BRASILIANAS: JUDICIÁRIO COM POUCA TRANSPARÊNCIA E VELHOS ATORES DESESTABILIZAM DEMOCRACIA

Coordenadora do IBCCRIM, Luciana Zaffalon é autora de um trabalho inédito que avalia relação entre Judiciário e Executivo no estado de São Paulo

Por Lilian Milena

Do Brasilianas

Pesquisadora aponta imbricamento severo de interesses que estaria ameaçando o papel ético de Judiciário e Executivo em SP, Este conteúdo está sendo organizado na Plataforma Brasilianas e fez parte do seminário de abertura da parceria do GGN com a PUC-SP

Representando as carreiras com os maiores salários e mobilizando 30% de todo o Produto Interno Bruto (PIB), o Judiciário está se consolidando como um poder acima dos demais no Brasil. A questão preocupa especialistas porque foi em situações semelhantes que, como mostra a história, a democracia foi posta em risco, quando um poder se sobressaiu em relação aos outros desvirtuando o mecanismo de freios e contrapesos.

​Como reverter esse processo? Esperar que nos próximos anos concursos públicos e as eleições internas ajudem a oxigenar o sistema reconduzindo o foco do Judiciário para a sua função de garantir os direitos sociais e constitucionais. Além disso, o processo de digitalização dos sistemas desse poder, que ainda funcionam com base em mecanismos análógicos, pode ajudar a promover melhor transparência.

Essas são as duas únicas possibilidades consideradas pela pesquisadora Luciana Zaffalon, que levantou o debate durante sua participação no fórum Brasilianas – Saídas para ao Brasil crescer, marcando o lançamento da nova plataforma desenvolvida para debater formas de elevar os índices de igualdade no país.

A coordenadora do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais (IBCCRIM) é autora de um trabalho inédito avaliando a relação entre o poder Judiciário (incluindo Ministério Público e Defensoria) e o Executivo no estado de São Paulo, onde alerta que ao mesmo tempo em que agentes da Justiça têm blindado a política de segurança pública promovida pelo Estado, o Executivo tem garantido uma remuneração para os funcionários públicos do setor que extrapola o teto constitucional. Em outras palavras, há um imbricamento severo de interesses que estaria ameaçando o papel ético das duas forças.

Luciana começou seu trabalho fazendo um levantamento de todas as folhas de pagamento das carreiras jurídicas, para ter ideia do rendimento médio mensal no setor. Sem considerar 13º salário e férias, um agente do Ministério Público do estado recebia, em 2015, mais de 46 mil reais por mês. Dos 1920 membros na carreira que constavam nas folhas de pagamento, apenas 3,1% não recebiam mais do que o teto remuneratório e os chamados “penduricários”, os auxílios concedidos aos servidores, incrementavam em 62,25% os salários.

No mesmo período, Luciana identificou que as despesas médias de um magistrado do Tribunal de Justiça no Estado de São Paulo foi de 45.906 reais. Já na Defensoria Pública, carreira que existe há apenas 11 anos no Estado, o salário médio do servidor foi em torno de 27 mil reais, superando os patamares da Alemanha, Portugal e Suécia que chegam a pagar metade do valor pago no brasil para seus servidores do Judiciário. A classe, portanto, vem se tornando uma das poucas que, em um momento de cortes de gastos na saúde e educação pública, mantém o índice de remuneração ascendente.

Relação com o poder Executivo

Luciana questiona que se a alta remuneração, em si, não deveria ser observada como uma ameaça, o grande problema está na forma como essas instituições têm se relacionado, ao longo dos anos, para garantir esses altos patamares remuneratórios.

O Ministério Público, por exemplo, que constitucionalmente é responsável por controlar a atividade policial tem pedido o arquivamento de 90% dos casos de mortes praticadas por policiais. Outra ponto contraditório no equilíbrio das forças é que os últimos sete Secretários de Segurança Pública do Estado de São Paulo, que atuam como chefes das Polícias Civil e Militar, vieram do Ministério Público.

“Como é que você tem aquele que deveria ser o responsável pelo controle externo da atividade policial – Ministério Público – se convertendo em formulador da política de segurança?”, questiona Luciana. A pesquisadora também aponta que, diferente da maioria dos cargos abertos no MP, que são ocupadas apenas após processo de seleção por concurso público, o grupo que compõe o controle da atividade policial dentro do órgão é diretamente escolhido pela cúpula do TJSP que também determina os líderes do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO) e do Grupo Especial de Delitos Econômicos (Gedec).

O TJSP, inclusive, chegou a ficar com 21% de todos os créditos adicionais aprovados pelo Estado em um ano. A dinâmica praticada em São Paulo para direcionar os benefícios também preocupa, completa Luciana:

“Uma das principais atribuições da Assembléia Legislativa [composta pelos deputados estaduais] é justamente aprovar orçamento e aprovar o crédito adicional ao orçamento [proposto pelo governo do Estado]. O que a gente verifica em São Paulo é que toda a lei orçamentária que sai no começo do ano traz uma parte específica que transfere ao governo do Estado a capacidade de negociar diretamente a abertura desses créditos adicionais”, portanto os deputados estaduais tem se retirado da negociação do orçamento, permitindo ao governador decidir, a portas fechadas, como e onde direcionar os créditos orçamentários.

Luciana identificou também que, nas duas últimas presidências, de Renato Nalini (atual Secretário de Educação de São Paulo) e Ivan Sartori, o TJSP atendeu 41% o pedido de suspensão de decisões judiciais que prejudicavam algum órgão do Estado. Já em 82% dos processos que tratavam de licitação de contratos ou atos administrativos o governador foi atendido pelo Tribunal, assim como em 93% dos casos que o Estado entrou para suspender casos que exigiam reparação contra danos à dignidade mínima e condições de subsistência de pessoas presas.

“É muito difícil que a gente veja o sistema de justiça saindo do seu funcionamento normal para ir até, por exemplo, uma cadeia, uma penitenciária, uma unidade da Fundação Casa para verificar em que condições aquelas pessoas estão sendo mantidas e identificar uma violação, levando a formular um pedido para que alguma coisa aconteça. Depois disso, você consegue ter uma decisão judicial que confirma que não dá mais para aquela situação desumana continuar. Então, quando você consegue apoio jurídico, ainda tem a possibilidade do governador do estado pedir diretamente para o presidente do Tribunal a suspensão dos efeitos daquela decisão e, nas duas últimas gestões do tribunal de Justiça, durante quatro anos, o governador só não foi atendido em um caso”, conta Luciana.

Esse caso foi, simplesmente, a instalação de duas equipes mínimas de saúde em uma unidade prisional onde, no ano anterior, mais de 60 pessoas tinham morrido por falta de atendimento médico.

Outros casos em que o Tribunal atendeu ao Estado chegam a ser igualmente absurdos: negar banho quente a presos com tuberculose e a interrupção de novos adolescentes em uma unidade da Fundação Casa com superlotação, banheiros em péssimo estado e problemas de aeração, “em uma cidade como Araçatuba, que é quente”, pontua Luciana.

A pesquisadora identificou apenas um tipo de disputa judicial em que o governador perdeu em 100% dos casos no TJSP: quando buscou aplicar o teto constitucional sobre o funcionalismo público.

Dialeto próprio

Além de se distanciar da população geral, em termos econômicos, e dos demais poderes, na correlação de forças, os membros do Judiciário se distinguem ainda mais pelos signos tradicionalmente cultivados fazendo surgir um abismo de relação com a comunidade.

“Eu brinco que o Juiz, o promotor, o defensor, o delegado, o advogado geralmente é aquela pessoa que usa uma roupa que ninguém usa, que fala uma língua que ninguém entende e que segue procedimentos absolutamente misteriosos para a maioria da população. Como é que a gente controla o que a gente não entende? Como é que a gente pensa mecanismos de efetivo de controle sobre a justiça num cenário como esse?”, avança Luciana destacando, sem seguida, que uma entrevista realizada no sistema prisional de São Paulo, em 2013, perguntando o que os detentos entendiam durante o julgamento que determinaria o rumo de suas vidas, mais da metade afirmou não entender nada ou pouco e somente 13,5% muito do que tinha acontecido durante as audiências.

Luciana pondera que a divisão econômica é um dos fatores determinantes que separa a classe do Judiciário do restante da população. A construção de elites jurídicas, não só no Brasil, mas também em outros países latino-americanos com a reforma das constituições acabou promovendo “um determinado modelo institucional muito bem delimitado por agências de fomento, como o Banco Mundial, o FMI e tantas outras agências que, em um determinado momento, moldaram seu portfólio de empréstimos para países em em desenvolvimento”.

Em outras palavras, nesses países o que seu assistiu ao longo das últimas décadas foi a instrumentalização da Justiça em favor do mercado acima dos interesses nacionais, explicando a blindagem das classes mais favorecidas dentro desse sistema.

“O que a Justiça tem garantido, portanto, para aqueles que não tem condições de pagar pelos seus direitos é a prisão ou a morte”, arrematando novamente a imobilidade do Ministério Público Federal frente a novo recorde de mortes decorrentes da violência policial em São Paulo registados neste ano.

…A plataforma Brasilianas, iniciada em parceria com a PUC-SP, propõe fomentar políticas públicas gestadas pelos principais debatedores da conjuntura política e econômica do Brasil tendo como foco central a redução das desigualdades. Acesse matérias de outros debates levantados no fórum que marcou o lançamento do projeto:

Papel da universidade é criar ambiente de livre pensamento, defende reitora da PUC-SP

Brasil investe menos por universitário do que Grécia, Holanda e EUA

SP não segue padrão de politicas públicas por região, revela série histórica

Desigualdade em SP está congelada e sem perspectiva de melhora no curto prazo

Anúncios

0 Responses to “BRASILIANAS: JUDICIÁRIO COM POUCA TRANSPARÊNCIA E VELHOS ATORES DESESTABILIZAM DEMOCRACIA”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




USAR O CONTROLE REMOTO É UM ATO DEMOCRÁTICO!

EXPERIMENTE CONTRA A TV GLOBO! Você sabe que um canal de televisão não é uma empresa privada. É uma concessão pública concedida pelo governo federal com tempo determinado de uso. Como meio de comunicação, em uma democracia, tem como compromisso estimular a educação, as artes e o entretenimento como seu conteúdo. O que o torna socialmente um serviço público e eticamente uma disciplina cívica. Sendo assim, é um forte instrumento de realização continua da democracia. Mas nem todo canal de televisão tem esse sentido democrático da comunicação. A TV Globo (TVG), por exemplo. Ela, além de manter um monopólio midiático no Brasil, e abocanhar a maior fatia da publicidade oficial, conspira perigosamente contra a democracia, principalmente, tentando atingir maleficamente os governos populares. Notadamente em seu JN. Isso tudo, amparada por uma grade de programação que é um verdadeiro atentado as faculdades sensorial e cognitiva dos telespectadores. Para quem duvida, basta apenas observar a sua maldição dos três Fs dominical: Futebol, Faustão e Fantástico. Um escravagismo-televisivo- depressivo que só é tratado com o controle remoto transfigurador. Se você conhece essa proposição-comunicacional desdobre-a com outros. Porque mudanças só ocorrem como potência coletiva, como disse o filósofo Spinoza.

Quer linha de corte? Este é esquizo. Acesse:

CAMPANHA AFINADA CONTRA O

VIRTUALIZAÇÕES DESEJANTES DA AFIN

Este é um espaço virtual (virtus=potência) criado pela Associação Filosofia Itinerante, que atua desde 2001 na cidade de Manaus-Am, e, a partir da Inteligência Coletiva das pessoas e dos dizeres de filósofos como Epicuro, Lucrécio, Spinoza, Marx, Nietzsche, Bergson, Félix Guattari, Gilles Deleuze, Clément Rosset, Michael Hardt, Antônio Negri..., agencia trabalhos filosóficos-políticos- estéticos na tentativa de uma construção prática de cidadania e da realização da potência ativa dos corpos no mundo. Agora, com este blog, lança uma alternativa de encontro para discussões sociais, éticas, educacionais e outros temas que dizem respeito à comunidade de Manaus e outros espaços por onde passa em movimento intensivo o cometa errante da AFIN.

"Um filósofo: é um homem que experimenta, vê, ouve, suspeita, espera e sonha constantemente coisas extraordinárias; que é atingido pelos próprios pensamentos como se eles viessem de fora, de cima e de baixo, como por uma espécie de acontecimentos e de faíscas de que só ele pode ser alvo; que é talvez, ele próprio, uma trovoada prenhe de relâmpagos novos; um homem fatal, em torno do qual sempre ribomba e rola e rebenta e se passam coisas inquietantes” (Friedrich Nietzsche).

Daí que um filósofo não é necessariamente alguém que cursou uma faculdade de filosofia. Pode até ser. Mas um filósofo é alguém que em seus percursos carrega devires alegres que aumentam a potência democrática de agir.

_________________________________

BLOG PÚBLICO

Propaganda Gratuita

Você que quer comprar entre outros produtos terçado, prego, enxada, faca, sandália, correia, pé de cabra ou bola de caititu vá na CASA UYRAPURU, onde os preços são um chuchu. Rua Barão de São Domingos, nº30, Centro, Tel 3658-6169

Pão Quente e Outras Guloseimas no caminho do Tancredo.
PANIFICADORA SERPAN (Rua José Romão, 139 - Tancredo Neves - Fone: 92-8159-5830)

Fique Frio! Sabor e Refrescância!
DEGUST GULA (Avenida Bispo Pedro Massa, Cidade Nova, núcleo 5, na Rua ao lado do DB CIdade Nova.Todos os dias).

O Almoço em Família.
BAR DA NAZA OU CASA DA VAL (Comendador Clementino, próximo à Japurá, de Segunda a Sábado).

Num Passo de Mágica: transforme seu sapato velho em um lindo sapato novo!
SAPATEIRO CÂNDIDO (Calçada da Comendador Clementino, próximo ao Grupo Escolar Ribeiro da Cunha).

A Confluência das Torcidas!
CHURRASQUINHO DO LUÍS TUCUNARÉ (Japurá, entre a Silva Ramos e a Comendador Clementino).

Só o Peixe Sabe se é Novo e do Rio que Saiu. Confira esta voz na...
BARRACA DO LEGUELÉ (na Feira móvel da Prefeitura)

Preocupado com o desempenho, a memória e a inteligência? Tu és? Toma o guaraná que não é lenda. O natural de Maués!
LIGA PRA MADALENA!!! (0 XX 92 3542-1482)

Decepcionado com seus desenganos? Ponha fé nos seus planos! Fale com:
PAI GEOVANO DE OXAGUIÃ (Rua Belforroxo, S/N - Jorge Teixeira IV) (3682-5727 / 9154-5877).

Quem tem fé naõ é um qualquer! Consultas::
PAI JOEL DE OGUM (9155-3632 ou paijoeldeogum@yahoo.com.br).

Belém tá no teu plano? Então liga pro Germano!
GERMANO MAGHELA - TAXISTA - ÁGUIA RADIOTAXI - (91-8151-1464 ou 0800 280 1999).

E você que gostaria de divulgar aqui seu evento, comércio, terreiro, time de futebol, procurar namorado(a), receita de comida, telefone de contato, animal encontrado, convites diversos, marocagens, contacte: afinsophiaitin@yahoo.com.br

Outras Comunalidades

   

Categorias

Arquivos

Blog Stats

  • 4,069,732 hits

Páginas

novembro 2017
D S T Q Q S S
« out    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

%d blogueiros gostam disto: