“MARCO TEMPORAL É INJUSTIÇA DUPLICADA”, DIZ ANTROPÓLOGA

Lia Machado, presidenta da Associação Brasileira de Antropologia, debate futuras decisões do STF

Rafael Tatemoto

Brasil de Fato | Brasília (DF)

Rezadores e rezadoras guarani e kaiowá em frente ao STF, durante esta semana - Créditos: Tiago Miotto/Cimi
Rezadores e rezadoras guarani e kaiowá em frente ao STF, durante esta semana / Tiago Miotto/Cimi

O chamado marco temporal deve ser julgado nesta quarta-feira (16) pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Na prática, a Corte deve julgar três açõesque têm como pano de fundo decidir em que data o direito dos indígenas sobre territórios se iniciou.

Segundo esta leitura, os indígenas, que contra ela têm se mobilizado, só teriam direito a terras que ocupavam na data da promulgação da Constituição de 1988, cinco de outubro de 1988.

Para Lia Zanotta Machado, professora da Universidade de Brasília (UNB) e presidenta da Associação Brasileira de antropologia, o “marco temporal” representa  uma “injustiça duplicada”. 

Em entrevista ao Brasil de Fato, a antropóloga diz que a teoria despreza a própria atuação estatal antes de 1988, marcada pelo deslocamento e confinamento de indígenas. “Muitas vezes, as áreas que hoje eles estão exigindo a demarcação foram locais habitados por eles na virada do século 19 para o 20”, disse.

Confira a íntegra da entrevista abaixo:

Brasil de Fato – Qual sua posição em torno da teoria do marco temporal?

Lia Machado – Até juridicamente existem teses que dão espaço para que o marco temporal não seja definitivo. O debate em torno do marco temporal, no campo jurídico, admite uma exceção: a comprovação em laudo antropológico de que houve expulsão [dos indígenas em algum território].

Essa tese implica a análise de documentos, muitas vezes com historiadores. Mas há mais um elemento fundamental nesta questão: a memória da população indígena é oral. Então, ou se encontra algum documento que a população esteve lá, saiu e voltou, ou se tem elementos na memória oral resgatada pela pesquisa antropológica.

Para além do direito, como é possível analisar essa teoria do ponto de vista antropológico? 

Vamos direto ao assunto: do ponto de vista da Antropologia não há sentido no marco temporal. Nenhum. Por que? Porque é desconhecer a história das políticas estatais em relação aos indígenas. Essa política se deu por diferentes categorias e formas.

Pode resumir essa história?

Durante grande parte da Primeira República, as demarcações de terras indígenas se davam por legislações que marcavam nas constituições os direitos originários indígenas, mas que do ponto de vista da implementação da política estatal variou muito. Era o que é chamado de poder tutelar, que via os indígenas como relativamente incapazes e eram outorgadas terras da União para as terras. Ao pensar no termo “reservas”, é pensar que a outorga pelo Estado era, de um lado, positiva, mas, ao mesmo tempo, era uma terra controlada.

Em grande parte desse período as demarcações tinham a forma de aldeamento. Na verdade, é o cerceamento. É colocar a população indígenas não de acordo com seus usos e costumes, mas em áreas restritas.

Toda essa política estatal implica que os indígenas foram deslocados e realocados. Muitas vezes, as áreas que hoje eles estão exigindo a demarcação foram locais habitados por eles na virada do século 19 para o 20.

Isso é reconhecido pela literatura antropológica que trata das populações e indígenas e da relação destas com o Estado.

A Constituição, em relação aos direitos indígenas, tentou interromper esse processo?

Se nós pensarmos que nos anos da ditadura [militar] houve um grande deslocamento das populações indígenas, quando se pensou a Constituição em 1988, as forças progressistas conseguiram que as demarcações fossem de acordo com os modos da organização social e a necessidade de reprodução social e física dessas populações. Ou seja, quando se tentou fazer isso na Constituição, era em grande parte pensando naquilo que havia sido destituído pela ditadura. Para que aquilo que foi perdido fosse revertido.

É inadmissível pensar que o espírito dos constituintes fosse dizer “esse é um direito que começa no dia em que nós assinamos a Constituição”. Não era. Era um direito originário que não estava sendo obedecido pelo ente estatal.

Resumindo: o marco temporal seria uma injustiça.

É uma injustiça duplicada. Os índios estão permanentemente nestes locais ou em seu entorno. O que acontece é que eles estão lá, mas também há não-indígenas presentes. Há interesses agro-industriais enormes, por exemplo.

A pauta indígena vem se arrastando ao longo de governos, mas é possível dizer que o atual contexto político é pior nesse sentido?

Se você olhar nos últimos anos, há determinadas recomendações recentes da ONU para que a política da Funai fosse mais eficiente. Nada foi feito sobre isso, pelo contrário, desmantelou-se a Funai e colocou-se uma série de cargos para pessoas que são reconhecidamente contrárias aos direitos indígenas.

Há novas e contínuas portarias do Ministério da Justiça. Há a proposição no Legislativo, a PEC[215], propondo que o Congresso seja o responsável. A esfera federal, à medida que tem o objetivo de pensar a população brasileira em geral, o Estado consegue, apesar das várias dificuldades, consegue ser mais isento no sentido de não defender os direitos de fazendeiros, grileiros. Nesse espaço mais amplo, a questão dos direitos de cada um poderiam ser melhor acolhidos do que em esferas locais. Mas esses interesses locais pressionam mais os parlamentares [do que o Executivo], que fazem pressão em nome de fazendeiros para que não se reconheçam as terras e direitos indígenas. Passar isso par ao Congresso, é [indiretamente] passar para o âmbito do próprio conflito fundiário. Os interesses são fortíssimos.

Qual o poder de reivindicação dos indígenas face ao poder de reivindicação e lobby que têm fazendeiros? A demarcação de terras praticamente para. É isso que eles querem. Nesse espaço onde os interesses locais estão em conflito, se perde a garantia de direitos em amplitude nacional.

É um congresso mais conservador?

O que acontece é que temos na legislatura uma maioria extremamente conservadora que é contra direitos indígenas, ambientais e contra direitos da igualdade de gênero. Nós estamos em um retrocesso enorme.

0Não é só o atual governo que demorou a demarcar terras indígenas. Isso vem ocorrendo paulatinamente. Mas eu jamais tinha imaginado ver uma fala argumentativa da maioria da Câmara contra direitos ambientais, de igualdade de gênero e sexual.

Falando em Funai, recentemente houve uma Comissão Parlamentar de Inquérito que teve o órgão e o Incra como alvos. Alguns antropólogos foram acusados. Como antropóloga, como vê a acusação contra colegas? Certos parlamentares dizem que ocorriam fraudes.

O que está acontecendo? De um lado, há cortes para Ciência e Tecnologia no orçamento. Parece que essas áreas não interessam ao Brasil. É um absurdo.

De outro lado, houve a criminalização de 23 antropólogos, dois deles mortos. Por que fizeram isso? Chamam de fraude algo que nada tem a ver com isso. O método antropológico implica conhecimento profundo da população indígenas. Há pesquisas que duram dois anos, deve haver integração. É um conhecimento que exige diálogo.

É a perseguição à própria ideia de ciência?

O que eles disseram? Que havia antropólogos em determinadas áreas antes do edital, que eles conheciam a população. Ora, esse é um dos critérios do edital. É feito assim. Nós temos que pegar o antropólogo que já conhece a comunidade ou outra comunidade do mesmo grupo. É um elemento fundamental. 

A etnografia faz parte de uma metodologia que sequer nasceu no século 21. Nasceu no século 18. É a única forma e conhecer as populações indígenas. Eles não reconhecem o método antropológico. É absurdo. Estão criminalizando um método científico. Não há nenhuma acusação de falsidade que tenha sentido. Não há argumentação.

 Edição: Simone Freire

Anúncios

0 Responses to ““MARCO TEMPORAL É INJUSTIÇA DUPLICADA”, DIZ ANTROPÓLOGA”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




USAR O CONTROLE REMOTO É UM ATO DEMOCRÁTICO!

EXPERIMENTE CONTRA A TV GLOBO! Você sabe que um canal de televisão não é uma empresa privada. É uma concessão pública concedida pelo governo federal com tempo determinado de uso. Como meio de comunicação, em uma democracia, tem como compromisso estimular a educação, as artes e o entretenimento como seu conteúdo. O que o torna socialmente um serviço público e eticamente uma disciplina cívica. Sendo assim, é um forte instrumento de realização continua da democracia. Mas nem todo canal de televisão tem esse sentido democrático da comunicação. A TV Globo (TVG), por exemplo. Ela, além de manter um monopólio midiático no Brasil, e abocanhar a maior fatia da publicidade oficial, conspira perigosamente contra a democracia, principalmente, tentando atingir maleficamente os governos populares. Notadamente em seu JN. Isso tudo, amparada por uma grade de programação que é um verdadeiro atentado as faculdades sensorial e cognitiva dos telespectadores. Para quem duvida, basta apenas observar a sua maldição dos três Fs dominical: Futebol, Faustão e Fantástico. Um escravagismo-televisivo- depressivo que só é tratado com o controle remoto transfigurador. Se você conhece essa proposição-comunicacional desdobre-a com outros. Porque mudanças só ocorrem como potência coletiva, como disse o filósofo Spinoza.

Quer linha de corte? Este é esquizo. Acesse:

CAMPANHA AFINADA CONTRA O

VIRTUALIZAÇÕES DESEJANTES DA AFIN

Este é um espaço virtual (virtus=potência) criado pela Associação Filosofia Itinerante, que atua desde 2001 na cidade de Manaus-Am, e, a partir da Inteligência Coletiva das pessoas e dos dizeres de filósofos como Epicuro, Lucrécio, Spinoza, Marx, Nietzsche, Bergson, Félix Guattari, Gilles Deleuze, Clément Rosset, Michael Hardt, Antônio Negri..., agencia trabalhos filosóficos-políticos- estéticos na tentativa de uma construção prática de cidadania e da realização da potência ativa dos corpos no mundo. Agora, com este blog, lança uma alternativa de encontro para discussões sociais, éticas, educacionais e outros temas que dizem respeito à comunidade de Manaus e outros espaços por onde passa em movimento intensivo o cometa errante da AFIN.

"Um filósofo: é um homem que experimenta, vê, ouve, suspeita, espera e sonha constantemente coisas extraordinárias; que é atingido pelos próprios pensamentos como se eles viessem de fora, de cima e de baixo, como por uma espécie de acontecimentos e de faíscas de que só ele pode ser alvo; que é talvez, ele próprio, uma trovoada prenhe de relâmpagos novos; um homem fatal, em torno do qual sempre ribomba e rola e rebenta e se passam coisas inquietantes” (Friedrich Nietzsche).

Daí que um filósofo não é necessariamente alguém que cursou uma faculdade de filosofia. Pode até ser. Mas um filósofo é alguém que em seus percursos carrega devires alegres que aumentam a potência democrática de agir.

_________________________________

BLOG PÚBLICO

Propaganda Gratuita

Você que quer comprar entre outros produtos terçado, prego, enxada, faca, sandália, correia, pé de cabra ou bola de caititu vá na CASA UYRAPURU, onde os preços são um chuchu. Rua Barão de São Domingos, nº30, Centro, Tel 3658-6169

Pão Quente e Outras Guloseimas no caminho do Tancredo.
PANIFICADORA SERPAN (Rua José Romão, 139 - Tancredo Neves - Fone: 92-8159-5830)

Fique Frio! Sabor e Refrescância!
DEGUST GULA (Avenida Bispo Pedro Massa, Cidade Nova, núcleo 5, na Rua ao lado do DB CIdade Nova.Todos os dias).

O Almoço em Família.
BAR DA NAZA OU CASA DA VAL (Comendador Clementino, próximo à Japurá, de Segunda a Sábado).

Num Passo de Mágica: transforme seu sapato velho em um lindo sapato novo!
SAPATEIRO CÂNDIDO (Calçada da Comendador Clementino, próximo ao Grupo Escolar Ribeiro da Cunha).

A Confluência das Torcidas!
CHURRASQUINHO DO LUÍS TUCUNARÉ (Japurá, entre a Silva Ramos e a Comendador Clementino).

Só o Peixe Sabe se é Novo e do Rio que Saiu. Confira esta voz na...
BARRACA DO LEGUELÉ (na Feira móvel da Prefeitura)

Preocupado com o desempenho, a memória e a inteligência? Tu és? Toma o guaraná que não é lenda. O natural de Maués!
LIGA PRA MADALENA!!! (0 XX 92 3542-1482)

Decepcionado com seus desenganos? Ponha fé nos seus planos! Fale com:
PAI GEOVANO DE OXAGUIÃ (Rua Belforroxo, S/N - Jorge Teixeira IV) (3682-5727 / 9154-5877).

Quem tem fé naõ é um qualquer! Consultas::
PAI JOEL DE OGUM (9155-3632 ou paijoeldeogum@yahoo.com.br).

Belém tá no teu plano? Então liga pro Germano!
GERMANO MAGHELA - TAXISTA - ÁGUIA RADIOTAXI - (91-8151-1464 ou 0800 280 1999).

E você que gostaria de divulgar aqui seu evento, comércio, terreiro, time de futebol, procurar namorado(a), receita de comida, telefone de contato, animal encontrado, convites diversos, marocagens, contacte: afinsophiaitin@yahoo.com.br

Outras Comunalidades

   

Categorias

Arquivos

Blog Stats

  • 4,051,746 hits

Páginas


%d blogueiros gostam disto: