IVONE GEBARA: “O POVO NÃO ESTÁ APÁTICO. ESTÁ NA LUTA CONTÍNUA PELA SUA SOBREVIVÊNCIA”

Teóloga feminista rejeita ideia de que o povo está insensível diante dos retrocessos recentes

Rute Pina

Brasil de Fato | São Paulo (SP)

Ivone Gebara comemora a diversidade dentro dos movimentos de mulheres - Créditos: Paulo Maia
Ivone Gebara comemora a diversidade dentro dos movimentos de mulheres / Paulo Maia

Freira, filósofa e feminista, Ivone Gebara rejeita a tese de que o povo brasileiro está apático e insensível diante dos retrocessos dos direitos sociais que estão ocorrendo no Brasil.

Em entrevista ao Brasil de Fato, ela afirma que vê o período como um “respiro” para se repensar a democracia no país:

“O povo está em uma luta contínua pela sua sobrevivência. E os momentos de manifestação de rua são especiais, mas quando eles não acontecem, isso não significa que o povo não está consciente do que ele precisa.”

Ela refuta também a ideia de que não existe formação política de base no país. Para ela, a formação popular ganhou novos contornos, e a esquerda necessita captar esta diversidade. Ela cita, por exemplo, grupos de teatro populares e o rap. “Os meios de consciência política não são só os partidos.”

Importante nome do feminismo e defensora de uma teologia libertária, Gebara comemora a diversidade dentro dos movimentos de mulheres.

Doutora em Filosofia pela PUC-SP e em Ciências Religiosas pela Universidade Católica de Lovaine, na Bélgica, ela já escreveu mais de 30 livros, entre eles o “Teologia ecofeminista: ensaio para repensar o conhecimento e a religião”, publicado em 1997.

Confira na íntegra a entrevista:

Brasil de Fato: Durante a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer no Congresso Nacional, não vimos manifestações massivas. Ainda assim, você disse que não acredita na apatia do povo. Por que?

Ivone Gebara: Eu acho que apatia é talvez uma palavra que as pessoas do governo e da situação adoram usar pelo sentido que um povo apático é um povo que está aprovando a ação deles ou que não vai se manifestar de outra forma. Mas eu acho que não. Não estamos apáticos, mas no momento de buscar uma nova saída.

Nós estamos em uma luta contínua. O povo está em uma luta contínua pela sua sobrevivência. E os momentos de manifestação de rua são especiais, mas quando eles não acontecem, isso não significa que o povo não está consciente do que ele precisa. São momentos de respiro.

A gente tem que respirar para ver qual é o caminho. Qual é a democracia que defendemos? A democracia participava, a democracia branca ou uma democracia política sem a democracia econômica? Quais são as cores e os valores desta democracia?

Eu levanto a questão até mesmo se a palavra democracia é a que vamos usar daqui para frente. Talvez tenhamos que encontrar uma outra palavra que expresse aquilo que nós estamos querendo neste momento. Não saber não é defeito nem doença: é uma condição para que a gente possa saber coisas novas e diferentes.

Você teve ligação com a Teologia da Libertação, movimento marcado pelo trabalho de formação políticas por meio das comunidades eclesiais de base. Como você avalia o trabalho de base hoje?

O trabalho de base não é uma coisa separada do estado geral da política, da economia, da cultura. Eu acho que nos anos 1970 e 1980, com a ditadura militar, a gente sabia o que era o trabalho de base porque a gente tinha alguns objetivos a atingir. E agora a gente sente o mal-estar, mas a gente ainda não conseguiu detectar por onde vamos caminhar para superar esse mal-estar, a fome, a falta de moradia… Não sabemos mais.

O que sabemos é que só os meios legais não são suficientes. Há leis, por exemplo, que dizem que não pode ter preconceito racial, lei para dizer que todo mundo tem que ter moradia, para que todo mundo tenho direito à saúde, mas elas não funcionam. A questão não é reivindicar essas leis, mas repensar concretamente os meios para obter aquilo que é fundamental para a vida das pessoas. E, talvez, tenhamos que formar “a Igreja Tal”, “o Partido tal”, mas grupos pequenos.

Eu tenho ficado encantada com os grupos de teatro popular. Eu já colaborei com dois grupos na zona leste [de São Paulo] e estes grupos estão levando uma consciência política para estes participantes porque eles estudam — eu tenho ajudado, inclusive, no nível da reflexão — teatro, música…

Eu acho que tem uma mensagem que vem do rap que é interessantíssima. Ou seja, os meios de consciência política não são mais só os partidos. Tem os grupos de mulheres… Vi um grupo de jovens que dizia: “Somos feministas mas não como as velhas feministas”. E eu digo: “Maravilha! É assim que tem que ser”. Temos que tentar captar a diversidade da formação popular hoje.

Essa diversidade a gente deveria se articular. A gente deveria ter uma articulação maior com grupos de teatro, de intelectuais, de professores que pensam a história, a filosofia, política, grupo de médicos… A nova forma não tem que se estanque. A ideia de classe social tem que ser revista, temos que falar não apenas de classe, mas de grupos que são solidários a uma causa comum.

Tem muita coisa em ebulição e em transformação.

Você tem uma trajetória como teóloga e feminista. Como enxerga esse movimento atual das jovens, que até foi cunhado de “primavera feminista”?

Eu não gosto muito do termo “primavera feminista”. Por que a gente tem que se apropriar de coisas que são de outras pessoas? Eu acho que o movimento feminista está marcado pela diversidade, e isso é uma coisa maravilhosa.

É uma ilusão a gente imaginar que o feminismo começa com as mulheres brancas. O nome feminismo, talvez; mas as atitudes feministas não começaram com as mulheres brancas. Eu acho que começaram com as mulheres negras. Lembro das negras dos EUA, especialmente, mas as negras aqui no Brasil, e a literatura de tantas mulheres negras que agora estão de manifestando. Isso é feminismo. Só que não há mais, digamos, uma ordem estabelecida feminista, uma regra. Há muitas bandeiras e eu não sou obrigada a abraçar todas, mas a respeitar as bandeiras e o diálogo entre elas. E acho que é essa a situação que estamos vivendo hoje.

Os movimentos populares defendem as eleições diretas como um pontapé para um resgate do processo democrático. Qual sua avaliação do cenário para 2018?

Claro que eu sou pelas eleições diretas. Não tenho a menor dúvida. Mas agora eu vivo um problema: com todo o carinho que tenho pelo [ex-presidente] Lula, eu tenho algumas perguntas. Será que não estamos conseguindo abrir para outras lideranças, e da mesma linha política e ética? Me parece, na realidade, que não. Isso me preocupa e é uma questão que a gente vai ter resolver e discutir. Mas, sem a menor dúvida, “Diretas, já!”.

Edição: Camila Rodrigues da Silva 

Anúncios

0 Responses to “IVONE GEBARA: “O POVO NÃO ESTÁ APÁTICO. ESTÁ NA LUTA CONTÍNUA PELA SUA SOBREVIVÊNCIA””



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




USAR O CONTROLE REMOTO É UM ATO DEMOCRÁTICO!

EXPERIMENTE CONTRA A TV GLOBO! Você sabe que um canal de televisão não é uma empresa privada. É uma concessão pública concedida pelo governo federal com tempo determinado de uso. Como meio de comunicação, em uma democracia, tem como compromisso estimular a educação, as artes e o entretenimento como seu conteúdo. O que o torna socialmente um serviço público e eticamente uma disciplina cívica. Sendo assim, é um forte instrumento de realização continua da democracia. Mas nem todo canal de televisão tem esse sentido democrático da comunicação. A TV Globo (TVG), por exemplo. Ela, além de manter um monopólio midiático no Brasil, e abocanhar a maior fatia da publicidade oficial, conspira perigosamente contra a democracia, principalmente, tentando atingir maleficamente os governos populares. Notadamente em seu JN. Isso tudo, amparada por uma grade de programação que é um verdadeiro atentado as faculdades sensorial e cognitiva dos telespectadores. Para quem duvida, basta apenas observar a sua maldição dos três Fs dominical: Futebol, Faustão e Fantástico. Um escravagismo-televisivo- depressivo que só é tratado com o controle remoto transfigurador. Se você conhece essa proposição-comunicacional desdobre-a com outros. Porque mudanças só ocorrem como potência coletiva, como disse o filósofo Spinoza.

Quer linha de corte? Este é esquizo. Acesse:

CAMPANHA AFINADA CONTRA O

VIRTUALIZAÇÕES DESEJANTES DA AFIN

Este é um espaço virtual (virtus=potência) criado pela Associação Filosofia Itinerante, que atua desde 2001 na cidade de Manaus-Am, e, a partir da Inteligência Coletiva das pessoas e dos dizeres de filósofos como Epicuro, Lucrécio, Spinoza, Marx, Nietzsche, Bergson, Félix Guattari, Gilles Deleuze, Clément Rosset, Michael Hardt, Antônio Negri..., agencia trabalhos filosóficos-políticos- estéticos na tentativa de uma construção prática de cidadania e da realização da potência ativa dos corpos no mundo. Agora, com este blog, lança uma alternativa de encontro para discussões sociais, éticas, educacionais e outros temas que dizem respeito à comunidade de Manaus e outros espaços por onde passa em movimento intensivo o cometa errante da AFIN.

"Um filósofo: é um homem que experimenta, vê, ouve, suspeita, espera e sonha constantemente coisas extraordinárias; que é atingido pelos próprios pensamentos como se eles viessem de fora, de cima e de baixo, como por uma espécie de acontecimentos e de faíscas de que só ele pode ser alvo; que é talvez, ele próprio, uma trovoada prenhe de relâmpagos novos; um homem fatal, em torno do qual sempre ribomba e rola e rebenta e se passam coisas inquietantes” (Friedrich Nietzsche).

Daí que um filósofo não é necessariamente alguém que cursou uma faculdade de filosofia. Pode até ser. Mas um filósofo é alguém que em seus percursos carrega devires alegres que aumentam a potência democrática de agir.

_________________________________

BLOG PÚBLICO

Propaganda Gratuita

Você que quer comprar entre outros produtos terçado, prego, enxada, faca, sandália, correia, pé de cabra ou bola de caititu vá na CASA UYRAPURU, onde os preços são um chuchu. Rua Barão de São Domingos, nº30, Centro, Tel 3658-6169

Pão Quente e Outras Guloseimas no caminho do Tancredo.
PANIFICADORA SERPAN (Rua José Romão, 139 - Tancredo Neves - Fone: 92-8159-5830)

Fique Frio! Sabor e Refrescância!
DEGUST GULA (Avenida Bispo Pedro Massa, Cidade Nova, núcleo 5, na Rua ao lado do DB CIdade Nova.Todos os dias).

O Almoço em Família.
BAR DA NAZA OU CASA DA VAL (Comendador Clementino, próximo à Japurá, de Segunda a Sábado).

Num Passo de Mágica: transforme seu sapato velho em um lindo sapato novo!
SAPATEIRO CÂNDIDO (Calçada da Comendador Clementino, próximo ao Grupo Escolar Ribeiro da Cunha).

A Confluência das Torcidas!
CHURRASQUINHO DO LUÍS TUCUNARÉ (Japurá, entre a Silva Ramos e a Comendador Clementino).

Só o Peixe Sabe se é Novo e do Rio que Saiu. Confira esta voz na...
BARRACA DO LEGUELÉ (na Feira móvel da Prefeitura)

Preocupado com o desempenho, a memória e a inteligência? Tu és? Toma o guaraná que não é lenda. O natural de Maués!
LIGA PRA MADALENA!!! (0 XX 92 3542-1482)

Decepcionado com seus desenganos? Ponha fé nos seus planos! Fale com:
PAI GEOVANO DE OXAGUIÃ (Rua Belforroxo, S/N - Jorge Teixeira IV) (3682-5727 / 9154-5877).

Quem tem fé naõ é um qualquer! Consultas::
PAI JOEL DE OGUM (9155-3632 ou paijoeldeogum@yahoo.com.br).

Belém tá no teu plano? Então liga pro Germano!
GERMANO MAGHELA - TAXISTA - ÁGUIA RADIOTAXI - (91-8151-1464 ou 0800 280 1999).

E você que gostaria de divulgar aqui seu evento, comércio, terreiro, time de futebol, procurar namorado(a), receita de comida, telefone de contato, animal encontrado, convites diversos, marocagens, contacte: afinsophiaitin@yahoo.com.br

Outras Comunalidades

   

Categorias

Arquivos

Blog Stats

  • 4,069,549 hits

Páginas


%d blogueiros gostam disto: