EM RELATÓRIO, CIMI DESCREVE ‘ATAQUE RURALISTA’ GENERALIZADO CONTRA POVOS INDÍGENAS

Home » De Olho nos Conflitos » 

IN DE OLHO NOS CONFLITOSEM DESTAQUEPOVOS INDÍGENASPRINCIPALÚLTIMAS

Por Izabela Sanchez

Os números são eloquentes: 118 mortes; 106 suicídios; 735 casos de mortalidade infantil. Eles compõem os índices de violência contra indígenas no ano passado, em todo o Brasil, organizados pelo Conselho Indigenista Missionário (Cimi) no relatório “Violência Contra os Povos Indígenas 2016“. Enquanto alguns números diminuíram comparados a 2015, a abrangência das violências aumentou.

O documento mostra um retrato caótico da assistência e da proteção dos direitos das etnias em todo o país. Para o Conselho Indigenista, o cenário denuncia a consolidação da ideologia ruralista junto ao governo de Michel Temer, que pulverizou as ameaças contra os povos indígenas.

O presidente do Cimi, Dom Roque Paloschi, considera que, além do racismo que perdura na sociedade brasileira, a intolerância estimulada publicamente tem posicionado os povos indígenas como ameaças – e não ameaçados – e gerado agressões ainda mais brutais:

– Entendemos que o incremento da violência responde, entre outras coisas, aos inflamados pronunciamentos de representantes do poder público, que menosprezam, ironizam ou desconsideram os direitos constitucionais dos povos e das comunidades originárias e tradicionais e, deliberadamente, incentivam agricultores a utilizarem quaisquer meios para deter as iniciativas de coletividades historicamente espoliadas e desrespeitadas.

FUNAI: MENOR ORÇAMENTO EM DEZ ANOS

À míngua, a situação dos povos indígenas acompanha as verbas destinadas pelo governo federal à assistência e garantia dos direitos. A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investigou a Fundação Nacional do Índio (Funai) e o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) culminou, junto ao governo Temer, no menor orçamento da Funai em 10 anos.

Manifestação em 2017. (Foto: Christian Braga/Jornalistas Livres)

Assim resume um dos capítulos do relatório, escrito por Ricardo Verdum, doutor em Antropologia Social pela Universidade de Brasília (UnB):

– Comparado com o orçamento de 2015, o valor autorizado para ser utilizado em particular pela Funai e pela Sesai em 2016 é menor que o do ano anterior em cerca de R$ 111,9 milhões. Este ‘enxugamento’ ocorreu em todos os objetivos, inclusive na ação de promoção, proteção e recuperação da saúde indígena.

A redução da proposta orçamentária agravou-se em 2017. Segundo Verdum, ela não se explica somente pelas mudanças políticas havidas em 2016: “O último aumento na dotação orçamentária da Funai ocorreu em 2013, ocasião em que chegou a ser de R$ 193 milhões”.

O pesquisador descreve fatias não aplicadas e cortes observados em todas as autarquias que respondem pela assistência aos povos indígenas. O Congresso autorizou apenas R$ 1,534 bilhão para as autarquias em 2016. No dia 31 de dezembro, conta ele, as unidades orçamentárias responsáveis pelas oito ações haviam empenhado 86,76% deste total. Ou seja, R$ 203 milhões não chegaram a ser empenhados.

DEMARCAÇÕES ESTÃO TRAVADAS

A demarcação de terras indígenas costuma ser, historicamente, um dos gargalos do Estado, mas 2016 mostrou que a a prioridade do governo para as demandas ruralistas deixou muito pior o que já não ia bem. Verdum afirma que o orçamento e o recurso financeiro disponibilizados à Funai “vêm numa trajetória declinante desde 2014”.

Segundo o Cimi, o total de terras indígenas no Brasil passou de 1.113, em 2015, para 1.296, em 2016. Um olhar mais detalhado nos números indica, no entanto, que apenas 30,9% dessas terras tinham seus processos administrativos finalizados. A lentidão nos processos de demarcação mostra um horizonte preocupante:

– Os dados atualizados em 19 de setembro de 2017 apontam a preocupante existência de 836 terras indígenas, o que corresponde a 64,5% do total, com alguma providência a ser tomada pelo Estado brasileiro. Ou seja, com exceção das terras registradas, das reservadas e das dominiais, 836 terras apresentam pendências administrativas para terem seus procedimentos demarcatórios finalizados.

O governo Temer, conforme o relatório, não homologou nenhum território tradicional. Amazonas e Mato Grosso do Sul, os dois estados com o maior números de indígenas do Brasil, ilustram as maiores listas de procedimentos emperrados. No Amazonas 199 terras estão nesta situação; em Mato Grosso do Sul, 74.

MORTALIDADE INFANTIL AUMENTOU 23%

O efeito dominó que atingiu a Funai e a Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) também pode ser observado na quantidade de modalidades e casos de violência registrados pelo Cimi em todo o país. O Conselho registrou 128 casos por omissão do poder público. Entre eles, 42 casos foram de desassistência na saúde. Os mais atingidos pelo desmonte na saúde indígena, indica o Cimi, são os mais vulneráveis.

O relatório mostra 735 casos de mortalidade infantil em 2016, um aumento de 23% em relação à 2015, quando a violência atingiu 599 crianças indígenas.

Amazonas e Mato Grosso do Sul, novamente, destacam-se no ranking de violência contra pessoas indígenas. Dos 118 óbitos distribuídos em 19 Distritos Sanitários Especiais Indígenas (Dsei), 44 óbitos por agressões ocorreram na área de abrangência do Dsei Yanomami. Outros 18 no Dsei de Mato Grosso do Sul.

O Conselho Indigenista Missionário é uma das principais organizações que acompanham a rotina das etnias indígenas no Brasil. Levantamento da instituição afirma que ocorreram 56 assassinatos em 2016. Mato Grosso do Sul é o estado onde foram registrados mais casos: 15. Por trás dos números, explica o Cimi, está o aumento da violência interna, o que indica a desestrutura de diversas comunidades:

– As outras 44 pessoas, do sexo masculino, tinham idade entre 2 e 58 anos. Do total de vítimas, incluindo homens e mulheres, 8 eram menores, e tinham idade entre 2 e 17 anos. Pelo menos 18 mortes ocorreram em decorrência de brigas e/ou consumo de álcool. Em 5 casos, observou-se que as mortes se deram em virtude de conflitos fundiários nos estados da Bahia, Maranhão e Mato Grosso do Sul.

Enterro de Clodiodi Souza, assassinado em junho de 2016, em Caarapó (MS).

Para o secretário executivo do Cimi, Cleber César Buzatto, a situação de violações e violências contra os povos indígenas foi profundamente agravada em 2016:

– Aos dados de violência, propriamente ditos, foram agregados elementos políticos estruturantes que interferiram diretamente na relação do Estado brasileiro com os povos originários e subverteram as determinações Constitucionais vigentes no país.

Ele observa que voltou com muita força a tentativa de se implementar a teoria da unicidade absoluta do Estado. “Com o golpe político-jurídico-midiático que levou Michel Temer à presidência da República, a ideologia do ‘Um só país para um só povo’ foi turbinada e começou a exalar pelas janelas do poder Executivo brasileiro”, afirma.

NÚMEROS PODEM SER PIORES

O Cimi criticou, no relatório, a dificuldade de conseguir os dados para quantificar as violências, o que impossibilitou uma análise mais aprofundada. A Sesai, por exemplo, não detalha as ocorrências, especialmente sobre quem são os agressores – indígenas ou não.

A organização também teve de solicitar os dados três vezes, com base na Lei de Acesso à Informação (12.527/2011). Após a terceira solicitação a Sesai alegou que os dados são preliminares. E que, quanto à cobertura, os óbitos foram estimados “em aproximadamente 64% do valor esperado”. O órgão destacou a baixa cobertura entre os menores de 

Anúncios

0 Responses to “EM RELATÓRIO, CIMI DESCREVE ‘ATAQUE RURALISTA’ GENERALIZADO CONTRA POVOS INDÍGENAS”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




USAR O CONTROLE REMOTO É UM ATO DEMOCRÁTICO!

EXPERIMENTE CONTRA A TV GLOBO! Você sabe que um canal de televisão não é uma empresa privada. É uma concessão pública concedida pelo governo federal com tempo determinado de uso. Como meio de comunicação, em uma democracia, tem como compromisso estimular a educação, as artes e o entretenimento como seu conteúdo. O que o torna socialmente um serviço público e eticamente uma disciplina cívica. Sendo assim, é um forte instrumento de realização continua da democracia. Mas nem todo canal de televisão tem esse sentido democrático da comunicação. A TV Globo (TVG), por exemplo. Ela, além de manter um monopólio midiático no Brasil, e abocanhar a maior fatia da publicidade oficial, conspira perigosamente contra a democracia, principalmente, tentando atingir maleficamente os governos populares. Notadamente em seu JN. Isso tudo, amparada por uma grade de programação que é um verdadeiro atentado as faculdades sensorial e cognitiva dos telespectadores. Para quem duvida, basta apenas observar a sua maldição dos três Fs dominical: Futebol, Faustão e Fantástico. Um escravagismo-televisivo- depressivo que só é tratado com o controle remoto transfigurador. Se você conhece essa proposição-comunicacional desdobre-a com outros. Porque mudanças só ocorrem como potência coletiva, como disse o filósofo Spinoza.

Quer linha de corte? Este é esquizo. Acesse:

CAMPANHA AFINADA CONTRA O

VIRTUALIZAÇÕES DESEJANTES DA AFIN

Este é um espaço virtual (virtus=potência) criado pela Associação Filosofia Itinerante, que atua desde 2001 na cidade de Manaus-Am, e, a partir da Inteligência Coletiva das pessoas e dos dizeres de filósofos como Epicuro, Lucrécio, Spinoza, Marx, Nietzsche, Bergson, Félix Guattari, Gilles Deleuze, Clément Rosset, Michael Hardt, Antônio Negri..., agencia trabalhos filosóficos-políticos- estéticos na tentativa de uma construção prática de cidadania e da realização da potência ativa dos corpos no mundo. Agora, com este blog, lança uma alternativa de encontro para discussões sociais, éticas, educacionais e outros temas que dizem respeito à comunidade de Manaus e outros espaços por onde passa em movimento intensivo o cometa errante da AFIN.

"Um filósofo: é um homem que experimenta, vê, ouve, suspeita, espera e sonha constantemente coisas extraordinárias; que é atingido pelos próprios pensamentos como se eles viessem de fora, de cima e de baixo, como por uma espécie de acontecimentos e de faíscas de que só ele pode ser alvo; que é talvez, ele próprio, uma trovoada prenhe de relâmpagos novos; um homem fatal, em torno do qual sempre ribomba e rola e rebenta e se passam coisas inquietantes” (Friedrich Nietzsche).

Daí que um filósofo não é necessariamente alguém que cursou uma faculdade de filosofia. Pode até ser. Mas um filósofo é alguém que em seus percursos carrega devires alegres que aumentam a potência democrática de agir.

_________________________________

BLOG PÚBLICO

Propaganda Gratuita

Você que quer comprar entre outros produtos terçado, prego, enxada, faca, sandália, correia, pé de cabra ou bola de caititu vá na CASA UYRAPURU, onde os preços são um chuchu. Rua Barão de São Domingos, nº30, Centro, Tel 3658-6169

Pão Quente e Outras Guloseimas no caminho do Tancredo.
PANIFICADORA SERPAN (Rua José Romão, 139 - Tancredo Neves - Fone: 92-8159-5830)

Fique Frio! Sabor e Refrescância!
DEGUST GULA (Avenida Bispo Pedro Massa, Cidade Nova, núcleo 5, na Rua ao lado do DB CIdade Nova.Todos os dias).

O Almoço em Família.
BAR DA NAZA OU CASA DA VAL (Comendador Clementino, próximo à Japurá, de Segunda a Sábado).

Num Passo de Mágica: transforme seu sapato velho em um lindo sapato novo!
SAPATEIRO CÂNDIDO (Calçada da Comendador Clementino, próximo ao Grupo Escolar Ribeiro da Cunha).

A Confluência das Torcidas!
CHURRASQUINHO DO LUÍS TUCUNARÉ (Japurá, entre a Silva Ramos e a Comendador Clementino).

Só o Peixe Sabe se é Novo e do Rio que Saiu. Confira esta voz na...
BARRACA DO LEGUELÉ (na Feira móvel da Prefeitura)

Preocupado com o desempenho, a memória e a inteligência? Tu és? Toma o guaraná que não é lenda. O natural de Maués!
LIGA PRA MADALENA!!! (0 XX 92 3542-1482)

Decepcionado com seus desenganos? Ponha fé nos seus planos! Fale com:
PAI GEOVANO DE OXAGUIÃ (Rua Belforroxo, S/N - Jorge Teixeira IV) (3682-5727 / 9154-5877).

Quem tem fé naõ é um qualquer! Consultas::
PAI JOEL DE OGUM (9155-3632 ou paijoeldeogum@yahoo.com.br).

Belém tá no teu plano? Então liga pro Germano!
GERMANO MAGHELA - TAXISTA - ÁGUIA RADIOTAXI - (91-8151-1464 ou 0800 280 1999).

E você que gostaria de divulgar aqui seu evento, comércio, terreiro, time de futebol, procurar namorado(a), receita de comida, telefone de contato, animal encontrado, convites diversos, marocagens, contacte: afinsophiaitin@yahoo.com.br

Outras Comunalidades

   

Categorias

Arquivos

Blog Stats

  • 4,048,727 hits

Páginas

outubro 2017
D S T Q Q S S
« set    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

%d blogueiros gostam disto: