Arquivo de março \31\UTC 2017

“EU TENHO MUITO RESPEITO POR TODOS OS GAYS, LÉSBICAS, BISSEXUAIS, TRAVESTIS E TRANSSEXUAIS DO BRASIL”, AFIRMOU LULA

Do site Lula.com.br

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva enviou uma mensagem para o 4º Encontro Estadual de Trabalhadores e Trabalhadoras LGBT, que está sendo realizado pela Secretaria de Políticas Sociais da CUT-SP, na Praia Grande (SP). 

No vídeo, Lula lembrou das políticas de valorização da população LGBT realizadas por ele e pela ex-presidenta Dilma Rousseff, como a criação do programa “Brasil sem Homofobia”; o fortalecimento do Conselho Nacional de Combate à Discriminação e Promoção dos Direitos LGBT; a sanção da Lei Maria da Penha, que passou a prever também a união homoafetiva feminina; a Criação do módulo LGBT no Disque 100 e da Coordenação Geral de Promoção dos Direitos de LGBT; a elaboração do 1º Relatório sobre Violência Homofóbica no Brasil, além de Conferências Nacionais de Políticas Públicas e Direitos Humanos LGBT.

Para o ex-presidente, é importante a população estar organizada para defender os direitos trabalhistas, os avanços nos direitos LGBT e lutar contra o preconceito e a discriminação. “Vivemos hoje momentos duros na luta por direitos e às vezes parece que todas as nossas conquistas estão ameaçadas. Por isso mesmo‚ é muito reconfortante para mim ver vocês organizados e dispostos a defender os direitos trabalhistas que custaram a luta de gerações de brasileiros antes de nós”, diz. 

Lula acredita que o combate contra o preconceito e a homofobia é uma luta diária e defende que a sociedade precisa estar unida em defesa da garantia de direitos e igualdade para todos. “Eu tenho muito respeito por todos os gays, lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais deste país. É por isso que uma das primeiras medidas que tomei quando cheguei à Presidência da República foi dar à Secretaria de Direitos Humanos o status de ministério. Assim, colocamos os Direitos Humanos no mesmo patamar das outras áreas do Executivo e demos mais espaço à defesa dos direitos da população LGBT”, lembra. 

Confira o vídeo: 

 

MAIS UM CAPÍTULO DO GOLPE QUE, NEGANDO O FIM DO ESTADO, PROMOVERÁ O PRÓPRIO FIM, ARTIGO DA JURISTA VALDETE SOUTO SEVERO, PARA O SITE JUSTIFICANDO

Mais um capítulo do golpe que, negando o fim do Estado, promoverá o próprio fim

O jogo de palavras é proposital. A finalidade do Estado é cuidar do que é publico e, pois, comum a todos. Desde a segunda metade do século XX, reconhecemos como uma necessidade pública a garantia de direitos sociais. Só assim, evitaremos a barbárie.

É fato que o desmanche do Direito do Trabalho vem ocorrendo há muito tempo. Para além do eterno combate entre capital e trabalho, tendo o primeiro sempre assumido posição refratária e mesmo agressiva, em relação às poucas conquistas do segundo, desde a década de 1990 podemos perceber um impulso especial em direção ao desmanche. Não é a toa que os dois projetos de lei que pretendem regulamentar a terceirização foram propostos em 1998 e 2004.

No governo de FHC (Fernando Henrique Cardoso (PSDB)), uma lógica muito similar foi posta em curso e não prevaleceu por questões que aqui não serão desenvolvidas. Registro apenas que a atuação da classe trabalhadora, que acreditava na possibilidade de um mundo diverso e conseguiu, em 2002, materializar sua crença na vitória de Lula para a presidência da República, fez diferença na batalha que, na década de 1990, travamos contra as reformas então propostas.

Dona Marisa e o presidente Lula na posse do primeiro mandato, em 2003. Foto: Agência Brasil

A eleição de Lula transformou a crença, festejada nas ruas do país e mantida nos primeiros anos de seu governo, em desilusão. Embora tenham havido contenções importantes, a lógica liberal manteve-se inalterada. Ainda assim, havia limites. Era impensável, à época, ver um Presidente do TST (Tribunal Superior do Trabalho) declarar publicamente a inutilidade da instituição que representa, ou um ministro do STF desqualificar os juízes e suas decisões, detonando uma onda de ataques misóginos a juízas, especialmente na área trabalhista.

Não havia espaço para uma lei orçamentária, cuja exposição de motivos fosse um recado para a Justiça do Trabalho, claro e preciso: promoveremos a morte, à míngua, dessa instituição, como represália ao poder de contenção da exploração do trabalho, que ela exerce por condição genética.

É preciso reconhecer que o golpe de 2016 abriu espaço para um discurso declarado e raivoso de completo desmanche do Estado Social. Evidentemente, o Direito do Trabalho está no olho do furacão. Os exemplos mais recentes são a aprovação do desengavetado PL 4302, pela Câmara dos Deputados, e a decisão do STF, chancelando a possibilidade não apenas de a administração pública terceirizar (negando a norma constitucional que determina a contratação por concurso público), mas também de fazê-lo sem assumir qualquer responsabilidade por isso. Tudo em uma lógica de precarização, cujo enfrentamento não interessa aos poderes de Estado.

Os terceirizados pela administração pública são formalmente contratados por empresas sem sede própria, sem patrimônio, que tem duração curta, pois dependem integralmente dos contratos que firmam com entes públicos.

Recebem pouco, trabalham muito; não tem local certo de trabalho e, portanto, lhes é sonegada a sensação de pertencimento ao ambiente em que exercem suas atividades; não conseguem se organizar para batalhar coletivamente por melhores condições de trabalho; seus empregadores formais, que via de regra lhes são estranhos (desconhecem a sede ou mesmo os donos da prestadora), somem no ar sem deixar vestígios, esses trabalhadores não exercem direito às férias, pois os contratos com entes públicos dificilmente duram mais do que dois anos.

Isso, porém, sequer apareceu nos discursos dos ministros que aprovaram tese que libera a administração pública de sua responsabilidade pelo não pagamento das verbas trabalhistas dos trabalhadores e trabalhadoras, cuja força do trabalho explora diretamente, por meio de uma “atravessadora”, e o fizeram com repercussão geral, permitindo e incentivando a continuação da barbárie.

O que apareceu no discurso dos ministros, porém, foi a preocupação com o quanto o Estado gasta, pagando débitos trabalhistas das empresas inidôneas que deliberadamente contrata. Como se não fosse sua a opção administrativa de burlar a Constituição e contratar por intermédio de terceiro, via de regra com o requisito do menor preço, esgarçando a lógica da exploração do trabalho como mercadoria.

Quanto ao PL 4302, há inclusive vício formal. O Senado que o aprovou, de 2002, não é mais o mesmo. Outro projeto estava sendo discutido e refutado pelas inúmeras audiências públicas realizadas por todo o país. Num golpe dentro do golpe, o PL 4302 foi desengavetado e votado às pressas, novamente sem que a questão do trabalho e da perversidade da terceirização fossem sequer tangenciadas; ficaram fora do discurso.

Como já escrevi em outro artigo, o único compromisso real de quem hoje detém o poder político em razão do golpe promovido em 2016, é promover o desmanche dos direitos sociais, dentre eles os direitos trabalhistas e previdenciários.

Câmara dos Deputados aprova lei que autoriza o trabalho terceirizado de forma irrestrita. Foto: Lula Marques/AGPT

Trata-se de um pacote perverso que desafia nossa compreensão de que o capital, quando age através do Estado, não é a representação de personalidades subjetivamente más, trata-se de uma condição objetiva do sistema. Essa premissa, que é compreensível da perspectiva da análise do que tem sido o sistema do capital nesses últimos dois séculos, regulando, tolerando e atacando o trabalho, em ritmos sistêmicos mais ou menos controlados, porque ciente da necessidade da regulação do trabalho para a sua própria sobrevivência, é desafiada pelo governo golpista que assumiu o poder em 2016. Aqui, por vezes, temos dúvida.

A perversidade é tanta no atual quadro de atuação dos órgãos de cúpula dos três poderes do Estado, que até parece que há uma subjetividade do mal, comandando as forças públicas, que esquecem sua razão de existência (ao menos declarada): cuidar do que é público.

E como o Estado vem negando seu fim (finalidade), o que constrói são os elementos de sua própria derrocada.

Negação absoluta do direito de greve dos servidores públicos; reconhecimento da legalidade da condição inconstitucional, perversa, precarizada, dos terceirizados; contratos flexíveis, curtos e precários, que reduzem o trabalhador à condição de coisa, majoração da jornada, redução do intervalo, retirada de direitos.

E, para arrematar, proposta de reforma previdenciária que permitirá aposentadoria integral apenas após 49 anos de contribuição. É muita perversidade, para que sigamos crendo na representação objetiva dos interesses do capital. Como diz a música de Nando Reis, “o mundo está ao contrário e ninguém reparou”.

Não nos serve, porém, pensar em subjetividades malignas agora, porque talvez elas nem existam. O que importa é reconhecer que há um projeto sendo executado, que vem contando com a anuência e a contribuição de pessoas comprometidas com o capital internacional (que pretende, por exemplo, expandir o nicho negocial das empresas de previdência privada). Conta, também, com a falta de reflexão crítica de tantos cidadãos “de bem”, que seguem suas rotinas diárias colonizadas pela necessidade do trabalho e do dinheiro, sem tempo, sem paciência e sem vontade de encarar de frente essa guerra declarada contra os trabalhadores e trabalhadoras brasileiros. Até porque a ideologia do capital nos ensina, talvez desde antes do nascimento, a eliminar a alteridade.

Esses cidadãos que seguem sua rotina sem ir para as ruas, sem se revoltar, sem sequer reconhecer que há um processo de desmanche em curso, não se reconhecem nos trabalhadores terceirizados, nos jovens que terão de ser “flexíveis” e aceitar trabalhos intermitentes, se as alterações propostas forem aprovadas. Não se reconhecem nos trabalhadores e trabalhadoras do campo, cuja sazonalidade do trabalho determinará a impossibilidade concreta de aposentar-se. Não se reconhecem nos servidores públicos. Ao contrário, por vezes os invejam e demonizam a partir do senso comum de que não trabalham e, para desespero de todos aqueles que lutam e competem no “mercado”, ainda são detentores de estabilidade no emprego! Como se a evolução social devesse se dar no sentido da redução das condições de trabalho do Outro, e não de sua expansão para mim.

Essa ideologia amplamente disseminada e que impede nossa capacidade de empatia, de nos reconhecermos no outro, conta com um apoio claro, ostensivo, da chamada “mídia oficial”. E para aqueles que insistem em não compreender o termo, explico. Mídia oficial é o chamado Quarto Poder, as grandes corporações que dominam a comunicação de massa.

Aqueles que, quando você sai para trabalhar pela manhã, insistem em referir o quanto a greve “atrapalha” a vida dos cidadãos “de bem”, como se a luta dos metroviários, dos servidores, dos professores, dos bancários, não contribuísse para melhorar a vida em sociedade, para todas as pessoas que a compõem.

Aqueles que, quando devem falar da aprovação de um projeto como o PL 4302, chamam um especialista: o dono de uma grande rede de lojas, para que dê sua opinião, para a qual não haverá algum contraponto.

Aqueles que entrevistam o trabalhador (terceirizado) de uma empresa de telemarketing, para que ele exalte o quanto é bom trabalhar ali. Obviamente, sem referir o fato de que atua como escudo de uma empresa que não fala diretamente com seus clientes: ouvindo desaforos, cumprindo metas impossíveis, com controle absoluto do tempo de trabalho e da subjetividade (através da necessidade de informar o uso do banheiro, por exemplo). Não referem também o fato de que o salário, nessa área já completamente transfigurada pela terceirização, quase nunca ultrapassa pouco mais de mil reais por mês.

A mídia oficial composta por aqueles que inventam uma crise e falam dela o tempo todo, para convencer inconscientemente as pessoas de que o golpe é necessário. E quando aplicado o golpe, se calam.

E a palavra crise milagrosamente desaparece do discurso. Aqueles que passaram a nominar a Presidenta eleita como petista, para demonizar um partido que, se já havia vendido sua alma ao capital, ainda constituía um elemento importante do discurso contra hegemônico. Eis aí uma breve e clara descrição da mídia oficial, cuja contribuição para o golpe, hoje como em 1964, não pode ser desprezada.

Não passa um dia em que a TV aberta não insista na necessidade de “modernizar” as relações de trabalho (como se a CLT fosse a mesma de 1943, como se modernizar fosse sinônimo de suprimir e precarizar) ou não apresente pesquisas (cuja falsidade tem sido decantada por estudos sérios) acerca de suposto déficit da previdência.

O golpe em curso tem objetivo claro de atacar todas as frentes capazes de gerar resistência e, como isso, eliminar o próprio Estado. Desde a reforma do ensino médio, para criar uma geração de operários preparados para a condição de precarizados, passando pela redução drástica dos gastos com saúde, educação, cultura, através da PEC 55, até a reforma trabalhista e previdenciária. A extinção da Justiça do Trabalho está no pacote, basta perceber como a “mídia oficial” tem dado espaço a manifestações de opinião nesse sentido.

A aprovação das reformas trabalhistas e o desmanche que vem sendo promovido pelo STF constituem estímulo ao desrespeito a direitos fundamentais. A consequência será (e já está sendo) a inviabilidade de pequenos e médios empreendimentos, que não tem condições de competir numa lógica predatória. Os empregados, por sua vez, terão de recorrer ao seguro-desemprego, a fim de sobreviver nos meses em que estiverem sem trabalho. Não haverá, portanto, enxugamento da máquina estatal.

Haverá, como já está ocorrendo, uma procura ainda maior por soluções que o mercado não pode nem tem interesse em dar, e que são vitais para evitar o caos.

O Estado se constitui, especialmente através da Justiça do Trabalho, como o único e último reduto de realização, mesmo que tardia e parcial, dos direitos sociais. É sabido que a democracia traz consigo o ônus da necessidade de estruturas ágeis e capazes de promover o retorno à ordem jurídica democraticamente instaurada. Ou seja, viver em um Estado Democrático de Direito significa ter direitos e deveres, mas também contar com uma estrutura forte que os faça valer, sempre que violados. Do contrário, a própria democracia revela-se como uma farsa.

Elegemos nossos representantes, aprovamos as normas jurídicas e concordamos em conceder ao Estado o monopólio da jurisdição. Em contrapartida, podemos (e devemos) exigir do Estado que garanta a realização dessa ordem de coisas, que aja quando nossos direitos forem violados.

A decisão que o STF tomou esta semana, chancelando a possibilidade de que ente publico terceirize, tome trabalho e não se responsabilize por isso, rompe com essa noção de Estado.

A Justiça do Trabalho é o ambiente em que as normas fundamentais de proteção ao trabalho encontram espaço para serem exigidas, para serem respeitadas. Suprimir esse espaço ou a possibilidade de acessa-lo – é disso que se trata a recente decisão do STF sobre terceirização – é retirar dos trabalhadores a possibilidade de exercício de sua cidadania, de exigência do respeito às normas constitucionais.

Esse problema não é só nosso, não que isso seja um alívio. O cenário é muito grave em quase todo o planeta. A greve voltou a ser questão de polícia, ideais fascistas se disseminam em sociedades muito diferentes entre si, o esgotamento dos recursos naturais tem tornado insustentável a vida em alguns lugares da terra.

Nesse contexto, o desamparo e o desespero vem dando a tônica, mas é preciso evitá-los. Momentos de crise como esse são também oportunidade para que algo novo floresça. O capitalismo não existe há tanto tempo assim, e não é algo perene. É uma escolha que talvez já tenha durado tempo demais.

Há um claro esgotamento da forma de organização da sociedade que conhecemos. A existência do Estado está em jogo. O sistema está em jogo. Não é difícil perceber que a consolidação do projeto de desmanche que o próprio Estado se empenha tanto em concretizar implicará seu fim.

Quando a atividade jurisdicional for privatizada, como se pretende (e em alguma medida já vem ocorrendo, através do incentivo à conciliação, de preferência com “quitação geral do contrato”, essa aberração jurídica que a própria Justiça do Trabalho gestou), a jornada for de 14h ou mais, o salário for precarizado, não houver mais identidade de classe, não houver saúde ou educação públicas, será difícil seguir sustentando a necessidade do Estado.

Para mediar relações dos gigantes que detém o capital? Para salvar empresas em crise? Não haverá crise, pois não haverá relação mediada entre capital e trabalho. Haverá caos. E no caos, nem o sistema do capital se sustenta (a história nos revela isso, insistentemente), nem seus mecanismos de opressão ou aparelhos ideológicos, como refere Althusser, dentre os quais o Estado é o mais expressivo, terão razão de existência.

Crise tem sempre algo de positivo, porque nos convida à reflexão e nos instiga a tomar posição, e agir. Estamos diante de uma crise da existência mesma do Estado, em que o capital internacional desamarra-se e se propõe, de modo muito claro e ostensivo, a buscar novas bases de convívio social, rompendo com os compromissos de contenção expressados especialmente nas constituições do segundo pós guerra.

Os caminhos ainda serão construídos e talvez consigamos sair desse momento de transição fortalecidos, fazendo do esgotamento do Estado, como forma jurídica do capital, a razão para o repensar desse modelo de sociedade e de todas as amarras que o configuram como elemento de exclusão e miséria. Para isso, porém, é preciso, antes de tudo, reconhecer o movimento de destruição que está em marcha. E lutar contra ele.

Valdete Souto Severo é doutora em Direito do Trabalho pela USP/SP e Juíza do trabalho no Tribunal Regional do Trabalho da Quarta Região.

E O BRASIL SE MANIFESTA PARA DESCONSTRUIR A FORÇA OPRESSIVA DOS GOLPISTAS DO DESGOVERNO TEMER. VEJAM IMAGENS

Foto: Ângela Helena / Mídia NINJA

Imagens pelo Brasil percorrendo o Brasil. Imagens e vídeo do Mídia Ninja. As imagens mostram os manifestantes ainda em preparação para o ato pelos direitos dos brasileiros violados pelos golpistas.

Lavras, Minas Gerais.

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, multidão e atividades ao ar livre

Sumaré, São Paulo.

A imagem pode conter: multidão e atividades ao ar livre

Jataí, Goiânia.

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, multidão e atividades ao ar livre

Palmeiras das Missões, Rio Grande do Sul.

A imagem pode conter: 7 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé, multidão, filho, sapatos e atividades ao ar livre

Inconfidentes, Minas Gerais.

A imagem pode conter: 2 pessoas, multidão, árvore, céu e atividades ao ar livre

São Sebastião, Distrito Federal.

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, multidão e atividades ao ar livre

Nova Olinda, município do Cariri cearense.

A imagem pode conter: 14 pessoas, pessoas sorrindo, multidão e atividades ao ar livre

Belém, capital do Pará.

Vídeo mostra violência policial contra trabalhadores em Uberlândia Minas Gerais. 

MANIFESTANTES OCUPAM A SEDE DA GLOBO NO RIO

Ocupa Globo

Da Redação da Rede Brasil Atual.

São Paulo – Integrantes do Levante Popular da Juventudeocupam a sede da Rede Globo, no Rio de Janeiro, na manhã desta sexta-feira (31). A ação faz parte das mobilizações desencadeadas por movimentos sociais, populares e centrais sindicais contra as reformas do governo Michel Temer, que retiram direitos dos trabalhadores. 

Segundo o movimento, a ação serve para denunciar a participação da Globo no golpe do impeachment contra a ex-presidenta Dilma Rousseff, e também para lembrar da atuação conivente da emissora com a ditadura inaugurada com o golpe de 1964, que completa amanhã (1º) 53 anos. 

“Junto ao Judiciário, a Rede Globo é uma das forças que até ao momento tem conseguido sair ilesa. Com o aprofundamento da crise, a Globo cobra de Michel Temer a reforma trabalhista, a reforma da Previdência, a reforma tributária, entre outras, e tenta desvincular-se de Temer, fazendo críticas ao sucessor ilegítimo de Dilma”, diz o Levante Popular, em nota. 

“O povo não é bobo, o Temer é da Globo”, entoam os manifestantes, que também destacam o caso de sonegação de impostos durante transação pelos direitos da Copa do Mundo de 2002. “O DARF (Documento de Arrecadação de Receitas Federais”, a ser recolhido pela emissora, era de R$ 358 milhões. Em 2013, base de cálculo junto aos juros era de R$ 732,5 milhões. Até hoje não há notícias sobre o pagamento e os novos valores desta dívida”, afirma outro trecho da nota.

 

ATENÇÃO! É HOJE O DIA DE MAIS UMA MANIFESTAÇÃO EM TODO O BRASIL PARA DESCONSTRUIR O GOLPE QUE OPRIME OS TRABALHADORES E VIOLENTA A SOCIEDADE EM GERAL!

Ato_Reforma_Previdencia.jpg

Todo democrata tem um compromisso com as manifestações que se realizam hoje, dia 31, em todo o Brasil. É um compromisso unicamente para construir a democracia desconstruindo a força opressora do golpe que vem depredando os direitos dos trabalhadores e violentando a sociedade em geral.

 Nenhum democrata pode ficar alheio diante de tal força opressiva cujo objetivo maior é entregar as riquezas do Brasil ao capital estrangeiros, principalmente ao capital norte-americano. São várias as frentes opressivas que se juntaram com o único interesse de depor a presidenta Dilma Vana Roussef, eleita com mais de 54 milhões de votos democrático, para instalar no poder governamental o desgoverno Temer. Um desgoverno ilegítimo contaminado pela corrupção e pelo analfabetismo administrativo.

  Leia os locais onde ocorrerão as manifestações. Em Manaus será na Praça do Congresso, às 15 horas.

SATSIPLOG

Resultado de imagem para imagens de temer no congresso

No Brasil, 54.501.118 brasileiros nunca serão acusados de golpistas. Fora esses, muitos outros eleitores dos mais diversos partidos políticos também não são golpistas. Mais os 15% que votaram no Aécio esses são golpistas. Falamos nesses 15% porque o presidente do IBOPE, Augusto Montenegro falou o que até as pedras que não rolam por isso criam limo já sabiam. Aécio não tinha os 44% por cento que as pesquisas apontavam. Os números além desses 15% era de antipetistas.

Serão sempre golpistas todos os deputados que votaram e admitiram a continuidade do golpe no Senado. São golpistas todos os senadores que votaram a favor do golpe da presidenta Dilma. São golpistas todos os órgãos do poder judiciário, lenientes, passivos por compor com o golpe, por isso não se pode esperar nada deles para por fim ao medonho que vivemos.

A operação Lava Jato contribuiu muito para o Golpe. Ajudou. Divulgou conversa da presidenta Dilma com o ex-presidente Lula. E nas hostes dessa operação se está a ver um juiz que atua como juiz, acusador e lobista contra a corrupção e defesa da lei sobre abuso de autoridade. Defende interesses norte americanos.

Não podemos esperar nada do STF. Este supremo não tem saída nenhuma honrosa. Teria se seus ministros não fossem acovardados. Mais eles não são acovardados. Ser acovardado é você se sentir impotente, impossibilitado de fazer algo, o que não é o caso desse ministros. Eles participaram do golpe e por isso não podiam ser contra. Por isso não há como ter uma saída honrosa. A única saída honrosa só quem pode tomar é o povo. O povo é soberano. O povo produz a democracia. Só o povo tem honra. Como o STF vai ter honra se Gilmar Mendes aconselha advogados do golpista Temer para separar o degenerado da presidenta eleita. Nem terminou o mandato dos dois ministros do STF e já há como certa indicação pelo golpista de novo ministro.

Enquanto isso, temos um país com mais de 13 milhões de desempregados. Ataque direto contra os direitos dos trabalhadores e do povo. Emendas Constitucionais que atingem diretamente a previdência social, a CLT e a terceirização.

A ponte para o futuro dos golpistas está construindo uma viagem com volta. E será uma volta que a “cutia vai assoviar”.

Assoviar para Moro que condena Eduardo Cunha onde na sentença faz comentários de como deve proceder um deputado. Eduardo Cunha é um ser abjeto, foi o politicofastro que atendendo interesses de empresários, da mídia, banqueiros, deputados e senadores iniciou o golpe contra a presidenta Dilma a mando do Aécio e de Temer. Mas não concordamos com a sua sentença contra o Caranguejo. Ele adota essa sentença para dizer que é imparcial. Prende deputado do PMDB, PP, PT. Há mais deputados de outros partidos do que do PT como já disse o Xarope. Sim, mas porque não prende também Aécio, Serra, Alckmin, Agripino, Renan, Jucá, Padilha, Moreira Franco, Gedel, e os demais ministros citados nas delações das empreiteiras?

Golpistas, o dia 1º de Maio está chegando assim como o dia 3. Apoiamos a sugestão do presidente do Partido da Causa Operária, Rui Costa, de fazer uma grande manifestação no dia 1º,  permanecer em Curitiba até o dia 3 e acompanhar o Lula, cercá-lo e não deixar ninguém tocá-lo. Vai ser a maior proteção que um homem querido, amado por seu povo vai receber nesse dia. Televisões, rádios e as mais variadas mídias farão uma cobertura que nunca se fez em parte alguma. Esse depoimento de Lula será um divisor de água. A partir daí os golpistas vão ver que não pisaram na cabeça da jararaca. A jararaca vai pra cima e vai iniciar a caminhada solo, porque pode vir Dória, Hulk, Bolsonaro, Marina, Ciro Gomes, Serra, Aécio, FHC que não tem páreo para o retirante que emigrou de Garanhuns. Do seu lado estarão os não golpistas, as pessoas inteligentes que só pelo fato de estar construindo novas formas de ver, ouvir, sentir estão usando sua inteligência para a construção da democracia contra os aberrantes Golpistas.

COM MOVIMENTOS SOCIAIS, LULA LEMBRA DA IMPORTÂNCIA DAS ELEIÇÕES PARA O CONGRESSO EM 2018

Do site Lula.com.br

Muito se fala das eleições presidenciais de 2018. Fica de lado, porém, uma outra disputa que é tão importante quanto a competição pelo posto mais alto do poder executivo: a pelas cadeiras do Congresso. Em conversa com a Central dos Movimentos Populares, entidade que representa diversos grupos de luta e ação política pelo Brasil, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sugeriu aos presentes que concentrem esforços também nas eleições proporcionais. Para que um eventual governo progressista possa interromper os retrocessos iniciados na gestão atual, é preciso “eleger a maioria no Senado e na Câmara”. “Os melhores nomes do PT têm que ser candidatos a deputado federal”, afirmou o ex-presidente.

O propósito da reunião foi discutir as principais dificuldades enfrentadas pelos movimentos que lutam por moradia, educação, saúde, direitos humanos, direitos das mulheres e outros. De acordo com a CMP, a prioridade do golpe tem sido retirar direitos dos trabalhadores e das minorias vulneráveis. Para resistir a esse ataque é necessário unificar as pautas dos diversos movimentos sociais, afirmaram os integrantes da Central. Lula ouviu os relatos com preocupação e alertou: “O quadro é extremamente conservador no Brasil e no mundo. A direita se assenhorou das conquistas da classe trabalhadora”. Mas, para o ex-presidente, há motivos para ser otimista, mas é preciso focar os esforços no trabalho de base: “Em política, toda vez que você deixa de conversar com as pessoas, você perde”.

Veja a galeria de fotos da reunião clicando no link: https://goo.gl/photos/Yt6CD3Nrj4DkQcYh9


USAR O CONTROLE REMOTO É UM ATO DEMOCRÁTICO!

EXPERIMENTE CONTRA A TV GLOBO! Você sabe que um canal de televisão não é uma empresa privada. É uma concessão pública concedida pelo governo federal com tempo determinado de uso. Como meio de comunicação, em uma democracia, tem como compromisso estimular a educação, as artes e o entretenimento como seu conteúdo. O que o torna socialmente um serviço público e eticamente uma disciplina cívica. Sendo assim, é um forte instrumento de realização continua da democracia. Mas nem todo canal de televisão tem esse sentido democrático da comunicação. A TV Globo (TVG), por exemplo. Ela, além de manter um monopólio midiático no Brasil, e abocanhar a maior fatia da publicidade oficial, conspira perigosamente contra a democracia, principalmente, tentando atingir maleficamente os governos populares. Notadamente em seu JN. Isso tudo, amparada por uma grade de programação que é um verdadeiro atentado as faculdades sensorial e cognitiva dos telespectadores. Para quem duvida, basta apenas observar a sua maldição dos três Fs dominical: Futebol, Faustão e Fantástico. Um escravagismo-televisivo- depressivo que só é tratado com o controle remoto transfigurador. Se você conhece essa proposição-comunicacional desdobre-a com outros. Porque mudanças só ocorrem como potência coletiva, como disse o filósofo Spinoza.

Quer linha de corte? Este é esquizo. Acesse:

CAMPANHA AFINADA CONTRA O

VIRTUALIZAÇÕES DESEJANTES DA AFIN

Este é um espaço virtual (virtus=potência) criado pela Associação Filosofia Itinerante, que atua desde 2001 na cidade de Manaus-Am, e, a partir da Inteligência Coletiva das pessoas e dos dizeres de filósofos como Epicuro, Lucrécio, Spinoza, Marx, Nietzsche, Bergson, Félix Guattari, Gilles Deleuze, Clément Rosset, Michael Hardt, Antônio Negri..., agencia trabalhos filosóficos-políticos- estéticos na tentativa de uma construção prática de cidadania e da realização da potência ativa dos corpos no mundo. Agora, com este blog, lança uma alternativa de encontro para discussões sociais, éticas, educacionais e outros temas que dizem respeito à comunidade de Manaus e outros espaços por onde passa em movimento intensivo o cometa errante da AFIN.

"Um filósofo: é um homem que experimenta, vê, ouve, suspeita, espera e sonha constantemente coisas extraordinárias; que é atingido pelos próprios pensamentos como se eles viessem de fora, de cima e de baixo, como por uma espécie de acontecimentos e de faíscas de que só ele pode ser alvo; que é talvez, ele próprio, uma trovoada prenhe de relâmpagos novos; um homem fatal, em torno do qual sempre ribomba e rola e rebenta e se passam coisas inquietantes” (Friedrich Nietzsche).

Daí que um filósofo não é necessariamente alguém que cursou uma faculdade de filosofia. Pode até ser. Mas um filósofo é alguém que em seus percursos carrega devires alegres que aumentam a potência democrática de agir.

_________________________________

BLOG PÚBLICO

Propaganda Gratuita

Você que quer comprar entre outros produtos terçado, prego, enxada, faca, sandália, correia, pé de cabra ou bola de caititu vá na CASA UYRAPURU, onde os preços são um chuchu. Rua Barão de São Domingos, nº30, Centro, Tel 3658-6169

Pão Quente e Outras Guloseimas no caminho do Tancredo.
PANIFICADORA SERPAN (Rua José Romão, 139 - Tancredo Neves - Fone: 92-8159-5830)

Fique Frio! Sabor e Refrescância!
DEGUST GULA (Avenida Bispo Pedro Massa, Cidade Nova, núcleo 5, na Rua ao lado do DB CIdade Nova.Todos os dias).

O Almoço em Família.
BAR DA NAZA OU CASA DA VAL (Comendador Clementino, próximo à Japurá, de Segunda a Sábado).

Num Passo de Mágica: transforme seu sapato velho em um lindo sapato novo!
SAPATEIRO CÂNDIDO (Calçada da Comendador Clementino, próximo ao Grupo Escolar Ribeiro da Cunha).

A Confluência das Torcidas!
CHURRASQUINHO DO LUÍS TUCUNARÉ (Japurá, entre a Silva Ramos e a Comendador Clementino).

Só o Peixe Sabe se é Novo e do Rio que Saiu. Confira esta voz na...
BARRACA DO LEGUELÉ (na Feira móvel da Prefeitura)

Preocupado com o desempenho, a memória e a inteligência? Tu és? Toma o guaraná que não é lenda. O natural de Maués!
LIGA PRA MADALENA!!! (0 XX 92 3542-1482)

Decepcionado com seus desenganos? Ponha fé nos seus planos! Fale com:
PAI GEOVANO DE OXAGUIÃ (Rua Belforroxo, S/N - Jorge Teixeira IV) (3682-5727 / 9154-5877).

Quem tem fé naõ é um qualquer! Consultas::
PAI JOEL DE OGUM (9155-3632 ou paijoeldeogum@yahoo.com.br).

Belém tá no teu plano? Então liga pro Germano!
GERMANO MAGHELA - TAXISTA - ÁGUIA RADIOTAXI - (91-8151-1464 ou 0800 280 1999).

E você que gostaria de divulgar aqui seu evento, comércio, terreiro, time de futebol, procurar namorado(a), receita de comida, telefone de contato, animal encontrado, convites diversos, marocagens, contacte: afinsophiaitin@yahoo.com.br

Outras Comunalidades

   

Categorias

Blog Stats

  • 3,962,276 hits

Páginas