Archive for the 'Carta Capital' Category

RESISTIR, SEMPRE, VERGAR, JAMÉ; 78% QUEREM CASSAÇÃO DE TEMER E 90% ELEIÇÕES DIRETAS JÁ!

Vagner Freitas

“A resistência de vocês é fundamental” – Dilma falando a Gregório Duvivier

Todo vergar simboliza submissão. Uma árvore não se verga ao vento. Ela compõe com o vento. Todo sorriso diante do opressor é sorriso opressor. Não podemos dizer que seja sorriso. O que é o sorrir? O que é rir? Rir é criar. Rir é entender o humor e com o sorrir refletir sobre a situação posta. Moro não ri frente ao tirano. O riso do escravo frente ao tirano escravo não é riso.

Isto posto nos leva a refletir sobre situação  política do Brasil neste momento. A nossa resistência, como disse Dilma é fundamental. Precisamos falar do que está acontecendo no Brasil toda hora. Precisamos denunciar as arbitrariedades e violências que se cometem por parte dos tiranos golpistas contra o povo brasileiro.

Por que o exército condecorou Moro? O que fez Moro para receber essa honraria? Quebrou com a economia, desenvolve uma perseguição seletiva contra Lula e o PT e por isso é condecorado. Um juiz não deve ser condecorado. Sua atitude de magistrado nada mais é do que sua obrigação. Julgar justamente. Não por convicção. Moro recebe prêmio da Rede Globo, Dória e agora do Exército, instituição nacional, que aparece em pesquisas com alto valor de reconhecimento. Só que com essa premiação entendemos que  compactua com o medonho.

As duas pesquisas publicadas pela Vox Populi/CUT e pelo Ibope demonstram que se as eleições para presidente fossem hoje, Luís Inácio Lula da Silva seria eleito em primeiro turno. Não teria para ninguém.

Duas situações dão respaldo a isso. A forma de governar de Lula e Dilma nos dois governos populares que empreenderam e que as políticas sociais adotadas beneficiaram o povo: Luz para Todos, por exemplo. Quem fez isso antes? Ninguém. A outra situação que está fazendo Lula manter o minarete apontado para ser tricampeão é a saga desenfreada da Globo, e demais mídias golpistas, empresários, e a justiça, que não é justiça brasileira que não julgou, não se posicionou diante do golpe (faz parte), da derrocada da economia, dos desmandos e roubos no país. Quanto mais “batem” em Lula, mais ele cresce na aceitação popular, porque a leitura que o povo faz do enredo é que ele representa a classe trabalhadora, como milhares, ele é contra tudo o que se está votando no congresso contra a classe.

A revista Carta Capital deste final de semana divulga mais informações da pesquisa da Vox Populi/CUT feita entre os dias 6 e 10 de abril com população maior de 16 anos de todos os Estados brasileiros incluído o DF com margem de erro de 2,2 para mais ou menos.

O destaque deste corte da pesquisa é que 78% dos brasileiros desejam a cassação do golpista Fora Temer e 90% querem eleições diretas já.

Tudo o que os golpistas vem impondo de mudanças prejudiciais ao povo contribui para esse quadro. O primeiro, claro. já foi o golpe que Dilma sofreu. Nesse golpe, atendendo interesses do capital, visava-se implantar o Estado mínimo. A PEC da morte é um exemplo, assim como o que Pedro Parente está fazendo na Petrobras e as investidas para controle da água doce de nosso país. Os interesses por terras na Amazônia é muito grande. E os interessados não são nacionais. São estrangeiros. E dentre os estrangeiros sobressaem representantes de grandes empresas. Os sistemas de vigilâncias da Amazônia nada mais são do que monitores de identificação onde estão nosso recursos minerais.

O cerco a Lula. Lula não é o proprietário do apartamento do Guarujá. 73 testemunhas, unânimes enunciaram que Lula não é o dono do apartamento. Léo Pinheiro está preso desde 2014. No seu primeiro depoimento inocentou Lula e por esse motivo inviabilizou sua delação. A procuradoria comandada por Delagnol e pelo juiz que não é das araucárias o deixaram preso. Leo Pinheiro quer sair do xilindró, Moro não tem provas para prender Lula, só convicção, a audiência de Lula é dia 03 de maio, precisa-se dessa prova, mas não há. O dia se aproxima, o Juiz de Brasília Vallisney de Souza quer ser mais rápido que Moro transformando Lula em réu. Há perseguição contra Lula, o Partido dos Trabalhadores e o povo.

Como diz o jornalista Josias de Souza “é desnecessária e arriscada a detenção de Lula”.

A situação do povo está muito difícil. Mais de 13 milhões de brasileiros estão desempregados. A fome e falta de dinheiro é grande. Ou paramos isso ou a derrocada nos levará ao buraco.

Por isso, o dia 28 de abril será muito importante: “A crise política só começará a ser debelada com novas eleições, e somente uma intensa mobilização popular, com os movimentos sociais e a população nas ruas, será capaz de antecipá-las”, enuncia Vagner Freitas, presidente da CUT, pois não temos como esperar do Legislativo qualquer solução. “Boa parte dos deputados e senadores que estão aí sabe que não será capaz de se reeleger em 2018, até pelos impactos da Lava Jato. Parecem negociar o fim de suas carreiras políticas.”

Todas as categorias de trabalhadores devem parar suas atividades, ir para as ruas, se manifestar, porque só assim nós derrubaremos os golpistas que nos impuseram tais mazelas. Resistir sempre, se vergar aos tiranos jamée.

Anúncios

“Não acredito que Temer e Macri vão ficar no poder por muito tempo”

David Harvey

por Miguel Martins

David Harvey lamenta o recrudescimento conservador no Brasil e no mundo, mas confia que a força do neoliberalismo é passageira.

Como marxista, o geógrafo britânico David Harvey procura nas contradições do presente uma inspiração para o futuro, mas não tem sido uma tarefa fácil digerir a ascensão global do conservadorismo. “Eu tenho de confessar que tenho me sentido muito pessimista. É tão estranho, muito do que estamos vivendo é completamente louco, insano”, lamenta, para em seguida apegar-se a uma ponta de esperança. “Fico um pouco deprimido, mas acho que as pessoas vão voltar a cair na real.”

A antítese entre o pessimismo no presente e o otimismo quanto ao futuro não é estranha a quem adota a dialética como método. Em seu livro 17 Contradições e o Fim do Capitalismo, lançado recentemente no Brasil pela editora Boitempo, Harvey recupera o projeto de Karl Marx de estudar os mecanismos de reprodução do capital para sugerir alternativas às atuais relações de produção. Em lugar de uma ditadura do proletariado e de um Estado forte, o geógrafo confia no advento de um “humanismo revolucionário” como resposta ao caos social e ecológico do capitalismo.

Em entrevista a CartaCapital, Harvey critica a apresentação da teoria econômica convencional como verdade única, defende novas formas de associação econômica para as esquerdas e assume seu desencanto com a ascensão de lideranças como Mauricio Macri, presidente eleito da Argentina, e Michel Temer, empossado após o traumático impeachment de Dilma Rousseff.

Ele projeta, porém, vida curta para o capital político da dupla. “Nos dois países, há a ascensão oportunista de uma direita neoliberal que se aproveita de um poder efêmero. Não acredito que Temer e Macri vão permanecer no poder por muito tempo. ”

CartaCapital: Em 17 Contradições e o Fim do Capitalismo, o senhor recupera um dos fundamentos do pensamento de Karl Marx: entender o funcionamento do capitalismo como forma de confrontá-lo e de oferecer uma alternativa. A busca por compreender os mecanismos de reprodução do capital tem sido deixada de lado nas últimas décadas?
David Harvey: O tema certamente tem sido negligenciado e deturpado. Frequentemente, a teoria econômica convencional tem sido apresentada como única verdade, e outras teorias são tratadas com desprezo, pois são negativas para os agentes econômicos. Um dos objetos da teoria convencional é tentar naturalizar o capitalismo, como se o modo de produção fosse imutável. Marx apontava que o capitalismo é construído historicamente e está em evolução, logo é possível prevermos uma mudança.

CC: O senhor afirma na introdução do livro que as forças tradicionais da esquerda têm se mostrado incapazes de construir uma oposição sólida ao poder do capital. Como contornar essa fragilidade?
DH: Precisamos de uma revolução nas práticas políticas, mas também uma revolução na forma de entendermos a atual situação, nas nossas concepções mentais sobre o mundo, para entendermos o que precisamos fazer e como podemos fazê-lo.

CC: Em entrevista a CartaCapital, Slavoj Zizek defendeu que “a esquerda precisa redescobrir a força do Estado”. O senhor concorda?
DH: Eu não acredito que isso seja prioritário. Marxistas, anarquistas e outros grupos da esquerda têm seus próprios princípios sobre o poder, mas o principal problema é como organizar o trabalho de uma forma associativa, para construir uma economia alternativa ao capitalismo. Para mim, o Estado pode ter um papel relevante nisso, mas o fundamental é como as forças anticapitalistas se organizem entre si para lutar contra esse sistema.

CC: O senhor tem acompanhado os desdobramentos políticos do impeachment de Dilma Rousseff?
DH: Estou tentando acompanhar, suspeito que seja mesmo um golpe. Obviamente, no Brasil um presidente foi efetivado sem ser eleito e enxerga nesta oportunidade no poder uma forma de implantar um programa neoliberal bastante radical. A mesma coisa ocorre na Argentina.

A maior parte dos eleitores de Mauricio Macri não previam que seu governo seria tão neoliberal. Nos dois países, há a ascensão oportunista de uma direita neoliberal que se aproveita de um poder efêmero. Não acredito que Temer ou Macri terão força política por muito tempo. Eles estão usando essa passagem pelo poder para construir uma transformação radical da economia e beneficiar a classe do capital corporativo.

CC: O governo de Temer tem adotado como prioridade diversas medidas impopulares defendidas por grande parte dos empresários brasileiros, entre elas o congelamento de gastos públicos e as reformas trabalhista e da previdência, propostas que dificilmente seriam aceitas pela população em uma campanha eleitoral. O caso brasileiro indica que o casamento entre capitalismo e democracia está em crise?

DH: Há diversas maneiras de vermos a democracia. O capitalismo sempre esteve preso a uma certa visão de democracia, como nos Estados Unidos, onde o sistema democrático é baseado no poder do dinheiro, e não o da população. A Corte Suprema norte-americana basicamente diz que o gasto de recursos em uma eleição não deve ser limitado, pois é um direito individual e a democracia deve absorver isso. Logo, há diferentes definições de democracia.

Livro Harvey
Harvey: ’17 Contradições e o fim do capitalismo’. Boitempo, 297 p., R$ 69

O que estamos vendo ao redor do mundo é a emergência de um movimento autoritário. Recep Erdogan, presidente da Turquia, recentemente afirmou: “a democracia é um ônibus que se abandona quando se chega ao destino”.

O capitalismo enxerga o regime da mesma forma: quando a democracia é conveniente, o capital é democrático, quando não for, ele encontrará formas de contornar e reconfigurar a natureza do processo democrático.

CC: O senhor costuma defender a transição para uma economia de crescimento zero, mas há uma enorme pressão do mercado durante recessões. O impeachment de Dilma está diretamente relacionado à crise. Como podemos confrontar o establishment econômico que exige crescimento a qualquer custo?
DH: Sou uma pessoa relativamente velha, e sempre me disseram durante meus 80 anos que a redistribuição de renda só pode ser atingida por meio do crescimento econômico. Temos feito isso nos últimos 60 ou 70 anos, e não tem funcionado. Então penso que precisamos olhar com mais atenção para a redistribuição. Essa deve ser a prioridade, e não o crescimento.

Não sou um defensor incondicional do crescimento zero, em países menos desenvolvidos, o crescimento ainda é necessário. Mas em países desenvolvidos, o crescimento não precisaria ser prioritário. Grande parte do consumismo nos Estados Unidos é desnecessário e constitui um desperdício. Poderíamos organizar o consumo em uma linha completamente diferente se não tivéssemos essa enorme desigualdade na distribuição, na riqueza e no poder.

CC: Como o senhor vê a ascensão de discursos nacionalistas, expressos em movimentos como o Brexit no Reino Unido e na candidatura de Donald Trump nos Estados Unidos?
DH: Muitos chamam de nacionalismo, eu chamo de desilusão em relação à globalização. Uma das alternativas é voltar-se à política local e sentir-se mais confortável ao controlar as coisas em seu próprio quintal, mais do que ser controlado pelas forças abstratas da globalização.

O fato de que o nacionalismo sabe cultivar esses valores tem feito ele se tornar um alternativa importante. Não acho que precise ser desta forma. Há alternativas ao capitalismo que deveriam ser desenvolvidas. Neste momento, não há, porém, dúvida de que a versão da direita sobre esse processo é dominante.

CC: O senhor considera esse discurso de desilusão uma ameaça a seu projeto de humanismo revolucionário?
DH: É uma ameaça séria, mas é possível resistir. Como disse, não acredito que Temer e Macri vão permanecer no poder por muito tempo, acredito que as esquerdas são suficientemente organizadas para se livrar deles nos próximos quatro ou cinco anos.

O mesmo deve ser verdade para alguns desses movimentos nacionalistas que estão surgindo. Mesmo que Donald Trump seja eleito, não acredito em sua permanência por muito tempo. Muitas das suas propostas não devem sair do papel, pois o apoio político às mudanças não se alargará a tal ponto.

CC: O senhor defende em seu livro que ainda é possível prever o fim do capitalismo por meio de suas contradições ao defender o humanismo como valor universal. O senhor está otimista em relação ao futuro?
DH: Eu tenho de confessar que em certos dias me sinto muito pessimista. É tão estranho, muito do que estamos vivendo é completamente louco, insano. Então fico um pouco surpreso e um pouco deprimido, mas por outro lado eu tendo a achar que as pessoas cairão na real e perceberão que podemos construir um mundo muito, muito melhor.

O que nos está sendo oferecido com essa violência absurda e essa política insana de direita? Por isso, suspeito que, se a esquerda passar a desenvolver ideias e práticas políticas criativas, ela tem um futuro brilhante pela frente.

 

O GOLPE ESTÁ SE MATERIALIZANDO, MAS AINDA EXISTEM OUTROS DIAS – PARA O BEM DA DEMOCRACIA

Senadores Antonio Anastasia, Aécio Neves, Cássio Cunha Lima e os deputados Pauderney Avelino e Antônio Imbassahy.

Os psicopatas, os ladrões, as aberrações, os canalhas, canalhas, canalhas (Tancredo Neves) corruptos, entreguistas, aproveitadores, usurpadores, lambaios, lacaios, subservientes, facínoras, bandidos, sub raça, engodo, sujos, estúpidos, estão materializando mais um golpe de Estado no Brasil. 

Um golpe de Estado que nós denominamos de golpe de Estado jurídico-parlamentar-partidário-midiático.

O último golpe de Estado no nosso país aconteceu em 31 de março de 1964 e se propagou até 1985. Nesse período houveram prisões, torturas e muitas mortes. A presidenta foi presa e torturada. Muitos piraram, outros enlouqueceram e Frei Tito se suicidou. Mataram Marighela, Herzog, mataram a democracia.

O Congresso foi fechado. Cancelaram-se eleições diretas. E o regime ditatorial militar com apoio de muitos civis proibiram reuniões, sindicatos, livre manifestação do pensamento, exílio e simulação de suicídios.

Este golpe de Estado está sendo diferente em partes. Mas tem o apoio do parlamento, que é muito mais grave, porque os parlamentares foram eleitos pelo povo e neste momento o povo, o eleitor está sendo roubado. São os votos de 54,5 milhões de brasileiros e dos demais candidatos, principalmente do candidato derrotado, Aécio Cunha que foram às urnas para votar para um mandato de 4 anos e não de dois anos. O que o parlamento está fazendo é um assalto, é um roubo, mas nisso eles são especialistas.

Este golpe de Estado foi gestado a muito tempo. E foi colocado em prática porque os golpistas brasileiros e estrangeiros nunca aceitaram a vitória da presidenta Dilma Vana Rousseff. Nem na primeira eleição e nem no bi campeonato que ela goleou Aécio Cunha quando ele já comemorava antecipadamente a vitória e seus correligionários já fretavam helicópteros e jatinhos para se deslocarem para Belo Horizonte.

Pedro França: <p> Em destaque, senador Aécio Neves (PSDB-MG). Foto: Pedro França/Agência Senado</p>

Aécio, o candidato derrotado, como já escrevemos neste blog nunca superou essa derrota.  Vemos, ainda hoje no seu semblante o ódio, o rancor, a inveja, o ciúme de nunca ter subido a rampa do Palácio do Planalto, feito que Dilma Vana Rousseff fez duas vezes ovacionada pelo povo que a elegeu. E ele nunca subirá enquanto houver pessoas como Dilma, Lula e Ciro Gomes.

O candidato derrotado recorreu contra sua vitória suspeitando das urnas. Pediu recontagem de votos. Recorreu questionando os valores financeiros de sua campanha. O próprio STF julga as contas de Dilma e do interino golpista Michel Temer.

O ódio contra a presidenta foi pior porque uniu as duas casas legislativas. Senado e Câmara dos Deputados.

No parlamento não foi aprovado nenhum projeto, nenhuma lei para beneficiar a população e promover o desenvolvimento do país. As pautas eram constantemente obstruídas.

E os deputados e senadores atribuem todos os erros, mazelas, dificuldades, desempregos à presidente da República. Para eles o regozijo eram quando pior melhor porque eles construíam o caminho da exceção, o caminho da morte da democracia.

O outro arquiteto da morte da democracia que se avizinha foi o deputado Caraguenjo, biréu Eduardo Cunha. Gente da pior espécie. Ladrão, corrupto, sonegador de impostos, traficante de influências, portador de contas no exterior, financista de campanha de mais de 200 deputados com dinheiro público desviado de estatais e das grandes empreiteiras. Hoje réu no STF, prestes a ser cassado e preso pelos crimes que responde na Lava Jato.

Foi exatamente por isso que ele aceitou o processo do golpe. Quando os deputados do PT não aceitaram livrá-lo da Comissão de Ética da Câmara que lhe processaria, rancoroso, ressentido, aceitou o pedido do golpe da advogada Janaína Pascoal, Migue Reale Júnior e Hélio Bicudo que receberam a bagatela de R$ 45 mil tocos. 

O processo foi votado na Câmara dos Deputados no dia 17 de abril e depois, sem partes dos documentos originais, prosseguiu para o Senado, que hoje está sendo questionado e passível de anulação judicial, porque aquela casa não podia julgá-la faltando a documentação completa retirada pelo biréu.

A presidenta foi afastada quando o senado votou a admissibilidade e o interino golpista, Temer assumiu o governo. Quando este assume, pelas delações que tornaram-se públicas, percebeu-se que havia toda uma armação muito bem preparada para a consolidação do golpe.

Resultado de imagem para imagens de temer e cunha

Vieram as delações de Sérgio Machado contra Romero Jucá, Renan Calheiros, José Sarney. Jucá, o super ministro do planejamento de Temer não resistiu e caiu. Caiu porque estava ali para parar a sangria da Lava Jato contra todos que vinham sendo delatados. Não sobraria um e a República desmoronaria e propunham a volta da Monarquia pelo visto, pois ontem levaram um Orleans Bragança para o plenário do Senado. Na época dos monarcas com o Partido Moderador a figura do rei dava mais seriedade à governança e a administração do reino.

O golpe se construiu sob uma farsa. E cada vez que se avança mais farsas são descobertas. “O senador Randolfe Rodrigues, publicamos hoje, no blog, da REDE-AP, diante do depoimento do ex-auditor Antônio Carlos D’Ávila percebeu o sutil signo da fraude cometida por ele e seu parceiro, o procurador Júlio Marcelo de Oliveira que pela manhã havia sido rebaixado pelo ministro Lewandowsky da condição de testemunha para a condição de informante por haver feito campanha contra Dilma para ajudar o candidato do PSDB.”

O golpe de Estado no Brasil para ser concretizado também tem todo um apoio das instituições jurídicas do país. PGR, STF principalmente.

São várias as delações onde aparece o nome de vários apolíticos de partidos como PSDB, PMDB, DEM, PP e ninguém é investigado, ninguém é preso.

As instituições jurídicas fazem parte do golpe.

Fazem parte porque são da mesma classe. Eles não são da classe trabalhadora.

O julgamento termina amanhã. O golpe solidificado caberá aos assessores da presidenta Dilma buscar as instituições legais como Ministério Público Federal, o Conselho Nacional de Justiça e organismos jurídicos internacionais.

Junto ao Supremo há pouca coisa a fazer. Para eles o golpe seguiu o rito. Foi presidido pelo presidente do STF. Por isso ele é um golpe normal.

Só não viram o mérito nem o conteúdo. Por isso sua fragilidade.

Não será normal quando o povo perceber que foi roubado. Quando perceber que foi enganado pela TV Globo, Jornal Folha de São Paulo, Revista Veja, Istoé, Época e suas similares a história será outra e ai vai feder cifre queimado e os ladrões vão pedir reza.

O senador Roberto Requião já fala em Guerra Civil. 

Leblon na Carta Maior se reporta à noite de São Bartolomeu.

Decisões devem ser tomadas. Nenhuma trégua aos golpistas. Escrachos, vaias, pois vai está escrito na testa teles: “Eu sou golpista, eu sou pedrador da democracia”.

 

TEMER ESTÁ EM ESTADO DE TENSÃO POR DESCONFIAR DE TER SIDO GRAMPEADO POR EDUARDO CUNHA; ORA, SE ESTÁ COM MEDO HÁ ALGO QUE LHE COMPROMETE E QUE É ANTIDEMOCRÁTICO

Resultado de imagem para imagem de Temer e Eduardo Cunha

Diferente dos outros golpes militares e de Estado que ocorreram no Brasil e noutros países, tanto da América do Sul, como na África, Ásia, principalmente, este aqui no Brasil, diferente de 1964, tem como aliado uma imprensa alternativa muito mais abrangente como naquela época. Havia, sim, naquela época pessoas que contestavam o golpe, que foram presas, torturadas e mortas. Mas as informações, as contestações, por exemplo, de pesquisas fraudadas não chegavam na casa das pessoas porque não havia a internet para as mesmas assenhorearem-se dos fatos que aconteciam no Brasil.

Hoje tudo é diferente. As elites, os golpistas não tem mais como enganar o povo. Enganam por minutos, horas, mas logo depois vem as descobertas das fraudes, dos encontros, dos conchavos. Foi o que fez  este Blog logo no domingo à noite, depois o The Intercept, o Tijolaço e muitos outros sujos que desvendaram a fraude do Datafolha que mostrava a preferência do povo pelo golpista, usurpador Temer. 

Ontem, dia 22, mais uma revelação importante veio das lavras do jornalista  André Barrocal para a Revista Carta Capital dirigida pelo íntegro jornalista, filósofo, Mino Carta, que está nas bancas neste final de semana.

Barrocal revelou que naquela visita feita pelo deputado cassado, Eduardo “Caranguejo” Cunha, ao golpista Temer, no Palácio Jaburu, num domingo à noite, sem está na agenda oficial, foi para o “Caranguejo” relembrar o golpista dos cacoetes, “antigas parcerias”. Quando o “Caranguejo” disse isso, segundo fontes Jaburunas, Temer surtou, gritou com o cassado, ficou tenso, pois com aquela forma de conversa e sabedor que o Deputado Mário Juruna, o do gravador,  Sérgio Machado, os que gravaram Dilma e Lula tinha feito seguidores, desconfiou da arapuca pela forma como a conversa foi desenvolvida. O golpista desconfiou e o jeito foi gritar com o ex-deputado que já começou sua mudança da casa do presidente da Câmara em carros pequenos para não despertar a curiosidade da imprensa, a golpista, principalmente.

O ex-presidente da Câmara do Deputados hoje cassado, Eduardo Cunha tem uma relação com Temer muito antiga que os envolveu, por exemplo, na aprovação da Lei dos portos, votada e aprovada em 2013 depois que o deputado incluiu um trecho que favorecia o Grupo Libra, dos sócios e irmãos Rodrigo Borges Torrealba e Ana Carolina Torrealba. A Libra, na eleição de 2014, doou para o golpista Temer a  quantia de R$ 1 milhão de reais, tendo este que abrir uma empresa para a capitação desse recurso que depois foi repassado para seus amigos que concorreram nessa eleição.

O deputado sabe que o golpista do Jaburu tem um feudo na Companhia Docas de São Paulo; estreita relações com o Grupo Libra; que a Docas contratou um escritório de advogados para resolver questões envolvendo a Libra e a Codesp; que o advogado  Nelson William já esteve com Temer no Jaburu e que essa relação de influências já está chegando ao Rio Grande do Sul, onde opera um filho de Eliseu Padilha.

O deputado cassado, Eduardo “Caranguejo” Cunha, sabendo de tudo isso, só tinha uma alternativa; buscar apoio naquele que ele ajudou chegar na presidência usurpada. 

O golpista Temer anda tenso, irritado. Há informações que ele não suporta notícias ruins contra ele. Comemorou no domingo a pesquisa do Datafolha fraudada. Mas, depois, com a descoberta, o golpista é um nervo só.

Os antigos diziam que “quem não deve não teme”. Se o golpista está a temer é porque existe muita coisa para ser delatada e que são antidemocráticas que precisam ser esclarecidas e se for o caso, julgar, condenar e mandar para a Papuda Caranguejo, Temer e todos os golpistas, assim como está acontecendo na Turquia,

 

MINO CARTA, DA REVISTA CARTA CAPITAL, DIZ, EM VÍDEO, QUE O GOLPE É PIOR QUE O DE 64, E CUNHA É A EMINÊNCIA PARDA DE TEMER E TEM TODOS OS GOLPISTAS NO BOLSO

minocunha

Veja e ouça o vídeo gravado com o diretor da revista Carta Capital, Mino Carta, sobre a edição que circulará amanhã, sábado, 9 de julho. No vídeo o jornalista-filósofo fala sobre o golpe, a mentira da renúncia de Eduardo Cunha, seu papel no desgoverno do golpista Temer, as minúcias da elaboração do golpe e sua execução, o papel de eminência parda de Cunha para Temer e o domínio que o ‘caranguejo’ tem sobre todos os que participaram do golpe que, para ele, Mino, foi pior do que o golpe de 1964.

Estupro, o crime que até a lei oculta

Manifestação

Uma mulher é violentada a cada 11 minutos no Brasil. Mas os códigos sociais culpam as vítimas, em vez de protegê-las.

por Marsílea Gombata

Em 2002, o filme francês Irreversível trouxe às telas uma das cenas mais incômodas da história do cinema: em uma passagem subterrânea na noite de Paris, a personagem de Monica Bellucci volta sozinha de uma festa e cruza com o agressor, que a domina com uma faca, a joga no chão, abafa seus gritos ao tapar a sua boca, rasga sua roupa, a estupra e a espanca, com chutes no nariz e nas costelas e repetidos choques de seu rosto contra o chão. São 11 longos minutos em uma sequência de tensão, repulsa e dor.

Apesar do misto de perplexidade e revolta que a cena de um estupro causa, não se trata de um caso incomum. No Brasil são perto de 527 mil estupros ao ano, segundo o levantamentoEstupro no Brasil: Uma radiografia segundo os dados da Saúde, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). O crime, no entanto, é um dos mais subnotificados no País: estima-se que apenas 10% dos casos cheguem à polícia. Ou seja, 90% nem sequer são investigados.

No fim de maio, o País voltou a reviver o horror com o caso de uma jovem de 16 anos vítima de estupro coletivo. A tragédia ganhou repercussão porque um dos supostos agressores fez questão de postar um vídeo nas redes sociais e apresentar a adolescente desacordada, como um objeto utilizado e descartado por ele e outros homens presentes no recinto.

As investigações ainda não chegaram a um número certo de agressores, mas a vítima fala em 33 homens – alguns armados com fuzis, outros a violentando, outros a imobilizando em um quarto no Morro da Barão, na Praça Seca, zona oeste do Rio.

“A violência contra a mulher precisa ser entendida como um fenômeno social por duas razões: ela não se manifesta de forma pontual, mas segundo padrões amplamente presentes na sociedade”, observa Flávia Biroli, professora do Instituto de Ciência Política da UnB e organizadora do livro Feminismo e Política: Uma introdução (Boitempo, 2014) ao lado de Luis Felipe Miguel.

“Por meio dele, os homens tornam concreto o entendimento de que têm direito de definir a vida das mulheres, isto é, de que elas não são os sujeitos de suas próprias vidas. O estupro é uma afirmação crua do domínio masculino sobre as mulheres e se impõe a elas como ameaça.”

O crime com a adolescente, que vivia em um apartamento na Taquara com a mãe, o pai, a avó e o filho de 3 anos, repercutiu. O presidente interino, Michel Temer, anunciou medidas vagas sobre políticas para mulheres – como a criação do Núcleo de Proteção à Mulher –, reconheceu que a sociedade brasileira se acanha diante de tais episódios e anunciou como secretária de Políticas para Mulheres Fátima Pelaes, aliás contrária ao aborto, mesmo em casos de estupro. 

Uma semana após o ocorrido, o Senado aprovou projeto de lei que tipifica os crimes de estupro coletivo e de divulgação de imagens desse tipo de violência. A ideia é a pena para o crime de estupro praticado por duas ou mais pessoas ser aumentada de um a dois terços – atualmente, casos com maiores de 18 anos preveem de seis a dez anos de prisão, enquanto com menores varia de oito a 12 anos.

Na esfera local, a investigação começou com o chefe da Delegacia de Repressão a Crimes de Informática (DRCI), Alessandro Thiers, mas foi transferida para Cristiana Bento, titular da Delegacia da Criança e Adolescente Vítima.

A troca deu-se após pedido da defesa da menina de 16 anos, que contou ter sido questionada por Thiers sobre sua versão. Ele perguntou, por exemplo, se a vítima do estupro coletivo tinha o hábito e gostava de fazer sexo em grupo.

Thiers ganhou projeção ao conduzir casos de grandes repercussões nos últimos anos, como a investigação de ações dos black blocs em 2013. No ano seguinte, poucos dias antes da Copa do Mundo, pediu a prisão preventiva de “responsáveis” por incitar violência em protestos, entre eles a advogada Eloisa Samy – a mesma que defendia a jovem de 16 anos até ela entrar para o Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte, após receber ameaças do tráfico do Morro da Barão. Na terça-feira 7, Thiers foi afastado do comando da DRCI.

Estupro

“O machismo não é algo que se expressa de forma solta no cotidiano das pessoas. Ele existe nas instituições e na forma como aqueles que operam essas instituições agem. As mulheres têm clareza de que são vulneráveis não apenas à violência sexual, mas também ao machismo institucional”, observa Flávia.

“Quando Thiers diz que estava investigando se houve consentimento da vítima, temos um caso típico de desconfiança da palavra da mulher. Desconfiança e recusa à palavra das mulheres incentivam a cultura do estupro.”

Corriqueira, a postura do delegado pode ser apontada, portanto, como uma das razões por trás da subnotificação do crime de estupro. Apesar do crescente número de vítimas, poucas mulheres têm estômago para levar a denúncia adiante. Parte disso pode ser explicada pela postura das instituições brasileiras, que fazem o estupro ser o único crime no qual a vítima precisa provar que não tem culpa.

“Do momento em que ela é estuprada em diante, a mulher continua sendo violentada pelo Estado”, define assim a dinâmica de revitimização Lívia de Souza, advogada feminista. “Sempre perguntam qual roupa ela vestia, se estava bêbada ou andando na rua tarde da noite. A mulher passa a ser humilhada pelo sistema criminal como um todo.”

Integrante do grupo ONU Mulheres Brasil e com experiência no atendimento de mulheres vítimas de violência, Lívia observa que, enquanto nas delegacias não há um espaço exclusivo para acolher essas vítimas, o atendimento geralmente é feito por homens na presença de outras pessoas, e a perícia – que só tem efeito quando realizada até dois dias depois do estupro – também costuma ser executada por peritos do sexo masculino.

Soma-se a isso o fato de a vítima ter de relatar diversas vezes o ocorrido e rememorar a vivência traumatizante. “A mulher, então, acaba desistindo de denunciar para não sofrer ainda mais”, explica Lívia.

A coordenadora do Núcleo da Mulher da Defensoria de São Paulo, Ana Paula Meirelles Lewin, lembra que muitas mulheres nem sequer procuram ajuda por medo e constrangimento. “Muitos casos são praticados por alguém de sua convivência. Então ou a mulher terá medo do agressor ou ela se sentirá culpada”, diz.

Professora do Núcleo de Estudos de Políticas Públicas em Direitos Humanos da UFRJ, Joana Vargas afirma que, pelo fato de a investigação de estupro recair sobre a vítima, observa-se um “efeito funil” no âmbito de Justiça.

“Inicia-se com um grande número de casos reportados à polícia e termina, depois de seleções sucessivas, com um pequeno número de casos sentenciados”, observa sobre a pesquisa Análise Comparada do Fluxo do Sistema de Justiça para o Crime de Estupro, com base em Boletins de Ocorrência da Delegacia de Defesa da Mulher de Campinas entre os anos de 1988 e 1992.

“O que mais chama a atenção nesses casos ainda é a grande filtragem operada na fase policial, quando 71% dos Boletins de Ocorrência são arquivados.”

Muitas das vítimas do crime descrito no Artigo 213 do Código Penal terão de enfrentar a ausência de profissionais capacitados para um tratamento mais sensível e individualizado. O primeiro passo é a vítima fazer o B.O. e manifestar por escrito a vontade de que o agressor seja processado.

Depois é encaminhada para o exame de corpo de delito. Caso o réu seja denunciado e processado, a vítima pode ser chamada para confrontar a versão do agressor. Se a decisão em fazer o B.O. e a representação ultrapassar o prazo de seis meses, não há investigação.

O próprio tópico sobre a submissão da vítima a exames de corpo de delito em busca de provas materiais é polêmico. O primeiro laudo da perícia realizado na adolescente de 16 anos não encontrou indícios de violência. O crime, no entanto, estava comprovado desde o momento em que no vídeo veem-se os agressores tocando a jovem desacordada.

O Superior Tribunal de Justiça, por sua vez, entende que “em se tratando de delitos sexuais, a palavra da vítima tem alto valor probatório”, o que coloca em xeque a necessidade incontestável de exames corporais como provas.

Heloisa Buarque de Almeida, professora de Antropologia da USP, questiona a eficácia de provas materiais, que muitas vezes se mostram um empecilho à vítima seguir adiante com a denúncia.

“Pode ter havido estupro, mas o exame dirá apenas se houve relação sexual, sem falar se foi consensual ou não”, observa ao ressaltar que a narrativa e a reconstituição dos fatos são igualmente importantes.

Nova Délhi

A docente, que montou no ano passado a Rede Não Cala para apoiar vítimas de violência sexual na universidade, observa que o medo de exposição e o desencorajamento por parte das próprias faculdades fazem mais de 90% dos crimes de estupro na USP se reduzirem a histórias e traumas, sem qualquer punição.

Na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), uma aluna denunciou ter sido vítima de estupro coletivo por oito colegas em 2002, mas foi desencorajada pela própria direção. Os agressores se formaram e deixaram o episódio no passado. A jovem convive com sequelas até hoje.

Em 2014, alunas da elitista Faculdade de Medicina da USP contaram terem sido violentadas sexualmente por veteranos, em casos que vão desde a tentativa forçada de sexo oral a uma manhã em que uma delas acordou nua com uma camisinha presa no ânus. As denúncias levaram à abertura de uma CPI na Assembleia Legislativa de São Paulo e a um inquérito tocado pelo Ministério Público.

Recentemente, a USP abriu uma sindicância para apurar a denúncia de estupro de uma estudante de Artes Cênicas durante os Jogos Universitários de Comunicação e Arte (Juca), no fim de maio em Sorocaba (SP), por um estudante de Física. O caso, no entanto, é exceção no mar de violência ao qual estão expostas as alunas. Heloisa conta que de dez casos de estupro que atendeu na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, apenas um virou denúncia formal.

O máximo que a universidade pode fazer é uma punição acadêmica, com a expulsão do aluno e a anulação de seu diploma, mas não o impedir de prestar vestibular e reingressar. “Existe uma cultura de negação do estupro”, diz Heloisa. “Muitos acham que, se a vítima não está desesperada e banhada em lágrimas, é provável que ela tenha feito sexo consensual e se arrependido.”

Por detrás do Brasil do Carnaval, portanto, o que se esconde é uma sociedade machista e conservadora. Afinal, conseguimos falar de sexo explícito em músicas, mas temos imensa dificuldade em reconhecer os problemas dentro de casa. “Existe um tabu muito grande em relação à sexualidade. O prazer e a sexualidade da mulher são sempre vistos como secundários e, de alguma forma, a serviço do homem”, analisa Lívia.

Encontre uma única mulher que nunca tenha tido medo de ser estuprada. Não há. Em 2013, pesquisa Chega de Fiu Fiu do Think Olga mostrou que 90% das mulheres já deixaram de usar roupa decotada por medo de sofrer algum tipo de assédio, enquanto 81% das entrevistadas disseram já terem deixado de fazer alguma coisa por medo de serem assediadas pelos homens.

Não é demais rememorar o dado assombroso trazido pela pesquisa Tolerância Social à Violência contra as Mulheres, feita pelo Ipea em 2014: mais de um quarto da população brasileira (26%) declara que “mulheres com roupa curta merecem ser atacadas”.

É no Brasil conservador que a cada 11 minutos uma mulher é vítima de estupro, de acordo com dados do 9º Anuário Brasileiro de Segurança Pública. A radiografia do Ipea baseada nos dados do Ministério da Saúde de 2011, por sua vez, mostra que 15% dos estupros foram registrados como coletivos, 70% vitimizaram crianças e adolescentes, e em 32,2% dos casos com crianças e em 28% dos casos com adolescentes os algozes eram amigos ou conhecidos da vítima.

“A violência de gênero é um reflexo direto da ideologia patriarcal. Como subproduto do patriarcalismo, a cultura do machismo, disseminada muitas vezes de forma implícita, coloca a mulher como objeto de desejo e de propriedade do homem, o que termina legitimando e alimentando diversos tipos de violência, entre os quais o estupro”, afirma Daniel Cerqueira, da Diretoria de Estudos e Políticas do Estado, das Instituições e da Democracia do Ipea e um dos autores da pesquisa.

No perverso universo da violência contra a mulher, o número de vítimas mortas em condições violentas cresceu 21% entre 2003 e 2013, passando de 3.937 para 4.762, segundo dados do Mapa da Violência 2015: Homicídio de mulheres no Brasil. O triste aumento representa uma média de 13 homicídios femininos por dia.

As cifras sobre violência de gênero assustam, mas são explicadas em parte por um histórico de legislações que por muito naturalizaram tais crimes. Até 1984, estupro no casamento não era considerado como tal, por ser visto como uma obrigação matrimonial da mulher.

Foi somente no século XXI que o Direito Penal reconheceu o status de sujeito às mulheres, com manifestação própria da sexualidade e direitos iguais aos dos homens. Em 2001, o assédio sexual (sofrido por ambos os sexos) passou a ser considerado crime e, em 2009, a Lei nº 12.015 reconheceu que esses crimes não ferem o pudor, mas sim os sujeitos.

Avanço institucional, a Lei Maria da Penha entrou em vigor em 2006 para combater a violência contra a mulher, mas não teve impacto na redução das taxas anuais de mortalidade por esse tipo de agressão, conforme mostra o Violência contra a Mulher: Feminicídios no Brasil, também elaborado pelo Ipea, em 2013.

Projeto de Lei 5069/2013

No horizonte próximo, outras ameaças em curso. É o caso do Projeto de Lei 5.069/2013, de autoria do parlamentar Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e aprovado em outubro na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados. O texto dificulta a realização de aborto em casos de estupro e prevê pena a qualquer um que oriente a vítima sobre as possibilidades legais de aborto em casos de violência sexual.

Também exige B.O. e exame de corpo de delito para dar acesso à profilaxia para estupro, como pílula do dia seguinte, e orientação psicológica. Em geral, as vítimas recorrem aos serviços de saúde antes mesmo de ir à delegacia.

No fim de maio, o ministro interino da Educação, Mendonça Filho, recebeu o ex-ator pornô Alexandre Frota, que, além de advogar pelo “fim do comunismo na educação”, em prol do Projeto Escola sem Partido – proposta contrária ao que define por ideologia de gênero e em prol de um pensamento único –, foi aplaudido em um talk show, em 2014, por contar como teria estuprado uma mãe de santo.

“Quanto menos discutirmos as relações de gênero, mais oculta e naturalizada ficará a violência. A defesa da censura, da exclusão do debate sobre gênero nas escolas, corresponde à posição de que a violência sexual não deve ser combatida. Quem quer escola sem debate de gênero e um país com menos direitos para as mulheres escolheu seu lado, o da violência”, afirma Flávia.

A propósito do estupro no Rio, o jornal progressista francês Libération estampou o caso em sua primeira página: “Contra o Estupro, um Combate Mundial – Depois da Índia em 2012, o Brasil enfrenta um caso de estupro coletivo de uma violência rara.

O início de uma tomada de consciência mundial?” O Times of India, ao criticar a grande imprensa pelo “silêncio” inicial sobre o tema, afirmou que “o Brasil encara sua própria crise de Nirbhaya”, em referência ao episódio de 2012 em que uma estudante foi estuprada por uma gangue em um ônibus em Nova Délhi e morreu em decorrência de ferimentos internos.

O jornal do país, onde 92% das mulheres da capital contam terem vivenciado algum tipo de violência sexual em espaços públicos, lembrou outros casos emblemáticos daqui do Brasil, como aquele, de 2013, em que uma turista americana foi sequestrada por três homens em uma van no Rio e estuprada oito vezes na frente do namorado francês.

A barbárie perpetrada em uma favela no Rio suscitou um clima de indignação e obrigou o País a reaver-se com uma carga cultural que o amarga. Além da revolta nas redes sociais, com hashtags como #30contratodas, #nãoaomachismo, #EstuproNaoÉCulpaDaVitima e #MeuCorpoMeusDireitos, no domingo 29 cerca de 3 mil pessoas se reuniram em frente do STF, em Brasília, na Marcha das Flores – 30 Contra Todas.

Feminicídio

Na noite da quarta-feira 1º, milhares protestaram em diversas cidades brasileiras contra o abuso sexual. Em São Paulo, manifestantes reuniram-se no Masp com dizeres como “Machistas, golpistas, não passarão” e “O corpo é da mulher e ela dá para quem quiser”. No Rio, mais de 2 mil mulheres protestaram no Centro com cartazes que diziam “Não é não” e “O machismo mata”.

Protestos que refletem a ânsia da sociedade por mudanças não apenas legislativas, mas também culturais. “Quando usamos o corpo de uma mulher para vender na publicidade, estamos colocando-a como mais um produto, mais um objeto à disposição dos homens. Isso as deixa vulneráveis a todo tipo de violência”, observa Maíra Liguori, cofundadora da consultoria Think Eva.

“Ensinamos desde cedo às meninas que o valor delas está na aparência e que só serão desejadas se atenderem às expectativas dos homens. Que a principal realização da vida de uma mulher é o casamento e a validação masculina. Isso as coloca em uma posição em que muitas vezes nem percebem estarem sendo vítimas de violência.” 

EM ENTREVISTA A CARTA CAPITAL O FAMOSO JORNALISTA GLENN GREENWALD, PRÊMIO PULITZER, AFIRMOU QUE “TUDO FICOU MAIS CLARO, É GOLPE”

Leia a entrevista com o brilhante e engajado jornalista norte-americano Glenn Greenwald, realizada pelas talentosas jornalistas Leneide Duarte-Plon e Clarisse Meireles.

Uma entrevista com tudo que você já sabe, mas que lhe concede maiores inferências sobre o terrorismo partidário, jurídico e midiático executado para afastar a presidenta Dilma Vana Rousseff e incinerar mais de 54 milhões de votos assaltando sem qualquer pejo a democracia.

Glenn Greenwald

Através de você, Edward Snowden revelou o escândalo das escutas telefônicas da NSA que mostravam que Dilma Rousseff  e Angela Merkel, entre outras personalidades, foram grampeadas pelos americanos. Como você explica que a presidenta Dilma e o ex-presidente Lula tenham continua­do a usar o telefone para tratar de assuntos tão importantes quanto o da nomeação dele para ministro da Casa Civil?

Tive uma grande surpresa e Snowden disse algo no Twitter sobre isso, quando as conversas foram divulgadas. Ele ficou decepcionado, quase ofendido, pois sacrificou muito de sua vida para mostrar ao País como a presidente Dilma estava sendo espionada e monitorada.

E sei que, depois das revelações, o governo brasileiro investiu muito para construir métodos de contraespionagem com fotografia, e fizeram muitas reuniões em Brasília para evitar isso.

O fato de um ex-presidente e uma presidenta estarem tratando de coisas muito sensíveis dentro desse clima num telefone aberto e não encriptado é, para mim, incompreensível. Fiquei chocado.

Depois de 11 anos vivendo no Brasil e escrevendo sobre geopolítica e política americana, recentemente, com o agravamento da crise no País, você passou a se interessar mais pela política local?

Eu queria viver num país com tranquilidade, sem problemas, sem precisar lutar ou brigar. Quando decidi morar aqui, há 11 anos, não pensava no Brasil como meu país. Agora que moro há tanto tempo, sou casado com um brasileiro, estamos adotando uma criança que vai ser brasileira, amo este país que me deu muitas coisas, e penso que tenho não somente o direito, mas a obrigação de fazer reportagens sobre o que não está sendo feito mas acho necessário fazer.

Este período que estamos vivendo não é normal. É uma crise que está ameaçando a democracia. Existe um risco de que ela seja extinta de novo e não posso ficar sem fazer nada, quando acho que tenho algum poder de ajudar e defender a democracia.

Não ficaria em paz com minha consciência o resto da vida, se não fizesse coisa alguma. Em relação à mídia dominante, talvez eu não percebesse antes o quão extremista ela é. Ela faz propaganda. Isso me choca como jornalista. Quis usar a minha revista e meus meios para lutar contra isso.

O que desencadeou sua decisão de passar a escrever sobre o Brasil?

Eu vi que a Globo estava incitando os protestos. Mas, por outro lado, eu estava olhando a Lava Jato como algo impressionante, positivo, pois colocava na prisão por corrupção bilionários e políticos poderosos, independentemente do partido ou da ideologia. Isso não acontece nos Estados Unidos, e no Brasil menos ainda.

As pessoas achavam uma coisa fantástica. Comecei a mudar quando o juiz Moro mandou fazer a condução coercitiva de Lula, sem razão, uma vez que o ex-presidente fazia depoimentos voluntários. Ficou claro para mim que o juiz criou uma cena dramática.

Pior ainda, em minha opinião, foi quando Moro divulgou a conversa do ex-presidente com a presidenta. Ele não divulgou apenas grampos de interesse público, mas também conversas para enxovalhar a reputação do ex-presidente.

Mas minha decisão de começar a cobrir a política brasileira foi quando vi o Jornal Nacional fazendo uma leitura do diálogo entre o ex-presidente e Dilma Rousseff como se fosse de novela. Tive uma imensa vergonha e pensei que era o limite do suportável.

O que é fazer jornalismo honesto?

Numa democracia, o jornalismo tem um propósito: o principal é ser uma força contra facções poderosas, que podem ser os ricos, o governo, a polícia, as grandes empresas. Ser realmente o Quarto Poder. Ele deve ser um poder que vai esclarecer, trazer à luz o que certos grupos estão fazendo às escuras.

Quando o jornalismo está servindo a esta ou aquela facção, para mim é corrupto. Jornalismo que luta contra os poderosos é o jornalismo honesto, fiel a seu propósito de investigar e mostrar a verdade.

O mito da objetividade é que está em xeque?

Sim, Dilma fala de golpe, a oposição defende que foi impeachment legal. Quando saem esses artigos muito fortes, criamos espaço para os jornalistas estrangeiros irem mais longe.

A GloboNews tentou desqualificar toda a imprensa internacional, dizendo que os jornalistas estrangeiros não entendiam o processo.

Isso foi patético, mas não conseguiram. E também a Dilma e o PT resolveram adotar uma estratégia forte, organizando coletivas da presidenta e de Lula para a imprensa internacional, e quando Lula fez uma entrevista comigo e não com jornalistas brasileiros. Dilma fez três entrevistas, uma com a CNN, uma com a Telesur e outra comigo. Depois ela fez uma entrevista exclusiva com CartaCapital.

Na matéria de 23 de maio, sobre a gravação de Romero Jucá, o Intercept diz que vai introduzir definitivamente a palavra golpe. Como foi a repercussão dessa matéria?

Eu, pessoalmente, nunca usava a palavra golpe porque, para mim, era como a palavra “terrorismo”. Todo mundo usa essa palavra politicamente. Não tem um significado específico. Para mim, a gravação de Jucá mudou tudo, porque tive todos os ingredientes necessários para definir um golpe.

Qualquer que seja a definição de “golpe”, ela se enquadra no que foi feito no Brasil com relação à presidenta Dilma Rousseff. Houve envolvimento de políticos, da Justiça e dos militares, entre outros. O motivo não foram as alegadas “pedaladas fiscais”. No dia da votação na Câmara, ninguém falou desse motivo.

Seria possível a Suprema Corte americana agir tão partidariamente como a brasileira?

Nos Estados Unidos, um juiz da Suprema Corte não pode falar publicamente sobre assuntos que estão em julgamento. A autoridade do Judiciário precisa ser e parecer independente da política.

É impensável ver um juiz encontrando-se com políticos, almoçando com políticos. Para mim, como advogado que sou, esse processo é totalmente corrupto. Que confiança você pode ter num juiz que discute com políticos casos que está julgando?

DAVI RIBEIRO/CARTACAPITALmoro.jpeg
‘Minha opinião sobre Moro mudou quando da condução coercitiva de Lula sem razão’, diz Glenn

Ele toma partido…

Sim. Para mim, isso é mais importante do que o envolvimento dos militares. Quando comecei a prestar atenção no debate sobre o impeachment, eu pensava: “Não pode ser golpe, porque está sendo conduzido sob a autoridade de um tribunal legítimo”. Para mim era um bom argumento. Perguntei a Dilma e a Lula nas entrevistas que fiz: como pode ser um golpe se é um tribunal legítimo? Mas agora a legitimidade desse tribunal fica totalmente duvidosa.

Como avalia a queda do Brasil no ranking de liberdade de imprensa da respeitada ONG Repórteres Sem Fronteiras? O Brasil ocupava o 58º lugar em 2010 e hoje ocupa o 104º posto? A Reporters Sans Frontières disse literalmente: “O problema dos ‘coronéis midiáticos’, que descrevemos em 2013 no relatório ‘O País dos 30 Berlusconis’, continua intocável”.

O Brasil ficou atrás de El Salvador, Peru e Libéria. Essa organização é muito respeitada no mundo inteiro, porque não se envolve em nenhum debate político nos países, atua apenas como um observador.

A Reporters Sans Frontières disse isso de uma forma clara e absoluta, condenando a mídia brasileira e dizendo que os jornalistas não estão se comportando como profissionais, mas tentando influir na queda da presidenta Dilma.

Outra forma de avaliar a liberdade e o pluralismo da imprensa brasileira foi em relação ao assassinato de jornalistas em cidades pequenas, a concentração de empresas jornalísticas nas mãos de poucas famílias e a conexão com a classe política, tentando forçar a saída de Dilma, o que contradiz a liberdade de imprensa.

A avaliação da RSF foi tão severa com a mídia brasileira que fiquei chocado e surpreso, pois eles em geral não são tão explícitos nos seus julgamentos. Imagino que isso deve ter causado muita vergonha no Estadão,Folha, Globo, Veja e IstoÉ.

Mas eles não deram essa notícia. “O que é ruim, a gente esconde”, foi uma frase dita por um ministro que falava sem saber que o microfone estava aberto. Faz algum tempo, mas nada mudou.

Em todos os lugares onde vou falo disso justamente, porque não vejo ninguém falar. Na gravação de Jucá, ele disse que a imprensa estava insistindo na saí­da de Dilma, nitidamente tomando partido. Ele deixou tudo muito claro.

No Brasil, o povo vê o que a mídia quer que ele veja…

Você viu o que o Jornal Nacional fez para noticiar essas gravações? Eles deram 20 segundos no começo, depois 15 outras reportagens sobre zika, o tempo, a Venezuela. Os últimos dez minutos foram para comentar as gravações, mas sem falar do envolvimento dos militares nem a tentativa de impedir a Lava Jato. Disseram que Temer afirmou que “agora tudo está certo”.

O que falta ao Brasil para ter maior pluralidade na mídia?

Vi críticas ao PT por não ter feito quase nada nesse sentido. Nos EUA, há leis mais leves, aliás, do que na Inglaterra e na França. Se existem instituições fortes e maduras, não há problemas. Havia a TV Brasil, onde o Temer já mudou as regras. Para mim, muito mais promissora é a internet.

Vai mudar tudo. Jovens de menos de 25 anos não veem tevê, não leem jornal. Estão no Facebook, Twitter e leem os jornais estrangeiros na internet. Acho essa opção melhor que leis para regular e controlar.

Na França, por exemplo, o governo subvenciona os jornais para garantir o pluralismo. O governo não quer nem que o jornal comunista L’Humanité desapareça. O pluralismo na imprensa é importante para a democracia francesa. O leque ideológico da imprensa é enorme.

Mas é preciso que haja maturidade política e democracia. Na Argentina, a primeira coisa que Mauricio Macri fez foi mudar a lei de mídia.

De onde você vem? Qual a sua história familiar a explicar seu interesse por política, seu engajamento?

Meu avô me influenciou muito quando eu era criança. Ele foi vereador na nossa cidade, um político que sempre lutou contra as injustiças. Quando me tornei advogado, me especializei em Direito Constitucional e me distanciei da política. Depois do 11 de Setembro, eu morava em Nova York e via as mudanças nos direitos constitucionais irem no mau sentido.

Comecei a voltar os olhos para a política. Mas era advogado. Comecei a ler blogs porque a mídia não cobria de forma inteligente e contestadora o modo como os Estados Unidos se conduziam. Em 2005, decidi criar um blog para me comunicar com os blogueiros que estava lendo e rapidamente me transformei em jornalista.

Dá para fazer um paralelo entre a falta de crítica da mídia americana no pós 11 de Setembro e a situação dos grandes jornais brasileiros hoje, tão partidarizados?

Sim. Aderiram à invasão do Iraque de forma bastante acrítica. Depois, o New York Times pediu desculpas, mas na época o apoio foi integral, com um discurso muito nacionalista. A imprensa americana sabe que uma grande parte da população presta pouca atenção à política e, por isso, é facilmente manipulável.

Mas mesmo naquela época, quando o jornalismo se tornou horrível e perigoso, havia espaço no New York Times e Washington Post, às vezes na tevê, para argumentações contra a invasão do Iraque, desafiando crenças da maioria dos que apoiavam a guerra. Aqui no Brasil, no Globo, por exemplo, não há quase nada que conteste o impeachment. Esse pensamento único me dá medo, pois é algo muito perigoso.

Você se considera uma pessoa de esquerda?

Existe esse debate: ele é de esquerda, libertário, independente, muitas pessoas tentam me colocar numa caixa. Não gosto, porque acho que é uma forma de as pessoas começarem a ignorar seus argumentos. Tenho opiniões, claro, e há assuntos em que acho que estou à esquerda, mas em outros não. Tento evitar pensar me posicionando dessa forma.

Como analisa a entrega do pré-sal brasileiro às multinacionais nesse contexto?

O representante do governo interino já estava em Nova York na semana passada para encontrar grupos de Wall Street. Já se deixou claro que a intenção é privatizar muitas coisas, inclusive parte da Petrobras. Sempre que vimos acelerar esse tipo de privatização em diversos países, os processos foram recheados pela corrupção.

José Serra, atual ministro das Relações Exteriores, afirmou que a política externa agora pretende dar menos importância aos tratados internacionais e multilaterais e privilegiar relações baratas, além de estreitar relações com os EUA.

Numa entrevista recente, um repórter fez uma pergunta sobre a espionagem dos EUA ao Brasil, citando a NSA, e ele perguntou: “O que é NSA?” Revelou que o objetivo de sua política é reforçar o relacionamento com os EUA.

O golpe de 1964 deu-se com a cumplicidade e a ajuda de Washington. No dia seguinte à votação do impeachment na Câmara, o candidato a vice na chapa de Aécio Neves, senador Aloysio Nunes Ferreira, foi aos EUA, onde se encontrou com autoridades do Departamento de Estado. Qual o papel dos EUA no atual golpe?

Não há evidências de que os EUA estejam envolvidos no processo do impeach­ment. Não que eu saiba. Mas isso não diz muito. Qualquer envolvimento americano seria discreto. Creio que a direita brasileira não conduziria esse processo sem a aprovação dos EUA.

E também está claro que os EUA têm preferência por governos à direita na América Latina, porque são mais abertos ao capital internacional, enquanto a esquerda reforçou iniciativas como o Mercosul e os BRICS. Não sei que tipo de apoio estão dando, se estão planejando e encorajando, mas certamente demonstram aprovação.

O que aconteceria a um juiz americano se tomasse posições claramente partidárias, participasse de eventos de organizações ligadas a partidos ou de órgaos da imprensa, como faz, por exemplo, o juiz Sergio Moro?

Nos EUA, isso seria impensável. O Poder Judiciário aqui é muito forte. Um juiz pode grampear conversas, mandar alguém para a prisão, manter alguém numa cela por 20 anos. É um poder extremo. Para aceitarmos esse poder, é preciso manter muito claros os limites não só das leis, mas das instituições.

O Judiciá­rio precisa estar acima de personalidades, exercer suas funções com objetividade e isenção. Moro virou um herói coberto de elogios. Acho que isso o está afetando muito. Nos EUA, esse protagonismo de um juiz jamais seria permitido.


USAR O CONTROLE REMOTO É UM ATO DEMOCRÁTICO!

EXPERIMENTE CONTRA A TV GLOBO! Você sabe que um canal de televisão não é uma empresa privada. É uma concessão pública concedida pelo governo federal com tempo determinado de uso. Como meio de comunicação, em uma democracia, tem como compromisso estimular a educação, as artes e o entretenimento como seu conteúdo. O que o torna socialmente um serviço público e eticamente uma disciplina cívica. Sendo assim, é um forte instrumento de realização continua da democracia. Mas nem todo canal de televisão tem esse sentido democrático da comunicação. A TV Globo (TVG), por exemplo. Ela, além de manter um monopólio midiático no Brasil, e abocanhar a maior fatia da publicidade oficial, conspira perigosamente contra a democracia, principalmente, tentando atingir maleficamente os governos populares. Notadamente em seu JN. Isso tudo, amparada por uma grade de programação que é um verdadeiro atentado as faculdades sensorial e cognitiva dos telespectadores. Para quem duvida, basta apenas observar a sua maldição dos três Fs dominical: Futebol, Faustão e Fantástico. Um escravagismo-televisivo- depressivo que só é tratado com o controle remoto transfigurador. Se você conhece essa proposição-comunicacional desdobre-a com outros. Porque mudanças só ocorrem como potência coletiva, como disse o filósofo Spinoza.

Quer linha de corte? Este é esquizo. Acesse:

CAMPANHA AFINADA CONTRA O

VIRTUALIZAÇÕES DESEJANTES DA AFIN

Este é um espaço virtual (virtus=potência) criado pela Associação Filosofia Itinerante, que atua desde 2001 na cidade de Manaus-Am, e, a partir da Inteligência Coletiva das pessoas e dos dizeres de filósofos como Epicuro, Lucrécio, Spinoza, Marx, Nietzsche, Bergson, Félix Guattari, Gilles Deleuze, Clément Rosset, Michael Hardt, Antônio Negri..., agencia trabalhos filosóficos-políticos- estéticos na tentativa de uma construção prática de cidadania e da realização da potência ativa dos corpos no mundo. Agora, com este blog, lança uma alternativa de encontro para discussões sociais, éticas, educacionais e outros temas que dizem respeito à comunidade de Manaus e outros espaços por onde passa em movimento intensivo o cometa errante da AFIN.

"Um filósofo: é um homem que experimenta, vê, ouve, suspeita, espera e sonha constantemente coisas extraordinárias; que é atingido pelos próprios pensamentos como se eles viessem de fora, de cima e de baixo, como por uma espécie de acontecimentos e de faíscas de que só ele pode ser alvo; que é talvez, ele próprio, uma trovoada prenhe de relâmpagos novos; um homem fatal, em torno do qual sempre ribomba e rola e rebenta e se passam coisas inquietantes” (Friedrich Nietzsche).

Daí que um filósofo não é necessariamente alguém que cursou uma faculdade de filosofia. Pode até ser. Mas um filósofo é alguém que em seus percursos carrega devires alegres que aumentam a potência democrática de agir.

_________________________________

BLOG PÚBLICO

Propaganda Gratuita

Você que quer comprar entre outros produtos terçado, prego, enxada, faca, sandália, correia, pé de cabra ou bola de caititu vá na CASA UYRAPURU, onde os preços são um chuchu. Rua Barão de São Domingos, nº30, Centro, Tel 3658-6169

Pão Quente e Outras Guloseimas no caminho do Tancredo.
PANIFICADORA SERPAN (Rua José Romão, 139 - Tancredo Neves - Fone: 92-8159-5830)

Fique Frio! Sabor e Refrescância!
DEGUST GULA (Avenida Bispo Pedro Massa, Cidade Nova, núcleo 5, na Rua ao lado do DB CIdade Nova.Todos os dias).

O Almoço em Família.
BAR DA NAZA OU CASA DA VAL (Comendador Clementino, próximo à Japurá, de Segunda a Sábado).

Num Passo de Mágica: transforme seu sapato velho em um lindo sapato novo!
SAPATEIRO CÂNDIDO (Calçada da Comendador Clementino, próximo ao Grupo Escolar Ribeiro da Cunha).

A Confluência das Torcidas!
CHURRASQUINHO DO LUÍS TUCUNARÉ (Japurá, entre a Silva Ramos e a Comendador Clementino).

Só o Peixe Sabe se é Novo e do Rio que Saiu. Confira esta voz na...
BARRACA DO LEGUELÉ (na Feira móvel da Prefeitura)

Preocupado com o desempenho, a memória e a inteligência? Tu és? Toma o guaraná que não é lenda. O natural de Maués!
LIGA PRA MADALENA!!! (0 XX 92 3542-1482)

Decepcionado com seus desenganos? Ponha fé nos seus planos! Fale com:
PAI GEOVANO DE OXAGUIÃ (Rua Belforroxo, S/N - Jorge Teixeira IV) (3682-5727 / 9154-5877).

Quem tem fé naõ é um qualquer! Consultas::
PAI JOEL DE OGUM (9155-3632 ou paijoeldeogum@yahoo.com.br).

Belém tá no teu plano? Então liga pro Germano!
GERMANO MAGHELA - TAXISTA - ÁGUIA RADIOTAXI - (91-8151-1464 ou 0800 280 1999).

E você que gostaria de divulgar aqui seu evento, comércio, terreiro, time de futebol, procurar namorado(a), receita de comida, telefone de contato, animal encontrado, convites diversos, marocagens, contacte: afinsophiaitin@yahoo.com.br

Outras Comunalidades

   

Categorias

Arquivos

Blog Stats

  • 4,079,062 hits

Páginas

dezembro 2017
D S T Q Q S S
« nov    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31