanas, mas produzir respeitando os limites de cada ecossistema, as leis da natureza e repondo aquilo que temos demasiadamente retirado dela.

Marina quer a produção sustentável, mas mantém a dominação do ser humano sobre a natureza. Este está dentro da natureza, é parte dela e responsável por sua conservação e reprodução, seja como valor em si mesmo, seja como matriz que atende nossas necessidades e das futuras gerações.

Ocorre que atualmente o sistema está destruindo as bases físico-químicas que sustentam a vida. Por isso, ele é perigoso e pode nos levar a uma grande catástrofe. E com certeza os que mais sofrerão, serão aqueles que sempre foram mais explorados e excluídos do sistema. Esta injustiça histórica nós não podemos aceitar e repetir.


USAR O CONTROLE REMOTO É UM ATO DEMOCRÁTICO!

EXPERIMENTE CONTRA A TV GLOBO! Você sabe que um canal de televisão não é uma empresa privada. É uma concessão pública concedida pelo governo federal com tempo determinado de uso. Como meio de comunicação, em uma democracia, tem como compromisso estimular a educação, as artes e o entretenimento como seu conteúdo. O que o torna socialmente um serviço público e eticamente uma disciplina cívica. Sendo assim, é um forte instrumento de realização continua da democracia. Mas nem todo canal de televisão tem esse sentido democrático da comunicação. A TV Globo (TVG), por exemplo. Ela, além de manter um monopólio midiático no Brasil, e abocanhar a maior fatia da publicidade oficial, conspira perigosamente contra a democracia, principalmente, tentando atingir maleficamente os governos populares. Notadamente em seu JN. Isso tudo, amparada por uma grade de programação que é um verdadeiro atentado as faculdades sensorial e cognitiva dos telespectadores. Para quem duvida, basta apenas observar a sua maldição dos três Fs dominical: Futebol, Faustão e Fantástico. Um escravagismo-televisivo- depressivo que só é tratado com o controle remoto transfigurador. Se você conhece essa proposição-comunicacional desdobre-a com outros. Porque mudanças só ocorrem como potência coletiva, como disse o filósofo Spinoza.

Quer linha de corte? Este é esquizo. Acesse:

CAMPANHA AFINADA CONTRA O

VIRTUALIZAÇÕES DESEJANTES DA AFIN

Este é um espaço virtual (virtus=potência) criado pela Associação Filosofia Itinerante, que atua desde 2001 na cidade de Manaus-Am, e, a partir da Inteligência Coletiva das pessoas e dos dizeres de filósofos como Epicuro, Lucrécio, Spinoza, Marx, Nietzsche, Bergson, Félix Guattari, Gilles Deleuze, Clément Rosset, Michael Hardt, Antônio Negri..., agencia trabalhos filosóficos-políticos- estéticos na tentativa de uma construção prática de cidadania e da realização da potência ativa dos corpos no mundo. Agora, com este blog, lança uma alternativa de encontro para discussões sociais, éticas, educacionais e outros temas que dizem respeito à comunidade de Manaus e outros espaços por onde passa em movimento intensivo o cometa errante da AFIN.

"Um filósofo: é um homem que experimenta, vê, ouve, suspeita, espera e sonha constantemente coisas extraordinárias; que é atingido pelos próprios pensamentos como se eles viessem de fora, de cima e de baixo, como por uma espécie de acontecimentos e de faíscas de que só ele pode ser alvo; que é talvez, ele próprio, uma trovoada prenhe de relâmpagos novos; um homem fatal, em torno do qual sempre ribomba e rola e rebenta e se passam coisas inquietantes” (Friedrich Nietzsche).

Daí que um filósofo não é necessariamente alguém que cursou uma faculdade de filosofia. Pode até ser. Mas um filósofo é alguém que em seus percursos carrega devires alegres que aumentam a potência democrática de agir.

_________________________________

BLOG PÚBLICO

Propaganda Gratuita

Você que quer comprar entre outros produtos terçado, prego, enxada, faca, sandália, correia, pé de cabra ou bola de caititu vá na CASA UYRAPURU, onde os preços são um chuchu. Rua Barão de São Domingos, nº30, Centro, Tel 3658-6169

Pão Quente e Outras Guloseimas no caminho do Tancredo.
PANIFICADORA SERPAN (Rua José Romão, 139 - Tancredo Neves - Fone: 92-8159-5830)

Fique Frio! Sabor e Refrescância!
DEGUST GULA (Avenida Bispo Pedro Massa, Cidade Nova, núcleo 5, na Rua ao lado do DB CIdade Nova.Todos os dias).

O Almoço em Família.
BAR DA NAZA OU CASA DA VAL (Comendador Clementino, próximo à Japurá, de Segunda a Sábado).

Num Passo de Mágica: transforme seu sapato velho em um lindo sapato novo!
SAPATEIRO CÂNDIDO (Calçada da Comendador Clementino, próximo ao Grupo Escolar Ribeiro da Cunha).

A Confluência das Torcidas!
CHURRASQUINHO DO LUÍS TUCUNARÉ (Japurá, entre a Silva Ramos e a Comendador Clementino).

Só o Peixe Sabe se é Novo e do Rio que Saiu. Confira esta voz na...
BARRACA DO LEGUELÉ (na Feira móvel da Prefeitura)

Preocupado com o desempenho, a memória e a inteligência? Tu és? Toma o guaraná que não é lenda. O natural de Maués!
LIGA PRA MADALENA!!! (0 XX 92 3542-1482)

Decepcionado com seus desenganos? Ponha fé nos seus planos! Fale com:
PAI GEOVANO DE OXAGUIÃ (Rua Belforroxo, S/N - Jorge Teixeira IV) (3682-5727 / 9154-5877).

Quem tem fé naõ é um qualquer! Consultas::
PAI JOEL DE OGUM (9155-3632 ou paijoeldeogum@yahoo.com.br).

Belém tá no teu plano? Então liga pro Germano!
GERMANO MAGHELA - TAXISTA - ÁGUIA RADIOTAXI - (91-8151-1464 ou 0800 280 1999).

E você que gostaria de divulgar aqui seu evento, comércio, terreiro, time de futebol, procurar namorado(a), receita de comida, telefone de contato, animal encontrado, convites diversos, marocagens, contacte: afinsophiaitin@yahoo.com.br

Outras Comunalidades

   

Categorias

Blog Stats

  • 3,938,801 hits

Páginas

abril 2017
D S T Q Q S S
« mar    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30