Arquivo de julho \31\UTC 2014

TARIFAÇO FAZ PARTE DAS PROFECIAS NEGATIVAS COMO A ‘TEMPESTADE PERFEITA’ QUE NÃO OCORREREU NO PAÍS, DIZ DILMA

A presidenta Dilma Vana Roussff, em entrevista a Confederação Nacional da Indústria (CNI), uma entidade de postura reconhecidamente como conservadora, negou que depois da eleição realizará aumento das tarifas que foi alcunhada de tarifaço. Para a presidenta, esse tipo de comportamento gera insegurança e pode afetar negativamente as empresas que investem no Brasil.

A sociedade esclarecida sabe que é uma notícia propagada pelas direitas com o objetivo de conseguir votos para seu candidato e impedir que Dilma seja reeleita. Uma missão impossível para os desesperados. Dilma, não falou, mas se sabe que esse é um tipo de terrorismo que já há anos vem sendo praticado pela chamada oposição. É uma patologia-política que vem antes de Lula ter sido eleito presidente.

O candidato das direitas anda a alardear que se eleito (se, é perfeito) vai extinguir alguns ministérios, Dilma, ironizou querendo saber quais. Ela disse que todas as secretarias com status de ministérios assim são, porque são necessárias para o fortalecimento de segmentos específicos, como as secretarias de Políticas para as Mulheres, Igualdade Racial, Direitos Humanos e Micro e Pequena Empresa.

Dilma também afirmou que o país precisa de uma reforma política com a participação ativa da sociedade brasileira para modernizar o Estado brasileiro. Ela também tratou da reforma trabalhista, que, segundo ela, é preciso um amplo diálogo entre a classe trabalhadora, os empresários e o Congresso. E não deixou de afirmar que seu governo pretende uma internet mais popular e com mais velocidade.

“Eu acho essa história de tarifaço, prima-irmã da ‘tempestade perfeita’, do racionamento de energia e das profecias que não aconteceram.

Eu gostaria muito de saber concreta. Querem acabar com o quê? O status de ministério da Secretaria das Mulheres permitiu o empoderamento das mulheres quando se trata da violência contra elas, de Direitos Humanos, dando respaldo à necessidade de combater a tortura, assim sucessivamente. Rigorosamente, elas não são um ministério no sentido orgânico da palavra, no tamanho, por exemplo, do Ministério da Fazenda, mas elas têm um motivo político de serem ministérios.

Só acredito que o Brasil fará essa reforma política por meio de uma ampla participação popular. Daí definimos como prioritário o plebiscito. Eu mandei uma proposta para o Congresso que não foi aprovada.

Instituirmos a negociação coletiva é fundamental, principalmente nos setores fortes, onde tanto a indústria seja forte como os trabalhadores”, afirmou Dilma.

A LENDÁRIA ATIVISTA NEGRA DO BLACK POWER, ANGELA DAVIS, EM ENTREVISTA NA TV BRASIL, MOSTRA O QUE É SER UM DEVIR-POLÍTICO

Uma das personagens mais importantes da luta intensiva pelos direitos dos povos oprimidos, principalmente os negros, a lendária ativista do movimento, Panteras Negras e do Partido Comunista dos Estados Unidos, Angela Davis, esteve no programa Espaço Público, da TV Brasil.

Angela Davis, na década de 70, em função de sua luta, foi presa pelo FBI e colocada na lista dos mais procurados pela força policial norte-americana. Sua atuação pelos direitos humanos era tão forte que gerou o movimento coletivo “Libertem Angela Davis” que produziu uma reverberação internacional envolvendo artistas, intelectuais, filósofos, sociólogos, antropólogos, políticos ente outros.

A filósofa, escritora, conferencista, professora veio ao Brasil para participar do Festival Latinidade 2014: Griôs da Diáspora Negra, que ocorreu em Brasília, e terminou na segunda-feira. Ela foi entrevista pelos jornalistas Paulo Moreira Leite, apresentador do programa, a jornalista Juliana César Nunes, da Radioagência Nacional e o jornalista Florestan Fernandes Jr, da TV Brasil.

A visão que o Brasil tem de você ainda é muito conectada a Angela desse movimento Black Power da década de 1970, quando brasileiros faziam campanha pela sua libertação e pela libertação de Mandela e, ao mesmo tempo, pensavam em como libertar a Angela e o Mandela que existiam entre nós, entre homens e mulheres negras. Hoje, em que Angela as pessoas precisam pensar em libertar, em deixar fluir?

A campanha pela minha libertação foi de fato um momento importante. Eu sempre digo que meu nome só é conhecido hoje não tanto pelo que eu fiz, mas pelo que fizeram por mim. Nunca vou esquecer o enorme movimento de solidariedade que mobilizou pessoas em quase todos os continentes. Mas eu era apenas uma, e já naquela época, tinha consciência de que havia muitos outros presos políticos. Percebi que o problema não era só a repressão aos presos políticos, mas também o papel racista e repressor do sistema carcerário. Nas últimas décadas, venho batalhando pela libertação dos presos políticos e combatendo a indústria carcerária e muitos militantes desse movimento anticarcerário nos autodenominamos “abolicionistas”, porque defendemos a abolição da cadeia como forma dominante de punição.

Angela, você popõe a extinção dos presídios. A pessoa quando comete um crime, um crime bárbaro, um crime hediondo, ela tem que ser punida, tem que pagar pelo crime que cometeu e ser ressocializada para voltar à comunidade. Se acabam os presídios, que eu concordo que virou depósito de pessoas, o que fazer com os criminosos?

Concordo plenamente que quem tem conduta antissocial, quem faz mal a outras pessoas deve responder por isso. Mas isso não significa que basta punir. Quando simplesmente punimos os culpados, em geral o que acontece é que eles saem da cadeia pior do que entraram para cumprir a pena. As cadeias contribuem para reproduzir a violência e a conduta antissocial. A grande questão é como transformar a sociedade e lidar com essa questão da violência de tal forma que o agressor retorne à sociedade com uma perspectiva de vida melhor, sem revolta, sem recaída, mas disposto a contribuir com a sociedade. Acredito muito na reabilitação. Mas não acredito que ela seja possível na cadeia. É por isso que precisamos encontrar outras formas de responsabilizar as pessoas pelos crimes que cometem. E o pior é que muitas pessoas estão presas não porque cometeram um crime, mas por serem negras, jovens, ou porque estavam no lugar errado, na hora errada.

Angela, você tem criticado as políticas de combate à violência doméstica. Como garantir proteção para as mulheres de uma outra forma que não seja a criminalização dos agressores?

Estou com as pessoas que acreditam que simplesmente criminalizar a violência doméstica não basta para erradicá-la. Eu me preocupo com as vítimas da violência conjugal. E também porque é uma das formas mais comuns de violência no mundo. É uma forma de violência que ocorre em quase todo o mundo, inclusive nos países onde ela foi criminalizada. O índice de violência contra a mulher, de violência de gênero, não diminuiu. Alguma coisa está errada. Não podemos continuar simplesmente mandando as pessoas para a cadeia. Isso nos faz esquecer o problema. É por isso que sou contra o uso da pena de detenção. De certa forma, isso nos exime da responsabilidade de descobrir como acabar com essa violência horrível que tantas mulheres sofrem. Em muitos lugares, já surgiram alternativas à execução penal. Elas incluem Justiça restaurativa, ou até censura pública. Evidentemente, a perspectiva evolucionista não sugere que o agressor não deva responder pelo que fez. Em muitos aspectos, é mais difícil para o agressor encarar a vítima de frente e encontrar uma forma de se redimir do que ir para a cadeia. É mais fácil ficar na cadeia. É muito mais difícil localizar a raiz da violência dentro de si e encontrar uma forma de erradicá-la do mundo.

Onde fica o centro da sua força, essa força com que luta pelos direitos dos negros, tanto na África, quanto na diáspora?

De onde tiro minha força? Acho que posso dizer que ela vem das minhas comunidades, das pessoas com quem trabalho, meu sentimento de união com as pessoas que se dedicam às lutas por justiça e igualdade. Costumo contar uma história que aconteceu na época em que eu estava presa. O FBI foi me buscar. Fui levada para um presídio onde eu fiquei incomunicável, sem poder falar com ninguém. Puseram-me em uma ala do presídio reservada para pessoas com problemas psiquiátricos. Fiquei deitada ali na cela, sentindo-me totalmente sozinha. De repente, ouvi umas vozes ao longe. Mal dava para entender o que diziam. De repente, percebi o que estavam dizendo: “Soltem Angela Davis!”. As pessoas se aglomeravam fora do presídio, tarde da noite, e isso antes mesmo da campanha pela minha libertação. Elas vieram e aquilo me fez sentir que eu não estava só. Fiquei com essas lembranças, essa ligação com as pessoas e percebi que, por piores que fossem os meus problemas, eles não chegavam aos pés dos problemas das pessoas que passam a vida na cadeia, das pessoas na Palestina, das pessoas que têm de lutar pela própria liberdade de várias maneiras. Enfim, também tiro muita força dos jovens, porque continuo trabalhando com ativistas. Vejo que eles estão cada vez mais jovens. E eu estou cada vez mais velha. Isso é bom, é muito importante trabalhar com outras gerações. Vejo que os jovens estão dispostos a correr mais riscos que os mais velhos, porque às vezes somos prudentes demais.

Atualmente, temos algumas mulheres no comando de países. Aqui na América Latina, temos três mulheres coordenando três países, temos uma mulher na Europa. Como a senhora vê a atuação dessas mulheres no poder ? Houve uma modificação dos rumos do capitalismo? Agora, é a hora, depois de um negro, os EUA terem uma mulher?

Acho positivo que tenham elegido mulheres para cargos políticos na América do Sul e na Europa. Assim como foi bom um negro ter sido eleito nos EUA. Mas não sei se isso resolve nossos problemas. Não sei se ficar tentando apenas mudar o rosto das pessoas que estão no topo das hierarquias políticas ou econômicas vai mudar a realidade dos que estão na base. Como já disse algumas vezes, quando Obama disputou as eleições, se houvesse um candidato de outra identidade racial concorrendo com um programa mais ousado, com certeza ele teria o meu voto. Eu preferiria mil vezes um candidato branco que propusesse uma crítica ao capitalismo, ao inter-racismo e ao sistema carcerário a um candidato negro que deixasse as coisas como estão. É uma questão política. Precisamos superar essa mentalidade de que trocar apenas um rosto vai trazer uma revolução e entender que é preciso criar movimentos de massa, é preciso promover mudanças na base do sistema.

Como você vê o papel da mídia nesse contexto, basta democratizar o acesso? É preciso que haja uma mudança, na forma, no discurso da mídia, especialmente sobre a população negra, para mexer nas estruturas do racismo?  Aqui no Brasil, a imprensa, de maneira geral, é contra as cotas. Quase todo dia sai alguma notícia criticando a distribuição de cotas tanto nas universidades, quanto no serviço público.

Acredito que a mídia tem um grande poder de mudar a forma de pensar das pessoas, mudar a nossa forma de ver o mundo. Com o advento das mídias sociais, estamos nos deparando com a ampla influência de ideias que se propagam instantaneamente. Vejo que nos EUA, a grande mídia continua a promover algumas ideias retrógradas. O sistema de cotas – não gosto muito de usar o termo “cotas” porque ação afirmativa não é sinônimo de cotas, não é a mesma coisa, e quando chamamos assim, como a mídia costuma fazer, isso transmite uma impressão de que estamos jogando as pessoas umas contra as outras, quando, na verdade, trata-se de uma tentativa de começar um processo para reverter algo que já há muito […] Um processo que vem de muito longa data. Costuma-se falar em ação afirmativa como se fosse um homem branco contra, digamos, uma mulher negra, por exemplo. Mas quando se entende que a ação afirmativa é uma forma de modificar a distribuição demográfica no mercado de trabalho, nas universidades, não se trata só de indivíduos, trata-se de comunidades, é uma questão de permitir a ascensão de comunidades, e isso também acaba beneficiando indivíduos. Mas acho que é preciso começar a mudar essa concepção de ação afirmativa como mera oposição entre brancos e negros. Ela está aí para mudar o mundo, para promover justiça e igualdade.

AÉCIO MANTÉM A IDEIA FIXA DA PRIVATIZAÇÃO E NÃO SABE O QUE É CONCESSÃO, MAS A POFESSORA DILMA, EXPLICA

Veja e analise o brevíssimo vídeo.

LULA DISSE QUE NESSAS ELEIÇÕES O QUE SE ENCONTRA EM JOGO É O BRASIL SUBIR MAIS UM DEGRAU EM SUAS CONQUISTAS OU DESCER

Lula

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, durante participação no 14ª Plenária da Central única dos Trabalhadores (CUT) fez uma rica explanação do que vem a ser política, os trabalhadores atuais, o combate a corrupção e, principalmente, sobre as eleições deste ano.

Em um daqueles grandes momentos de inspiração, movimentou ideias, contestou o conservadorismo, ofereceu saídas para problemas sociais, analisou a posição do trabalhador brasileiro e, sem citar nomes, afirmou o que para muitos brasileiros já é do conhecimento. Afirmou que muitos candidatos foram feitos “para governar para o andar de cima”. Sem tropos, para a burguesia endinheirada. Para o tipo de gente da direção do Banco Santander que só ambiciona seu lucro máximo.

 Lula também discorreu sobre o sentimento do brasileiro de sentir importante. “Andar de cabeça erguida”. Um sentimento que foi produzido nos últimos doze anos com a inclusão de pessoas que antes eram abandonadas pelas políticas públicas e hoje estão inclusas no meio social como pessoas ativas e necessárias. Como os catadores de papel, os hansenianos, trabalhadores rurais, sem-teto e LGBT e outros expressões sociais.

“O que está em jogo nas próximas eleições é se a gente que subir mais um degrau nas conquistas ou se retroceder um degrau.

Nós vamos ter de levantar a cabeça, estufar o peito, sem arrogância, e dizer que quem quiser ganhar de nós vai ter de trabalhar muito mais. Nós conquistamos o direito de andar de cabeça erguida.

Eles foram feitos para governar para o andar de cima. Não queremos tirar nada deles, mas queremos o mesmo tratamento. E queremos chegar da melhor forma possível, com o nosso trabalho.

Vocês vão ser provocados nas ruas. Estamos preparando material para enfrentar esse debate. Duvido que os últimos dez presidentes fizeram 50% do que eu fiz para combater a corrupção.

Esse é um debate que não temos medo. A única denúncia que a direita tem contra a esquerda é a corrupção, e não precisam nem provar. Se entre nós tiver alguém que errou, que pague.

Os trabalhadores não podem se contentar com o que têm. Os desejos e as necessidades aumentam. Não foi possível fazer tudo, mas vamos avaliar o que a gente era e o que a gente virou.

Eles não admitem o compromisso ideológico da Dilma. Eles sabem que ela tem lado”, disse Lula, o político-operário.  

SAMBA DO AVIÃO DE SÉRGIO QUEIROZ NO AEREONEVES

Escute o samba. É um deleite par os ouvidos e a inteligência.

Combate à corrupção para quem tem menos de 25 anos

Se você tem menos de 25 anos, talvez não saiba que nem sempre, no Brasil, qualquer caso de corrupção era minuciosamente investigado e que já tivemos  na Procuradoria Geral da República o cargo de engavetador geral. Brincadeiras à parte, assim ficou conhecido o procurador Geraldo Brindeiro, que chefiou a PGR nos 8 anos do governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB).

Para se ter uma ideia, na época a imprensa tentou entender os motivos de Brindeiro ter recebido o apelido. “Dos 626 inquéritos que passaram pela mesa do procurador-geral da República, Geraldo Brindeiro, desde 1995 até hoje, apenas 9,5% resultaram em denúncia contra os suspeitos”, destacava matéria da revista Veja sobre o tamanho da gaveta…. e os nomes da gaveta. Observe, nesse quadro, que quatro deles estavam relacionados ao presidente.

E sabe o que aconteceu? Nada. Simples assim. Os jornais resolveram tratar do tema quando, em junho de 2001, o procurador não encontrava um quadro muito favorável para a sua recondução ao cargo. Leia o trecho em destaque em que a Veja observava que a “opinião pública dá sinais de exaustão com a impunidade”.

Entre os inquéritos engavetados estava aquele que denunciava a compra de votos para aprovar a emenda da reeleição. A questão nunca chegou ao Supremo Tribunal Federal, muito menos houve qualquer punição aos responsáveis. Em sua coluna no jornal Folha de S.Paulo, Fernando Rodrigues trouxe uma cronologia dos fatos e destacou os momentos da “operação abafa” (que não se  relaciona com a Polícia Federal, mas com as manobras utilizadas para “apagar” as denúncias).

(link is external)

Ficou fácil perceber como são diferentes os modos de agir no combate à corrupção entre PSDB e PT. Se antes, tudo era jogado para baixo do tapete e saboreado em pizza, nos governos de Lula e Dilma o que se viu foi o enfrentamento da questão, com os casos sendo levados para o Supremo Tribunal Federal para julgamento.

Além disso, Lula e Dilma apostaram em aumento do controle social, com uma transparência ativa. Também aparelharam a Polícia Federal, com liberdade para ação. O orçamento da PF saltou de R$ 1,5 bilhão em 2002, para R$ 4,7 bilhões em 2013. Em operações, saímos de 48 no período de oito ano de FHC, ou seja, uma média de seis operações por ano, para 2.200 nos últimos 12 anos. É como disse o ex-presidente Lula durante a plenária da CUT, em Guarulhos: o que está em jogo agora é saber qual caminho queremos para os próximos quatro anos, se “queremos subir mais um degrau ou retroceder”.

SANTANDER APLICOU TERRORISMO-ECONÔMICO NO GOVERNO E DEPOIS PEDIU DESCULPA, PARA DILMA FOI UM ATO “INADMISSÍVEL”, ELA VAI TOMAR “MEDIDAS SÉRIAS”

Não haveria banco se não houvesse capital, é óbvio. Logo, o banco se beneficia mais com o capital do que o capital com ele, essa até Marx sabia. Mas ambos se irmanam principalmente em tempos globalizados. O capital sempre se tomou, como ideologia do lucro, como mais universal que o próprio homem. Foi por isso que o teatrólogo alemão Brecht, ultraespecialista em Marx, colocou na boca de um de seus personagens a seguinte pergunta em forma de máxima essencialmente capitalista: “Qual a diferença entre fundar um banco e assaltar um banco?” O capital tem uma moral que é só dele, por isso ele sabe muito bem como responder. Tudo que sustentar e propagar o capitalismo é válido. Dizem seus guardiões-protetores.

Como, no caso do Brasil, é o Estado brasileiro, através de seus governantes, quem administra seu corpo econômico, a participação de bancos estrangeiros no país representa mais interesse dessas entidades do que para o Brasil. Mas, essas entidades econômicas, capturadas e inspiradas no corpo capitalista do lucro máximo, querem levar a sociedade brasileira a crê que é o Brasil quem necessita delas. Banco não é indústria, por isso não produz economia, por isso depende mais do país do que o país dele. Todavia, ele se comporta de forma arrogante a ponto de querer ter ingerências nas políticas internas do país, por fantasiar que são tão necessários.

Foi com essa fantasia que o diretor do Banco Santander ousou interferir no governo federal fazendo campanha direta contra a cândida à reeleição presidenta Dilma Vana Rousseff. Como já é do conhecimento até dos acéfalos, a direção do banco mandou informação aos mais emburguesados clientes afirmando que suas rendas estavam ligadas as indicações das pesquisas quanto à possibilidade de Dilma ser reeleita ou não.

Depois que o fato foi repudiado por grande parte da sociedade brasileira, os que acreditam na autonomia do país e os eleitores de Dilma, porque às direitas estão gostando da campanha difamatória, o presidente do banco enviou um documento ao governo pedindo desculpas tecendo elogios à economia do país. Mas Dilma é uma estadista não caiu na ‘amabilidade’ financeira e disse que vai tomar medidas sérias contra o banco.

“Lamento o que aconteceu. É inadmissível. Um país não deve aceitar uma interferência de qualquer instituição financeira de qualquer nível. Eu vou conversar primeiro, eu vou tomar uma medida bastante séria. Eu sou presidenta da República, eu tenho de ter uma atitude mais prudente.

Eu acho que economia é expectativa. Característica de vários seguimentos é especular. Sempre que especularam não se deram bem, aí a conjectura passa e eles se dão mal. Na eleição de 2002 quem especulou contra Lula se deu mal. Acho muito perigoso especular em períodos eleitorais”


USAR O CONTROLE REMOTO É UM ATO DEMOCRÁTICO!

EXPERIMENTE CONTRA A TV GLOBO! Você sabe que um canal de televisão não é uma empresa privada. É uma concessão pública concedida pelo governo federal com tempo determinado de uso. Como meio de comunicação, em uma democracia, tem como compromisso estimular a educação, as artes e o entretenimento como seu conteúdo. O que o torna socialmente um serviço público e eticamente uma disciplina cívica. Sendo assim, é um forte instrumento de realização continua da democracia. Mas nem todo canal de televisão tem esse sentido democrático da comunicação. A TV Globo (TVG), por exemplo. Ela, além de manter um monopólio midiático no Brasil, e abocanhar a maior fatia da publicidade oficial, conspira perigosamente contra a democracia, principalmente, tentando atingir maleficamente os governos populares. Notadamente em seu JN. Isso tudo, amparada por uma grade de programação que é um verdadeiro atentado as faculdades sensorial e cognitiva dos telespectadores. Para quem duvida, basta apenas observar a sua maldição dos três Fs dominical: Futebol, Faustão e Fantástico. Um escravagismo-televisivo- depressivo que só é tratado com o controle remoto transfigurador. Se você conhece essa proposição-comunicacional desdobre-a com outros. Porque mudanças só ocorrem como potência coletiva, como disse o filósofo Spinoza.

Quer linha de corte? Este é esquizo. Acesse:

CAMPANHA AFINADA CONTRA O

VIRTUALIZAÇÕES DESEJANTES DA AFIN

Este é um espaço virtual (virtus=potência) criado pela Associação Filosofia Itinerante, que atua desde 2001 na cidade de Manaus-Am, e, a partir da Inteligência Coletiva das pessoas e dos dizeres de filósofos como Epicuro, Lucrécio, Spinoza, Marx, Nietzsche, Bergson, Félix Guattari, Gilles Deleuze, Clément Rosset, Michael Hardt, Antônio Negri..., agencia trabalhos filosóficos-políticos- estéticos na tentativa de uma construção prática de cidadania e da realização da potência ativa dos corpos no mundo. Agora, com este blog, lança uma alternativa de encontro para discussões sociais, éticas, educacionais e outros temas que dizem respeito à comunidade de Manaus e outros espaços por onde passa em movimento intensivo o cometa errante da AFIN.

"Um filósofo: é um homem que experimenta, vê, ouve, suspeita, espera e sonha constantemente coisas extraordinárias; que é atingido pelos próprios pensamentos como se eles viessem de fora, de cima e de baixo, como por uma espécie de acontecimentos e de faíscas de que só ele pode ser alvo; que é talvez, ele próprio, uma trovoada prenhe de relâmpagos novos; um homem fatal, em torno do qual sempre ribomba e rola e rebenta e se passam coisas inquietantes” (Friedrich Nietzsche).

Daí que um filósofo não é necessariamente alguém que cursou uma faculdade de filosofia. Pode até ser. Mas um filósofo é alguém que em seus percursos carrega devires alegres que aumentam a potência democrática de agir.

_________________________________

BLOG PÚBLICO

Propaganda Gratuita

Você que quer comprar entre outros produtos terçado, prego, enxada, faca, sandália, correia, pé de cabra ou bola de caititu vá na CASA UYRAPURU, onde os preços são um chuchu. Rua Barão de São Domingos, nº30, Centro, Tel 3658-6169

Pão Quente e Outras Guloseimas no caminho do Tancredo.
PANIFICADORA SERPAN (Rua José Romão, 139 - Tancredo Neves - Fone: 92-8159-5830)

Fique Frio! Sabor e Refrescância!
DEGUST GULA (Avenida Bispo Pedro Massa, Cidade Nova, núcleo 5, na Rua ao lado do DB CIdade Nova.Todos os dias).

O Almoço em Família.
BAR DA NAZA OU CASA DA VAL (Comendador Clementino, próximo à Japurá, de Segunda a Sábado).

Num Passo de Mágica: transforme seu sapato velho em um lindo sapato novo!
SAPATEIRO CÂNDIDO (Calçada da Comendador Clementino, próximo ao Grupo Escolar Ribeiro da Cunha).

A Confluência das Torcidas!
CHURRASQUINHO DO LUÍS TUCUNARÉ (Japurá, entre a Silva Ramos e a Comendador Clementino).

Só o Peixe Sabe se é Novo e do Rio que Saiu. Confira esta voz na...
BARRACA DO LEGUELÉ (na Feira móvel da Prefeitura)

Preocupado com o desempenho, a memória e a inteligência? Tu és? Toma o guaraná que não é lenda. O natural de Maués!
LIGA PRA MADALENA!!! (0 XX 92 3542-1482)

Decepcionado com seus desenganos? Ponha fé nos seus planos! Fale com:
PAI GEOVANO DE OXAGUIÃ (Rua Belforroxo, S/N - Jorge Teixeira IV) (3682-5727 / 9154-5877).

Quem tem fé naõ é um qualquer! Consultas::
PAI JOEL DE OGUM (9155-3632 ou paijoeldeogum@yahoo.com.br).

Belém tá no teu plano? Então liga pro Germano!
GERMANO MAGHELA - TAXISTA - ÁGUIA RADIOTAXI - (91-8151-1464 ou 0800 280 1999).

E você que gostaria de divulgar aqui seu evento, comércio, terreiro, time de futebol, procurar namorado(a), receita de comida, telefone de contato, animal encontrado, convites diversos, marocagens, contacte: afinsophiaitin@yahoo.com.br

Outras Comunalidades

   

Categorias

Blog Stats

  • 3,938,801 hits

Páginas