“SOMENTE QUANDO LULA ASSUMIU A PREVIDÊNCIA É QUE A POPULAÇÃO NEGRA TEVE SUAS DEMANDAS HISTÓRICAS RESPEITADAS”, OBSERVOU A EX-MINISTRA DA IGUALDADE RACIAL NILMA LINO GOMES

Do site Lula.com.br

Há 14 anos, em março de 2003, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva instalava a Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR), uma das mais importantes políticas de ações afirmativas voltadas para a população negra realizada no Brasil nos últimos 14 anos.

Para marcar a data, conversamos com Nilma Lino Gomes, ex-ministra da Secretaria de Políticas da Igualdade Racial no governo de Dilma Rousseff, que falou sobre a importância da SEPPIR para a garantia de direitos da população negra, listou os principais avanços nos últimos 14 anos e comentou sobre como os retrocesso nas políticas sociais atingirá de forma contundente negras e negros.

Confira a entrevista:

-Qual a importância de uma pasta como a Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial e como ela beneficia a população negra?

Há anos o Movimento Negro brasileiro, o Movimento de Mulheres Negras e o Movimento Quilombola atuam como protagonistas políticos da denúncia ao racismo, no Brasil. No entanto, durante muito tempo essa denúncia não foi levada a sério pelo poder público e suas lideranças. Somente quando o Luiz Inácio Lula da Silva assumiu a presidência do Brasil é que a população negra teve várias de suas demandas históricas respeitadas. Uma delas foi a criação de um ministério com o objetivo de realizar políticas de promoção da igualdade racial, a SEPPIR.

A importância da SEPPIR é simbólica, política, social, econômica, jurídica e cultural. Por meio dela, a pauta da igualdade racial, com todos os desafios e limites vividos, se tornou política de Estado. A criação da SEPPIR desencadeou a implementação de uma série de estruturas administrativas semelhantes nos estados, municípios e DF. Isso fortaleceu o Movimento Negro, de Mulheres Negras e Quilombola e contribuiu no processo de desvelamento do mito da democracia racial.

Além disso, a SEPPIR significou o cumprimento do compromisso internacional do Brasil durante a IIIa Conferência de Durban, em 2001, realizada pela ONU. Neste evento internacional, após apresentar dados internos sobre a desigualdade racial, o Estado brasileiro se comprometeu com o combate ao racismo e com a construção de políticas de ações afirmativas.

A criação da SEPPIR é, portanto, uma das mais importantes políticas de ações afirmativas voltada para a população negra realizada por um governo progressista e por um Estado democrático nesses últimos 14 anos. Um governo e um Estado que compreenderam o seu papel na superação do racismo e na construção da igualdade racial, um dos eixos importantes para a garantia da democracia e da justiça social.

Por meio da SEPPIR, uma série de ações, projetos e políticas voltadas para a igualdade racial, de forma específica ou transversal, passou a existir em nosso país. Sem dúvida, isso não só beneficiou a população negra como, também, fez avançar o processo de efetivação do direito à diversidade e o reconhecimento público e político da importância das negras e dos negros na construção do nosso país.

Nilma Lino Gomes: “Qualquer retrocesso nas políticas sociais atingirá de forma contundente as cidadãs e cidadãos negras e negros”. Foto: Laycer Tomáz/Câmara dos Deputados

 

-Quais foram os principais avanços em relação à igualdade racial no país durante os últimos 14 anos?

Um dos principais avanços foi o reconhecimento público das negras e dos negros como sujeitos de direitos. Como sujeitos políticos e de políticas. O racismo tem como objetivo subalternizar, inferiorizar as negras e os negros. É um fenômeno perverso que tentar roubar a nossa humanidade. Por isso, quando a igualdade racial almejada pelo Movimento Negro, de Mulheres Negras e Quilombola se tornou uma das preocupações políticas do governo federal, em reconhecimento à luta por direitos e ao protagonismo da população negra, o Brasil avançou.

Mas há também avanços institucionais. Posso citar alguns que foram protagonizados pelo Executivo nos últimos 14 anos ou por ele foram induzidos e apoiados na esfera do Legislativo e Judiciário. São eles: A própria criação da Seppir em 2003; a introdução do artigo 26 A na LDB pelas Leis 10.639/03 e 11.645/08 tornando obrigatório o ensino de história e cultura afro-brasileira, africana e indígena nas escolas da educação básica, a criação da SECADI, no Ministério da Educação; o Estatuto da Igualdade Racial – Lei 12.288/10; a criação da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB) (Lei 12.289/10); a Lei de cotas nas IFES – (Lei 12.711/12); a constitucionalidade das cotas raciais pelo STF,em 2012; a Lei de cotas raciais nos concursos públicos – Lei 12.990/14; a Política Nacional Para a saúde da população negra; a criação do Conselho Nacional de Política de Promoção da Igualdade Racial (CNPIR), a construção do Sistema Nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SINAPIR); o Programa Brasil Quilombola; a Criação da Reunião de Autoridades sobre os Direitos dos Afrodescendentes, no âmbito do Mercosul, em 2015, a cooperção com os países africanos de língua portuguesa na área da educação, gênero e justiça; a criação da Ouvidoria Nacional de Igualdade Racial, a criação do Disque 100 Racismo, introduzindo dois novos módulos no disque 100 que recebem denúncias sobre crimes contra a juventude negra, mulheres negras, povos e comunidades tradicionais e quilombolas; a construção da Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais – PNPCT.

-Para você, a política de cotas está mudando o cenário das universidades no país? Qual a importância das cotas?

A política de cotas provou ser um instrumento eficaz para a redução das desigualdades raciais existentes no ensino superior e na sociedade. Essa medida permitiu às jovens e aos jovens negros o direito ao ingresso no ensino superior. Jovens que, diante do quadro secular de desigualdade social, racial e de gênero ainda não tinham essa oportunidade e não gozavam desse direito.

Só em 2015, já tínhamos uma oferta de aproximadamente 150 mil vagas para negros e negras nas universidades. Além das vagas garantidas pelas cotas, os estudantes negros também tiveram acesso a outros instrumentos oferecidos pelo Governo Federal, tais como, o Fies e o Prouni, que auxiliam no ingresso e na permanência em instituições privadas de ensino superior.

As cotas representam uma das modalidades mais radicais das Políticas de Ações Afirmativas e foram aprovadas como constitucionais, por unanimidade pelo STF, em 2012. E os seus efeitos positivos se fazem sentir nas pesquisas sobre desempenho dos estudantes cotistas. Um desempenho igual ou melhor do que os não cotistas. Portanto, as cotas são um direito e uma realidade. E temos que lutar pela sua continuidade. Além disso, como já foi dito, a implementação das ações afirmativas e das cotas cumpre o compromisso internacional de superação do racismo e da desigualdade racial assumido pelo Brasil durante a conferência de Durban, em 2001.

As cotas trazem maior diversidade para as universidades e instituições onde são implementadas. Atualmente, todas as instituições federais de ensino adotam a política de cotas. Mas há desafios à frente como, por exemplo, a justa permanência dos estudantes cotistas na universidade, a mudança do currículo da graduação e pós que reconheça os saberes desses novos coletivos sociais que acessam o direito ao ensino superior e a implementação das cotas na pós-graduação.

-Sobre os retrocessos que o país está vivendo, você acredita que a população negra é a que mais sofre com a política de cortes de direitos? Por quê?

Não existe lugar para a diversidade em um governo golpista. Estamos diante de retrocessos e cortes de direitos provocados por um golpe parlamentar, jurídico, midiático, fundamentalista, de classe, gênero, raça e com uma orientação heteronormativa. Apesar dos avanços, negras e negros ainda se encontram em patamares de profunda desigualdade socioeconômica no Brasil. Ainda há muito por fazer. Sobre a população negra recai historicamente a articulação perversa da desigualdade de classe, raça, gênero e região. Portanto, qualquer perda de direitos conquistados, qualquer retrocesso nas políticas sociais atingirá de forma contundente as cidadãs e cidadãos negras e negros.

A extinção da SEPPIR, a perda de status e de orçamento da pauta da igualdade racial e de gênero no atual governo é um retrocesso tremendo. Tudo aquilo que alcançamos ao longo desses 14 anos está sendo invisibilizado e silenciado em poucos meses de governo ilegítimo. Além disso, as propostas de Reforma da Previdência, Trabalhista, a Emenda Constitucional 96/2016 (antiga PEC 241/55), os retrocessos na pauta da saúde com a tentativa de desmantelamento do SUS, o retrocesso da pauta da igualdade de gênero, o projeto de Terceirização, o projeto da Escola Sem Partido e a abertura de espaço político e econômico para os ruralistas trarão retrocessos inimagináveis para o país e atingirão profundamente a população negra e pobre.

Estamos também em tempo de exacerbação da cultura do ódio alimentada, entre outras coisas, pela pauta retrógrada e antidemocrática do atual governo federal. E o ódio alimenta o racismo. Por isso, vivemos tempos sombrios. Tenho enfatizado que estamos diante de um ataque não só as políticas e aos direitos sociais arduamente conquistados ao longo dos séculos. O ataque é contra os sujeitos dessas políticas. E as negras e negros são sujeitos centrais não só da luta por direitos no Brasil mas, também, das políticas de direitos que temos construído em todo a nossa trajetória pela consolidação da democracia, da igualdade racial, da equidade e da justiça social. Ainda há muito por fazer. Mas é inegável os avanços que foram construídos no Brasil, nos últimos 14 anos.

*Nilma Lino Gomes é professora da graduação e pós-graduação da Faculdade de Educação da UFMG. Foi ministra da Secretaria de Políticas da Igualdade Racial e do Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial, da Juventude e dos Direitos Humanos no governo de Dilma Rousseff.

Para saber mais sobre as políticas afirmativas dos governos de Lula e Dilma Rousseff, acesse o site do Brasil da Mudança.  

Anúncios

0 Responses to ““SOMENTE QUANDO LULA ASSUMIU A PREVIDÊNCIA É QUE A POPULAÇÃO NEGRA TEVE SUAS DEMANDAS HISTÓRICAS RESPEITADAS”, OBSERVOU A EX-MINISTRA DA IGUALDADE RACIAL NILMA LINO GOMES”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




USAR O CONTROLE REMOTO É UM ATO DEMOCRÁTICO!

EXPERIMENTE CONTRA A TV GLOBO! Você sabe que um canal de televisão não é uma empresa privada. É uma concessão pública concedida pelo governo federal com tempo determinado de uso. Como meio de comunicação, em uma democracia, tem como compromisso estimular a educação, as artes e o entretenimento como seu conteúdo. O que o torna socialmente um serviço público e eticamente uma disciplina cívica. Sendo assim, é um forte instrumento de realização continua da democracia. Mas nem todo canal de televisão tem esse sentido democrático da comunicação. A TV Globo (TVG), por exemplo. Ela, além de manter um monopólio midiático no Brasil, e abocanhar a maior fatia da publicidade oficial, conspira perigosamente contra a democracia, principalmente, tentando atingir maleficamente os governos populares. Notadamente em seu JN. Isso tudo, amparada por uma grade de programação que é um verdadeiro atentado as faculdades sensorial e cognitiva dos telespectadores. Para quem duvida, basta apenas observar a sua maldição dos três Fs dominical: Futebol, Faustão e Fantástico. Um escravagismo-televisivo- depressivo que só é tratado com o controle remoto transfigurador. Se você conhece essa proposição-comunicacional desdobre-a com outros. Porque mudanças só ocorrem como potência coletiva, como disse o filósofo Spinoza.

Quer linha de corte? Este é esquizo. Acesse:

CAMPANHA AFINADA CONTRA O

VIRTUALIZAÇÕES DESEJANTES DA AFIN

Este é um espaço virtual (virtus=potência) criado pela Associação Filosofia Itinerante, que atua desde 2001 na cidade de Manaus-Am, e, a partir da Inteligência Coletiva das pessoas e dos dizeres de filósofos como Epicuro, Lucrécio, Spinoza, Marx, Nietzsche, Bergson, Félix Guattari, Gilles Deleuze, Clément Rosset, Michael Hardt, Antônio Negri..., agencia trabalhos filosóficos-políticos- estéticos na tentativa de uma construção prática de cidadania e da realização da potência ativa dos corpos no mundo. Agora, com este blog, lança uma alternativa de encontro para discussões sociais, éticas, educacionais e outros temas que dizem respeito à comunidade de Manaus e outros espaços por onde passa em movimento intensivo o cometa errante da AFIN.

"Um filósofo: é um homem que experimenta, vê, ouve, suspeita, espera e sonha constantemente coisas extraordinárias; que é atingido pelos próprios pensamentos como se eles viessem de fora, de cima e de baixo, como por uma espécie de acontecimentos e de faíscas de que só ele pode ser alvo; que é talvez, ele próprio, uma trovoada prenhe de relâmpagos novos; um homem fatal, em torno do qual sempre ribomba e rola e rebenta e se passam coisas inquietantes” (Friedrich Nietzsche).

Daí que um filósofo não é necessariamente alguém que cursou uma faculdade de filosofia. Pode até ser. Mas um filósofo é alguém que em seus percursos carrega devires alegres que aumentam a potência democrática de agir.

_________________________________

BLOG PÚBLICO

Propaganda Gratuita

Você que quer comprar entre outros produtos terçado, prego, enxada, faca, sandália, correia, pé de cabra ou bola de caititu vá na CASA UYRAPURU, onde os preços são um chuchu. Rua Barão de São Domingos, nº30, Centro, Tel 3658-6169

Pão Quente e Outras Guloseimas no caminho do Tancredo.
PANIFICADORA SERPAN (Rua José Romão, 139 - Tancredo Neves - Fone: 92-8159-5830)

Fique Frio! Sabor e Refrescância!
DEGUST GULA (Avenida Bispo Pedro Massa, Cidade Nova, núcleo 5, na Rua ao lado do DB CIdade Nova.Todos os dias).

O Almoço em Família.
BAR DA NAZA OU CASA DA VAL (Comendador Clementino, próximo à Japurá, de Segunda a Sábado).

Num Passo de Mágica: transforme seu sapato velho em um lindo sapato novo!
SAPATEIRO CÂNDIDO (Calçada da Comendador Clementino, próximo ao Grupo Escolar Ribeiro da Cunha).

A Confluência das Torcidas!
CHURRASQUINHO DO LUÍS TUCUNARÉ (Japurá, entre a Silva Ramos e a Comendador Clementino).

Só o Peixe Sabe se é Novo e do Rio que Saiu. Confira esta voz na...
BARRACA DO LEGUELÉ (na Feira móvel da Prefeitura)

Preocupado com o desempenho, a memória e a inteligência? Tu és? Toma o guaraná que não é lenda. O natural de Maués!
LIGA PRA MADALENA!!! (0 XX 92 3542-1482)

Decepcionado com seus desenganos? Ponha fé nos seus planos! Fale com:
PAI GEOVANO DE OXAGUIÃ (Rua Belforroxo, S/N - Jorge Teixeira IV) (3682-5727 / 9154-5877).

Quem tem fé naõ é um qualquer! Consultas::
PAI JOEL DE OGUM (9155-3632 ou paijoeldeogum@yahoo.com.br).

Belém tá no teu plano? Então liga pro Germano!
GERMANO MAGHELA - TAXISTA - ÁGUIA RADIOTAXI - (91-8151-1464 ou 0800 280 1999).

E você que gostaria de divulgar aqui seu evento, comércio, terreiro, time de futebol, procurar namorado(a), receita de comida, telefone de contato, animal encontrado, convites diversos, marocagens, contacte: afinsophiaitin@yahoo.com.br

Outras Comunalidades

   

Categorias

Arquivos

Blog Stats

  • 4,013,583 hits

Páginas


%d blogueiros gostam disto: