PATRÍCIA FAERMANN: COMO E POR QUEM VIRÁ A RESPOSTA SOBRE A PRISÃO DE LULA?

Patrícia Faermann 
Jornal GGN – O timing para a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ainda é tema rodeado de incógnitas e que depende do tempo de resposta da segunda, da terceira e da última instância da Justiça brasileira. Mas a defesa de Lula conquistou, com a decisão tomada pelo ministro Edson Fachin na última sexta-feira (09), o que buscavam para o caso do ex-presidente: chegar, o quanto antes, à Suprema Corte.
 
Com a recente manifestação da Procuradoria-Geral da República (PGR), contrariando a concessão de Habeas Corpus que impossibilite a prisão de Lula, mais obstáculos à frente para a defesa do ex-presidente. As chances, contudo, não foram cessadas. O GGN preparou um explicativo para entender os caminhos da Justiça para o líder petista:
 
 EMPECILHOS
 
Ao verificar como o Tribunal Regional da 4ª Região (TRF-4) vem se posicionando com os processos da Operação Lava Jato, ao adotar a definição do Supremo Tribunal Federal (STF) no último ano, de que prisões já podem ser feitas a partir da condenação em segunda instância, a única barreira seriam os recursos.
 
Entretanto, a decisão da 8ª Turma do TRF-4 no final de janeiro foi unânime, restando ao ex-presidente apenas um tipo de recurso: os embargos de declaração, que podem pedir, por exemplo, modificação na pena, mas não questionar a condenação dos desembargadores. 
 
Tal recurso pode ser entregue pela defesa de Lula até o dia 19 de fevereiro, sem uma data definida para os juízes do TRF-4 julgarem. Por isso, é questão agora do “quando” e não mais “se” o ex-presidente seria preso. A afirmação, contudo, não é conclusiva: há ainda outros caminhos judiciais, que estão sendo trabalhados pela defesa.
 
Para analisar como o Judiciário deve se comportar com os recursos de Lula, o GGN consultou o advogado criminalista Daniel Rondi, coordenador adjunto do Grupo de Estudos Carcerários Aplicados da USP (GECAP-USP), sobre outro caso da Operação Lava Jato que já percorreu as condenações em primeira e segunda instância, com o fim dos recursos.
 
CASO LUIZ EDUARDO
 
A prisão do irmão do ex-ministro José Dirceu, Luiz Eduardo de Oliveira e Silva, na última sexta (09), traz alguns sinais de como cada instância judicial se comportou e a previsão legal em cada situação relacionada à Operação Lava Jato. 
 
À parte os questionamentos se havia ou não argumentos e provas para a condenação e respectivo encarceramento de Luiz Eduardo, o irmão de Dirceu foi condenado pelo juiz Sérgio Moro e teve a sua pena aumentada para 10 anos e seis meses pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) em setembro do último ano.
 
Na semana passada, Moro emitiu despacho autorizando a prisão imediata de Luiz Eduardo, levantando dúvidas de quem seria a competência para tal determinação (primeira ou segunda instância ou, ainda, juízo de Execuções Penais) e em que momento ela deveria ser feita. 
 
“Isso foi uma discussão a partir de quando o Supremo começou a permitir a prisão a partir de uma decisão colegiada, no caso uma decisão de segunda instância, não uma decisão monocrática e passamos a ver juizes de primeira instância decretando já, então, a competência para prender”, lembrou o advogado Daniel Rondi.
 
De acordo com o criminalista, foi uma decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que esclareceu os rumos para esta situação, quando definiu que cabe ao colegiado do Tribunal que lhe julgou determinar a prisão. Tal informação deve estar presente no acórdão, que em ambos os casos – de Luiz Eduardo e de Lula – foram publicados pelo TRF-4.
 
Também para os dois réus, como a segunda instância definiu no acórdão de sentença que, esgotados os recursos, a prisão seria imediata, o despacho para “lembrar” a prisão parte do juiz originário, Sérgio Moro. Em seguida, a execução da pena em si é que compete ao juiz de Execução do local aonde o réu será preso. 
 
“Apenas se o TRF-4 não falou nada é que a competência passa à terceira instância, que seria o STJ. Mas, [de modo geral], pelos processos do TRF-4, o Tribunal já está determinando a prisão: faz o julgamento e, inspirado nos recursos ordinários, determina a pena”.
 
O QUE VEM DEPOIS DOS RECURSOS
 
Com a decisão já formada de que um réu deve cumprir a pena após o fim dos recursos sobre uma condenção em Turma de segunda instância, sobra ao investigado a tentativa de um recurso preventivo no Superior Tribunal de Justiça (STJ), que é o Habeas Corpus preventivo, para que continue respondendo ao processo em liberdade até que se conclua o julgamento em última instância, o Supremo Tribunal Federal (STF).
 
“Com a prisão ou com o exaurimento da segunda instância, [a defesa do réu] teria que manejar um Habeas Corpus para o STJ. Lembrando que o entendimento do ministro Felix Fischer [relator da Lava Jato no STJ] é contrário à possibilidade de liberdade, ou seja, o recurso sobre o HC cai na mão do STF. E depende quem é a Turma que está prevendo e de quem for o relator”, analisou Rondi.
 
Esse tipo de proteção pode ser feita antes da determinação de cumprimento da pena ou já com o investigado preso. No primeiro cenário, o de Lula, é julgado no STJ e depois no STF. “Pode ser ingressado com a pessoa já presa, que é o pior cenário, ou pode ser interpelado através do preventivo, que é o caso do ex-presidente Lula”.
 
Segundo o advogado criminalista, o fato de o ministro do STF Gilmar Mendes já ter concedido entrevista afirmando a possibilidade de que Lula seja preso o quanto antes, a defesa do ex-presidente antecipadamente assegurou a proteção, sem esperar que os recursos contra o sentença definida no TRF-4 fossem esgotados. 
 
“O presidente Lula já fez esse debate no STJ, porque pelo entendimento do TRF-4, apesar de ele ainda ter recursos ordinários dentro do Tribunal, um dos ministros, e não foi nem o relator, já fala em prisão imediata. Então ele já subiu para o STJ, sabendo que o ministro Felix Fischer ia negar e conseguir alcançar o Supremo”, analisou.
 
Dessa forma, dois passos já foram adiantados pela banca de advogados do ex-presidente: uma proteção contra a prisão antes do fim dos recursos no TRF-4 e, com a já pública negativa do relator do STJ contra o HC para Lula, o caso foi remetido à última instância, aonde o ex-presidente enxerga maiores possibilidades de que seus direitos sejam alcançados.
 
“Agora, a discussão vai ser com o Supremo. Uma vez que ele [Lula] alcançou o STJ, ele vai esperar o julgamento do TRF [dos recursos do processo em si] e, a partir do momento que o TRF julgar, ele vai subir direto para o STF”, explicou.
 
A RESPOSTA FINAL
 
Com a espera do julgamento de seus recursos no TRF-4, também já sabendo que nada será modificado pelos desembargadores que aumentaram a sua condenação, Lula espera do Supremo uma esperança de ser julgado até o final do processo em liberdade.
 
Nesta quarta-feira (14), a Procuradoria-Geral da República já se manifestou aos ministros que é contrária à concessão de HC a Lula. Defende que o ex-presidente seja preso o quanto antes. Após o ministro do STJ, Humberto Martins, votar pelo mesmo, o relator no Supremo, Edson Fachin, posicionou-se da mesma forma.
 
Fachin deu razão à PGR na última sexta (09), mas entendeu que a resposta deve ser definida por todos os ministros, encaminhando o julgamento do caso ao Plenário do STF. Em seu voto, o ministro ressaltou que ainda há “divergências” sobre a prisão após a condenação em segunda instância. 
 
“Há, portanto, relevante questão jurídica e necessidade de prevenir divergência entre as Turmas quanto à questão relativa à possibilidade de execução criminal após condenação assentada em segundo grau de jurisdição”, escreveu Fachin.
 
E a posição de boa parte dos ministros do Supremo sobre o caso é pública. O próprio ministro Ricardo Lewadowski escreveu artigo na Folha de S.Paulo defendendo a presunção da inocência de um réu até esgotados os recursos na última instância. Junto com ele, aderem à tese também os ministros Marco Aurélio, Celso de Mello e, mais recentemente, vem concordando com a posição Gilmar Mendes. 
 
Por outro lado, os ministros Rosa Weber, Luiz Fux, Alexandre de Moraes e Luis Roberto Barroso concordam com Fachin para a prisão imediata após a sentença de segunda instância. A presidente do STF, Cármen Lúcia, não gostaria nem de pautar o tema e é contra reverter a decisão já tomada pela prisão a partir de condenação de turma colegiada. Ao todo, são 11 ministros que integram a Suprema Corte. Dias Toffoli é uma incógnita, já defendendo as duas posições contrárias.
 
 
Anúncios

0 Responses to “PATRÍCIA FAERMANN: COMO E POR QUEM VIRÁ A RESPOSTA SOBRE A PRISÃO DE LULA?”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s




USAR O CONTROLE REMOTO É UM ATO DEMOCRÁTICO!

EXPERIMENTE CONTRA A TV GLOBO! Você sabe que um canal de televisão não é uma empresa privada. É uma concessão pública concedida pelo governo federal com tempo determinado de uso. Como meio de comunicação, em uma democracia, tem como compromisso estimular a educação, as artes e o entretenimento como seu conteúdo. O que o torna socialmente um serviço público e eticamente uma disciplina cívica. Sendo assim, é um forte instrumento de realização continua da democracia. Mas nem todo canal de televisão tem esse sentido democrático da comunicação. A TV Globo (TVG), por exemplo. Ela, além de manter um monopólio midiático no Brasil, e abocanhar a maior fatia da publicidade oficial, conspira perigosamente contra a democracia, principalmente, tentando atingir maleficamente os governos populares. Notadamente em seu JN. Isso tudo, amparada por uma grade de programação que é um verdadeiro atentado as faculdades sensorial e cognitiva dos telespectadores. Para quem duvida, basta apenas observar a sua maldição dos três Fs dominical: Futebol, Faustão e Fantástico. Um escravagismo-televisivo- depressivo que só é tratado com o controle remoto transfigurador. Se você conhece essa proposição-comunicacional desdobre-a com outros. Porque mudanças só ocorrem como potência coletiva, como disse o filósofo Spinoza.

Acesse esquizofia.wordpress.com

esquizofia.wordpress.com

CAMPANHA AFINADA CONTRA O

VIRTUALIZAÇÕES DESEJANTES DA AFIN

Este é um espaço virtual (virtus=potência) criado pela Associação Filosofia Itinerante, que atua desde 2001 na cidade de Manaus-Am, e, a partir da Inteligência Coletiva das pessoas e dos dizeres de filósofos como Epicuro, Lucrécio, Spinoza, Marx, Nietzsche, Bergson, Félix Guattari, Gilles Deleuze, Clément Rosset, Michael Hardt, Antônio Negri..., agencia trabalhos filosóficos-políticos- estéticos na tentativa de uma construção prática de cidadania e da realização da potência ativa dos corpos no mundo. Agora, com este blog, lança uma alternativa de encontro para discussões sociais, éticas, educacionais e outros temas que dizem respeito à comunidade de Manaus e outros espaços por onde passa em movimento intensivo o cometa errante da AFIN.

"Um filósofo: é um homem que experimenta, vê, ouve, suspeita, espera e sonha constantemente coisas extraordinárias; que é atingido pelos próprios pensamentos como se eles viessem de fora, de cima e de baixo, como por uma espécie de acontecimentos e de faíscas de que só ele pode ser alvo; que é talvez, ele próprio, uma trovoada prenhe de relâmpagos novos; um homem fatal, em torno do qual sempre ribomba e rola e rebenta e se passam coisas inquietantes” (Friedrich Nietzsche).

Daí que um filósofo não é necessariamente alguém que cursou uma faculdade de filosofia. Pode até ser. Mas um filósofo é alguém que em seus percursos carrega devires alegres que aumentam a potência democrática de agir.

_________________________________

BLOG PÚBLICO

Propaganda Gratuita

Você que quer comprar entre outros produtos terçado, prego, enxada, faca, sandália, correia, pé de cabra ou bola de caititu vá na CASA UYRAPURU, onde os preços são um chuchu. Rua Barão de São Domingos, nº30, Centro, Tel 3658-6169

Pão Quente e Outras Guloseimas no caminho do Tancredo.
PANIFICADORA SERPAN (Rua José Romão, 139 - Tancredo Neves - Fone: 92-8159-5830)

Fique Frio! Sabor e Refrescância!
DEGUST GULA (Avenida Bispo Pedro Massa, Cidade Nova, núcleo 5, na Rua ao lado do DB CIdade Nova.Todos os dias).

O Almoço em Família.
BAR DA NAZA OU CASA DA VAL (Comendador Clementino, próximo à Japurá, de Segunda a Sábado).

Num Passo de Mágica: transforme seu sapato velho em um lindo sapato novo!
SAPATEIRO CÂNDIDO (Calçada da Comendador Clementino, próximo ao Grupo Escolar Ribeiro da Cunha).

A Confluência das Torcidas!
CHURRASQUINHO DO LUÍS TUCUNARÉ (Japurá, entre a Silva Ramos e a Comendador Clementino).

Só o Peixe Sabe se é Novo e do Rio que Saiu. Confira esta voz na...
BARRACA DO LEGUELÉ (na Feira móvel da Prefeitura)

Preocupado com o desempenho, a memória e a inteligência? Tu és? Toma o guaraná que não é lenda. O natural de Maués!
LIGA PRA MADALENA!!! (0 XX 92 3542-1482)

Decepcionado com seus desenganos? Ponha fé nos seus planos! Fale com:
PAI GEOVANO DE OXAGUIÃ (Rua Belforroxo, S/N - Jorge Teixeira IV) (3682-5727 / 9154-5877).

Quem tem fé naõ é um qualquer! Consultas::
PAI JOEL DE OGUM (9155-3632 ou paijoeldeogum@yahoo.com.br).

Belém tá no teu plano? Então liga pro Germano!
GERMANO MAGHELA - TAXISTA - ÁGUIA RADIOTAXI - (91-8151-1464 ou 0800 280 1999).

E você que gostaria de divulgar aqui seu evento, comércio, terreiro, time de futebol, procurar namorado(a), receita de comida, telefone de contato, animal encontrado, convites diversos, marocagens, contacte: afinsophiaitin@yahoo.com.br

Outras Comunalidades

   

Categorias

Arquivos

Blog Stats

  • 4,176,424 hits

Páginas

fevereiro 2018
D S T Q Q S S
« jan   mar »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728  

Arquivos

Anúncios

%d blogueiros gostam disto: