O MEDIUM TELEVISIVO E A OPINIÃO PÚBLICA

A VIOLÊNCIA COMO METRO PADRÃO DOS TELEJORNAIS

O que é presente nos telejornais, em qualquer que seja a emissora de televisão, é a violência. Esta se conserva na escalada destes programas, definindo a redução epistemológica própria à estrutura do telejornal. Não é somente uma questão de quantidade: “quanto mais notícias sobre violência, melhor”. Ainda, não diz respeito aos altos índices de violência computados por instituições e divulgados pelos veículos de comunicação: o que validaria a justificativa que se há uma grande quantidade de notícias sobre violência é porque o país é violento. Sendo estas as opiniões dominantes e veiculadas na sociedade, outra hipótese escapa ao óbvio da mídia golpista. Trata-se, antes, de manter a violência como um metro padrão que possa se servir da violência como constante de base de relação para outras notícias. Aqui apresentamos três constantes.

Constante I: A Presença da Violência nos Telejornais

Nós vários blocos a que um telejornal dispõe, mais da metade é dedicado a notícias sobre violência. Há casos em que em dois blocos completos são direcionados a esta temática. Continuando como notícias que vão se entremeando entre outras ao longo dos outros blocos, divididas em nacionais e internacionais. Fazendo com que a violência seja o principal enunciado dos telejornais. Isto se agrava com programas que fazem parte das centrais de telejornalismo de diversas emissoras, especializados em reportagens policiais. Nestes, como nos telejornais diários, a violência é dissociada da ponte que é levantada entre o global e o local. É tratada como um assunto isolado como não fazendo parte dos acontecimentos próprios à existência e seus níveis sociais, econômicos, cognitivos, biológicos e afetivos. Menos ainda é apresentada à grande parcela de responsabilidade da mídia que, com a sua insuficiência cognitiva, reforça a violência quando veicula informações sem antes analisá-las ou até mesmo verificar suas procedências. Sempre agindo segundo interesses daqueles que garantem sua conservação financeira.

Constante II: A Relação Violência e Governo Federal

Uma notícia sobre violência, logo em seguida uma sobre alguma denúncia contra o Governo Federal. É sabido o quanto a mídia seqüelada, de fortes vínculos com a direitaça, tem se esforçado para demonstrar falhas no Governo Lula. Daí as relações entre notícias sobre violência e sobre o Governo Federal. Foram numerosos os casos. Como ilustração, podemos citar o caso de 2006, segundo turno das eleições para presidente, quando o Jornal Nacional divulgou as fotos montadas do dinheiro que estavam com os petistas Gedimar Pereira Passos e Valdebran Padilha, que seria, supostamente, utilizado para a compra de um dossiê contra o candidato ao governo do Estado de São Paulo, José Serra. Sendo que as outras emissoras divulgavam a noticia e informações sobre a queda do avião da empresa aérea Gol. Somente depois que os telejornais da Rede Globo de Televisão (RGTV) começaram a divulgar o acidente aéreo, explorando a dor dos parentes das vítimas. E, mais depois, telejornais de outras emissoras reproduziram as fotos tiradas do dinheiro. Os telejornais durante o Governo de Lula aumentam seus enunciados de violência tentando ligar este governo à hipótese de um país por demais violento por causa de uma má administração. Disto as conseqüências são um aumento abusivo do pânico que os telejornais constroem na sociedade, como foi o caso das noticias sobre a febre amarela, emitindo enunciados de violência sem nem um pouco de inteligência e as numerosas contradições que os telejornais cometem quando são obrigados a noticiar os bons índices de desenvolvimento para o país em várias áreas, proporcionados pela gestão Lula no Governo federal.

Constante III: A Violência que Evidencia a Redução Epistemológica Midiática

Os telejornais pretendem fazer da violência um problema específico para o país. Pretendem demonstrar um país em crise, que sofre de um grande mal: descaso com a justiça, com o povo, o país da impunidade. Sinal disto é quando as opiniões deixam de ser doxa, prática efetiva no espaço público onde as opiniões são instrumento de movimentação do bem público através da éris-philia, o conflito amigável, a discussão que pretende excluir da cidade as privações. E passam a ser reproduções dos enunciados midiáticos. Inclusive usando-se de pessoas-ícone famosas, que passaram por alguma situação classificada como violenta, para demonstrar a hipótese de um país violento (e surge o desespero midiático quando esta hipótese não é confirmada, como no caso da assalto a Paulinho da Viola). Monta-se daí uma cadeia de significantes que trazem a violência como um signo indissociado do estado de coisas onde se encontra e sem nenhuma relação com a constituição do controle social exercido a nível global e local. Pela redução epistemológica da mídia não passa o entendimento do que é específico. A mídia acredita ser especifico apenas o que é característica exclusiva e especial de algo: então, a violência como característica nociva exclusiva e especial da atual organização do país. Não chega a sua insuficiência cognitiva o conceito de específico como uma característica que transita pelo nocivo e o benéfico. Acreditando, irracionalmente, que usando a violência como metro padrão para todas as outras notícias, poderá mostrar sua preocupação com a sociedade e o cumprimento de seu dever cívico de realizar um serviço público, a mídia gera o terror, o pânico e a ausência de esclarecimentos sobre as razões da violência em um país, em um local, no mundo. O específico é como o “pharmakon” (fármaco/droga), é benéfico e nocivo. Quando a mídia acha estar agindo especificamente de forma benéfica, ela age nocivamente para com a existência das pessoas. O que evidencia sua perversidade e acentuada redução epistemológica.

Anúncios

0 Responses to “O MEDIUM TELEVISIVO E A OPINIÃO PÚBLICA”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




USAR O CONTROLE REMOTO É UM ATO DEMOCRÁTICO!

EXPERIMENTE CONTRA A TV GLOBO! Você sabe que um canal de televisão não é uma empresa privada. É uma concessão pública concedida pelo governo federal com tempo determinado de uso. Como meio de comunicação, em uma democracia, tem como compromisso estimular a educação, as artes e o entretenimento como seu conteúdo. O que o torna socialmente um serviço público e eticamente uma disciplina cívica. Sendo assim, é um forte instrumento de realização continua da democracia. Mas nem todo canal de televisão tem esse sentido democrático da comunicação. A TV Globo (TVG), por exemplo. Ela, além de manter um monopólio midiático no Brasil, e abocanhar a maior fatia da publicidade oficial, conspira perigosamente contra a democracia, principalmente, tentando atingir maleficamente os governos populares. Notadamente em seu JN. Isso tudo, amparada por uma grade de programação que é um verdadeiro atentado as faculdades sensorial e cognitiva dos telespectadores. Para quem duvida, basta apenas observar a sua maldição dos três Fs dominical: Futebol, Faustão e Fantástico. Um escravagismo-televisivo- depressivo que só é tratado com o controle remoto transfigurador. Se você conhece essa proposição-comunicacional desdobre-a com outros. Porque mudanças só ocorrem como potência coletiva, como disse o filósofo Spinoza.

Quer linha de corte? Este é esquizo. Acesse:

CAMPANHA AFINADA CONTRA O

VIRTUALIZAÇÕES DESEJANTES DA AFIN

Este é um espaço virtual (virtus=potência) criado pela Associação Filosofia Itinerante, que atua desde 2001 na cidade de Manaus-Am, e, a partir da Inteligência Coletiva das pessoas e dos dizeres de filósofos como Epicuro, Lucrécio, Spinoza, Marx, Nietzsche, Bergson, Félix Guattari, Gilles Deleuze, Clément Rosset, Michael Hardt, Antônio Negri..., agencia trabalhos filosóficos-políticos- estéticos na tentativa de uma construção prática de cidadania e da realização da potência ativa dos corpos no mundo. Agora, com este blog, lança uma alternativa de encontro para discussões sociais, éticas, educacionais e outros temas que dizem respeito à comunidade de Manaus e outros espaços por onde passa em movimento intensivo o cometa errante da AFIN.

"Um filósofo: é um homem que experimenta, vê, ouve, suspeita, espera e sonha constantemente coisas extraordinárias; que é atingido pelos próprios pensamentos como se eles viessem de fora, de cima e de baixo, como por uma espécie de acontecimentos e de faíscas de que só ele pode ser alvo; que é talvez, ele próprio, uma trovoada prenhe de relâmpagos novos; um homem fatal, em torno do qual sempre ribomba e rola e rebenta e se passam coisas inquietantes” (Friedrich Nietzsche).

Daí que um filósofo não é necessariamente alguém que cursou uma faculdade de filosofia. Pode até ser. Mas um filósofo é alguém que em seus percursos carrega devires alegres que aumentam a potência democrática de agir.

_________________________________

BLOG PÚBLICO

Propaganda Gratuita

Você que quer comprar entre outros produtos terçado, prego, enxada, faca, sandália, correia, pé de cabra ou bola de caititu vá na CASA UYRAPURU, onde os preços são um chuchu. Rua Barão de São Domingos, nº30, Centro, Tel 3658-6169

Pão Quente e Outras Guloseimas no caminho do Tancredo.
PANIFICADORA SERPAN (Rua José Romão, 139 - Tancredo Neves - Fone: 92-8159-5830)

Fique Frio! Sabor e Refrescância!
DEGUST GULA (Avenida Bispo Pedro Massa, Cidade Nova, núcleo 5, na Rua ao lado do DB CIdade Nova.Todos os dias).

O Almoço em Família.
BAR DA NAZA OU CASA DA VAL (Comendador Clementino, próximo à Japurá, de Segunda a Sábado).

Num Passo de Mágica: transforme seu sapato velho em um lindo sapato novo!
SAPATEIRO CÂNDIDO (Calçada da Comendador Clementino, próximo ao Grupo Escolar Ribeiro da Cunha).

A Confluência das Torcidas!
CHURRASQUINHO DO LUÍS TUCUNARÉ (Japurá, entre a Silva Ramos e a Comendador Clementino).

Só o Peixe Sabe se é Novo e do Rio que Saiu. Confira esta voz na...
BARRACA DO LEGUELÉ (na Feira móvel da Prefeitura)

Preocupado com o desempenho, a memória e a inteligência? Tu és? Toma o guaraná que não é lenda. O natural de Maués!
LIGA PRA MADALENA!!! (0 XX 92 3542-1482)

Decepcionado com seus desenganos? Ponha fé nos seus planos! Fale com:
PAI GEOVANO DE OXAGUIÃ (Rua Belforroxo, S/N - Jorge Teixeira IV) (3682-5727 / 9154-5877).

Quem tem fé naõ é um qualquer! Consultas::
PAI JOEL DE OGUM (9155-3632 ou paijoeldeogum@yahoo.com.br).

Belém tá no teu plano? Então liga pro Germano!
GERMANO MAGHELA - TAXISTA - ÁGUIA RADIOTAXI - (91-8151-1464 ou 0800 280 1999).

E você que gostaria de divulgar aqui seu evento, comércio, terreiro, time de futebol, procurar namorado(a), receita de comida, telefone de contato, animal encontrado, convites diversos, marocagens, contacte: afinsophiaitin@yahoo.com.br

Outras Comunalidades

   

Categorias

Arquivos

Blog Stats

  • 4,067,986 hits

Páginas

fevereiro 2008
D S T Q Q S S
« jan   mar »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
242526272829  

%d blogueiros gostam disto: